Sobe para 99 o número de mortos e há 259 desaparecidos em Brumadinho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O número se refere ao número de corpos retirados da lama que vazou da barragem de rejeitos de minério de ferro mantida pela Vale em Brumadinho. Trabalho de resgate continua
O número se refere ao número de corpos retirados da lama que vazou da barragem de rejeitos de minério de ferro mantida pela Vale em Brumadinho. Trabalho de resgate continua

Mar de lama destruiu casas e deixou 99 mortos até o momento
Mar de lama destruiu casas e deixou 99 mortos até o momento

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/01/2019 às 07:04:00

 

Agência Brasil  
A Defesa Civil de Mi-
nas Gerais atuali-
zou, no final da tarde ontem (30), em 99 o número de vítimas do rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, identificadas pelo Instituto Médico Legal (IML). O último balanço da corporação registra 259 desaparecidos.
De acordo com a Polícia Civil, dos 99 mortos, 57 foram identificados. A orientação é que as famílias não compareçam ao IML e, sim, comuniquem-se via internet e redes sociais.
Segundo a Defesa Civil, cinco dias após o desastre causado pelo rompimento da barragem, ainda há regiões de Brumadinho que sofrem com a falta de energia.
O tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador da Defesa Civil, disse que os trabalhos na região da mina do Córrego do Feijão começaram por volta das 4h da manhã.
A barragem B6, com água, segue monitorada 24 horas por dia, segundo o órgão, sem risco de rompimento. Um plano de contingência, entretanto, foi elaborado de forma preventiva.

A Defesa Civil de Mi- nas Gerais atuali- zou, no final da tarde ontem (30), em 99 o número de vítimas do rompimento da barragem da mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, nos arredores de Belo Horizonte, identificadas pelo Instituto Médico Legal (IML). O último balanço da corporação registra 259 desaparecidos.
De acordo com a Polícia Civil, dos 99 mortos, 57 foram identificados. A orientação é que as famílias não compareçam ao IML e, sim, comuniquem-se via internet e redes sociais.
Segundo a Defesa Civil, cinco dias após o desastre causado pelo rompimento da barragem, ainda há regiões de Brumadinho que sofrem com a falta de energia.
O tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador da Defesa Civil, disse que os trabalhos na região da mina do Córrego do Feijão começaram por volta das 4h da manhã.
A barragem B6, com água, segue monitorada 24 horas por dia, segundo o órgão, sem risco de rompimento. Um plano de contingência, entretanto, foi elaborado de forma preventiva.