Reservatórios garantem abastecimento de água no município de Tobias Barreto

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Mulher recolhe água de reservatório em praça de Tobias Barreto
Mulher recolhe água de reservatório em praça de Tobias Barreto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/01/2019 às 07:20:00

 

"Eu não sei o que seria da gente se não fosse essa caixa d'água aqui na porta de casa". O depoimento é da aposentada Raimunda Ramos, de 72 anos. Ela é moradora da cidade de Tobias Barreto, no agreste do Estado, e a caixa d'água que citou está entre os 19 reservatórios que foram distribuídos pelo Governo de Sergipe em diversos pontos da cidade.
 A ausência de chuvas significativas, como revelado pela aposentada, tem provocado uma grande estiagem na região -- como também a diminuição do nível da barragem de Jabeberi que abastece o município. Contudo, através de uma ação conjunta entre a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e a Defesa Civil Estadual, a população não tem ficado sem o abastecimento. 
 "O projeto das caixas d'água foi uma das medidas estabelecidas para minimizar o impacto negativo em relação ao possível desabastecimento do município. Mas, além disso, a Deso atuou na concepção de uma nova adutora que possibilitará levar água do município de Itapicuru (Bahia) até o município de Tobias Barreto", explicou o diretor de operações da Deso, Carlos Anderson.
 As caixas foram colocadas em áreas específicas, com base em relatórios que apontaram os principais pontos de desabastecimento da cidade. Esses reservatórios são abastecidos diariamente por caminhões-pipa. E esta água que chega todos os dias, segundo os próprios moradores, não só sacia a sede deles. Ela devolve a esperança e certeza de que dias melhores estão a caminho. 
 "A gente usa a água da caixa para beber, para cozinhar e fazer o nosso café todo dia. Ela tem sido essencial para as nossas vidas. A gente sabe que as coisas só vão melhorar mesmo quando chover, então, enquanto isso, estamos conseguindo dar conta de tudo com a água dessas caixas e com a da torneira", disse a dona de casa, Erlane de Matos. 
 Esse revezamento também foi aderido por outros moradores da cidade. Isso porque, de acordo com eles, a água que chega às torneiras não tem sido suficiente para todas as necessidades. Sendo assim, muitos estão utilizando o fornecimento gratuito das caixas d'água disponibilizado pelo Governo para consumo próprio e a do sistema para os afazeres domésticos. 

"Eu não sei o que seria da gente se não fosse essa caixa d'água aqui na porta de casa". O depoimento é da aposentada Raimunda Ramos, de 72 anos. Ela é moradora da cidade de Tobias Barreto, no agreste do Estado, e a caixa d'água que citou está entre os 19 reservatórios que foram distribuídos pelo Governo de Sergipe em diversos pontos da cidade.
 A ausência de chuvas significativas, como revelado pela aposentada, tem provocado uma grande estiagem na região -- como também a diminuição do nível da barragem de Jabeberi que abastece o município. Contudo, através de uma ação conjunta entre a Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso) e a Defesa Civil Estadual, a população não tem ficado sem o abastecimento. 
 "O projeto das caixas d'água foi uma das medidas estabelecidas para minimizar o impacto negativo em relação ao possível desabastecimento do município. Mas, além disso, a Deso atuou na concepção de uma nova adutora que possibilitará levar água do município de Itapicuru (Bahia) até o município de Tobias Barreto", explicou o diretor de operações da Deso, Carlos Anderson.
 As caixas foram colocadas em áreas específicas, com base em relatórios que apontaram os principais pontos de desabastecimento da cidade. Esses reservatórios são abastecidos diariamente por caminhões-pipa. E esta água que chega todos os dias, segundo os próprios moradores, não só sacia a sede deles. Ela devolve a esperança e certeza de que dias melhores estão a caminho. 
 "A gente usa a água da caixa para beber, para cozinhar e fazer o nosso café todo dia. Ela tem sido essencial para as nossas vidas. A gente sabe que as coisas só vão melhorar mesmo quando chover, então, enquanto isso, estamos conseguindo dar conta de tudo com a água dessas caixas e com a da torneira", disse a dona de casa, Erlane de Matos. 
 Esse revezamento também foi aderido por outros moradores da cidade. Isso porque, de acordo com eles, a água que chega às torneiras não tem sido suficiente para todas as necessidades. Sendo assim, muitos estão utilizando o fornecimento gratuito das caixas d'água disponibilizado pelo Governo para consumo próprio e a do sistema para os afazeres domésticos.