Conselho Deliberativo do Sebrae promove sua primeira reunião

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Durante o encontro foram apresentados os indicadores de desempenho do Sebrae em 2018
Durante o encontro foram apresentados os indicadores de desempenho do Sebrae em 2018

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 31/01/2019 às 07:27:00

 

O Conselho Deliberativo do Sebrae reuniu seus integrantes para apresentar os indicadores de desempenho e limites orçamentários da instituição relativos ao ano de 2018. Os dados sinalizam que mesmo diante de um cenário de retração econômica, o trabalho de apoio aos pequenos negócios em Sergipe foi bem executado.
Somente no passado, foram atendidas 19.756 empresas no estado, 18,3% a mais que o previsto para o período. Desse total, 12.092 são microempreendedores individuais, 6,3 mil microempresas e 1.364 empresas de pequeno porte.
Além daqueles que já possuem um negócio formalizado, a instituição também buscou fomentar o empreendedorismo por meio do atendimento a potenciais empresários e potenciais empreendedores. Junto ao primeiro grupo, que reúne aqueles que atuam na informalidade, foram realizados 17.742 atendimentos, número 47,8% superior à meta estabelecida.
Já em relação ao segundo, que contempla pessoas físicas que ainda não possuem um negócio e nem estão efetivamente envolvidos na estruturação de uma empresa, foram beneficiadas outras 7.168 pessoas, quase 80% a mais que o previsto.
 "A primeira reunião é importante porque nos permite analisar o desempenho da instituição e serve de modelo para que possamos fazer algumas correções e estabelecer novas metas. O Sebrae já vem desenvolvendo um trabalho importante, mas queremos que ele contribua ainda mais com o desenvolvimento do nosso estado. É preciso que estejamos alinhados com o novo momento que o país vive, de reconstrução e reequilíbrio, para que possamos ajudar as milhares de pessoas que estão desempregadas a abrir seu negócio e se qualificar", explica o presidente do Conselho Deliberativo, Marco Pinheiro.
 Inovação - Outros resultados que merecem destaque são os de fomento à inovação junto aos pequenos negócios e a luta pela implementação de políticas públicas que favoreçam a atuação das micro e pequenas empresas no estado. Em Sergipe, 2.100 empresas foram atendidas pelo Sebrae com soluções específicas de inovação e outros 13 municípios passaram a colocar em prática a Lei Complementar 123/2006, mais conhecida como Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.
"Esse é um de apresentação não só dos números, mas também da nova gestão perante ao Conselho e das propostas que pretendemos colocar em prática. Temos aqui um fórum privilegiado, com a presença de representantes da indústria, agronegócio, comércio, serviços e do Governo do Estado. A nossa ideia é unir esforços com todas essas entidades eencontrar as soluções mais adequadas para os problemas que o setor empresarial vem enfrentando hoje", ressalta o superintendente do Sebrae, Paulo do Eirado.

O Conselho Deliberativo do Sebrae reuniu seus integrantes para apresentar os indicadores de desempenho e limites orçamentários da instituição relativos ao ano de 2018. Os dados sinalizam que mesmo diante de um cenário de retração econômica, o trabalho de apoio aos pequenos negócios em Sergipe foi bem executado.
Somente no passado, foram atendidas 19.756 empresas no estado, 18,3% a mais que o previsto para o período. Desse total, 12.092 são microempreendedores individuais, 6,3 mil microempresas e 1.364 empresas de pequeno porte.
Além daqueles que já possuem um negócio formalizado, a instituição também buscou fomentar o empreendedorismo por meio do atendimento a potenciais empresários e potenciais empreendedores. Junto ao primeiro grupo, que reúne aqueles que atuam na informalidade, foram realizados 17.742 atendimentos, número 47,8% superior à meta estabelecida.
Já em relação ao segundo, que contempla pessoas físicas que ainda não possuem um negócio e nem estão efetivamente envolvidos na estruturação de uma empresa, foram beneficiadas outras 7.168 pessoas, quase 80% a mais que o previsto.
 "A primeira reunião é importante porque nos permite analisar o desempenho da instituição e serve de modelo para que possamos fazer algumas correções e estabelecer novas metas. O Sebrae já vem desenvolvendo um trabalho importante, mas queremos que ele contribua ainda mais com o desenvolvimento do nosso estado. É preciso que estejamos alinhados com o novo momento que o país vive, de reconstrução e reequilíbrio, para que possamos ajudar as milhares de pessoas que estão desempregadas a abrir seu negócio e se qualificar", explica o presidente do Conselho Deliberativo, Marco Pinheiro.

 Inovação - Outros resultados que merecem destaque são os de fomento à inovação junto aos pequenos negócios e a luta pela implementação de políticas públicas que favoreçam a atuação das micro e pequenas empresas no estado. Em Sergipe, 2.100 empresas foram atendidas pelo Sebrae com soluções específicas de inovação e outros 13 municípios passaram a colocar em prática a Lei Complementar 123/2006, mais conhecida como Lei Geral da Micro e Pequena Empresa.
"Esse é um de apresentação não só dos números, mas também da nova gestão perante ao Conselho e das propostas que pretendemos colocar em prática. Temos aqui um fórum privilegiado, com a presença de representantes da indústria, agronegócio, comércio, serviços e do Governo do Estado. A nossa ideia é unir esforços com todas essas entidades eencontrar as soluções mais adequadas para os problemas que o setor empresarial vem enfrentando hoje", ressalta o superintendente do Sebrae, Paulo do Eirado.