Brasil real

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/02/2019 às 06:15:00

 

Sai governo, entra governo, e a cri-
se econômica continua firme e for-
te. Embora os 12,2 milhões de desempregados não tenham merecido ainda a atenção declarada do presidente Jair Bolsonaro, a situação dos trabalhadores na rua da amargura extrapola em muito o drama individual e a dificuldade particular. O quadro é de estagnação. E resiste bravamente às diversas mudanças de guarda no primeiro escalão da República.
Ontem, os números foram atualizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. De acordo com a apuração do IBGE, continua tudo como dantes no quartel de Abrantes: O País conta ainda com 12,2 milhões de desempregados. 
A taxa média de desemprego do país fechou o trimestre móvel encerrado em dezembro de 2018 em 11,6% - queda de 0,3 ponto percentual em relação ao trimestre julho a setembro (11,9%). Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Enquanto a falaciosa pauta de costumes tocada pelos assessores diretos do presidente Bolsonaro causa escândalo e controvérsia em todas as arenas do debate público, dos jornais e noticiários até as redes sociais, a realidade do Brasil real reclama providências, indiferente aos delírios ideológicos dos atuais inquilinos hospedados no Palácio do Planalto. Neste particular, a reforma da previdência pretendida pelo ministro Paulo Guedes pode até servir de alento. Mas dificilmente mudará alguma coisa na vida dos trabalhadores desempregados.

Sai governo, entra governo, e a cri- se econômica continua firme e for- te. Embora os 12,2 milhões de desempregados não tenham merecido ainda a atenção declarada do presidente Jair Bolsonaro, a situação dos trabalhadores na rua da amargura extrapola em muito o drama individual e a dificuldade particular. O quadro é de estagnação. E resiste bravamente às diversas mudanças de guarda no primeiro escalão da República.
Ontem, os números foram atualizados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. De acordo com a apuração do IBGE, continua tudo como dantes no quartel de Abrantes: O País conta ainda com 12,2 milhões de desempregados. 
A taxa média de desemprego do país fechou o trimestre móvel encerrado em dezembro de 2018 em 11,6% - queda de 0,3 ponto percentual em relação ao trimestre julho a setembro (11,9%). Os dados fazem parte da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada hoje (31), pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Enquanto a falaciosa pauta de costumes tocada pelos assessores diretos do presidente Bolsonaro causa escândalo e controvérsia em todas as arenas do debate público, dos jornais e noticiários até as redes sociais, a realidade do Brasil real reclama providências, indiferente aos delírios ideológicos dos atuais inquilinos hospedados no Palácio do Planalto. Neste particular, a reforma da previdência pretendida pelo ministro Paulo Guedes pode até servir de alento. Mas dificilmente mudará alguma coisa na vida dos trabalhadores desempregados.