Adema confirma que vai multar Petrobras por hibernação na Fafen

Cidades

 

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) confirmou ontem que vai aplicar uma multa contra a Petrobras, por causa do início do processo de hibernação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), em Laranjeiras (vale do Cotinguiba). Segundo o presidente da repartição, Gilvan Dias, a punição será aplicada porque a paralisação aconteceu sem a apresentação de um plano de minimização dos riscos de acidentes e dos impactos ambientais provenientes do fim das atividades da fábrica. O valor da multa ainda não foi definido, mas pode variar entre R$ 5 mil e R$ 15 milhões. 
O total da multa a ser paga depende da análise dos gases que exalaram da rede de tubulações da fábrica, no último final de semana, quando um forte cheiro foi sentido por moradores do povoado Bom Jesus, em Laranjeiras. Técnicos da Adema e da Prefeitura de Laranjeiras fizeram uma primeira visita na terça-feira e constataram que houve um vazamento de amônia, que veio de um processo de limpeza das tubulações de gás, conhecido como 'desgaseificação'. 
Ontem, a direção da Fafen cumpriu o prazo de 24 horas que foi dado pela Adema e apresentou um relatório com os níveis de amônia e outros gases emitidos pela fábrica. O documento será analisado pelos técnicos do órgão, para apurar se a unidade infringiu ou não alguma norma ambiental e qual foi a responsabilidade dela na emissão dos gases. A previsão é de que a análise seja concluída na semana que vem. 
Em nota, a Petrobras informou que" tomou conhecimento das reclamações ocorridas no povoado Bom Jesus" e que "após medições realizadas no povoado, não foram encontradas anormalidades". A companhia esclarece está realizando novas medições e verificações em suas instalações, e que está apresentando todos os esclarecimentos às autoridades ambientais, dentro dos prazos exigidos. 

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) confirmou ontem que vai aplicar uma multa contra a Petrobras, por causa do início do processo de hibernação da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), em Laranjeiras (vale do Cotinguiba). Segundo o presidente da repartição, Gilvan Dias, a punição será aplicada porque a paralisação aconteceu sem a apresentação de um plano de minimização dos riscos de acidentes e dos impactos ambientais provenientes do fim das atividades da fábrica. O valor da multa ainda não foi definido, mas pode variar entre R$ 5 mil e R$ 15 milhões. 
O total da multa a ser paga depende da análise dos gases que exalaram da rede de tubulações da fábrica, no último final de semana, quando um forte cheiro foi sentido por moradores do povoado Bom Jesus, em Laranjeiras. Técnicos da Adema e da Prefeitura de Laranjeiras fizeram uma primeira visita na terça-feira e constataram que houve um vazamento de amônia, que veio de um processo de limpeza das tubulações de gás, conhecido como 'desgaseificação'. 
Ontem, a direção da Fafen cumpriu o prazo de 24 horas que foi dado pela Adema e apresentou um relatório com os níveis de amônia e outros gases emitidos pela fábrica. O documento será analisado pelos técnicos do órgão, para apurar se a unidade infringiu ou não alguma norma ambiental e qual foi a responsabilidade dela na emissão dos gases. A previsão é de que a análise seja concluída na semana que vem. 
Em nota, a Petrobras informou que" tomou conhecimento das reclamações ocorridas no povoado Bom Jesus" e que "após medições realizadas no povoado, não foram encontradas anormalidades". A companhia esclarece está realizando novas medições e verificações em suas instalações, e que está apresentando todos os esclarecimentos às autoridades ambientais, dentro dos prazos exigidos. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS