Huse completa 32 anos de funcionamento

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 07/02/2019 às 07:08:00

 

A maior unidade hospitalar pública do Estado, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) completou 32 anos no último sábado (02), história marcada por uma gama de serviços prestados à população sergipana e aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), além de estados vizinhos como a Bahia e Alagoas, que diariamente são encaminhados ou se deslocam à procura de serviços de saúde de média e alta complexidade.
Para se ter uma ideia do grau de importância do Huse, vale analisar as estatísticas de atendimentos realizados anualmente. Somente em 2018, foram 165 mil atendimentos e desse total, 19 mil ficaram internados, sejam eles em urgência, emergência e internações, além de consultas no Centro de Oncologia e no Hospital Pediátrico.
Inaugurado em 7 de novembro de 1986, o Huse começou a funcionar quase três meses depois, no dia 2 de fevereiro do ano seguinte. Nesse tempo de existência, o maior hospital público de Sergipe, hoje responsável por uma média mensal de 15 mil atendimentos somente de urgência e emergência, passou por várias reformas e mudanças assistenciais e estruturais.
O superintendente do Huse, Darcy Tavares, destaca o crescimento do Huse, tanto em espaço físico como em organização do trabalho. "O Huse é uma peça na engrenagem. Quando o hospital foi criado,  o objetivo era que fosse o hospital de urgência, tanto que era infinitamente menor do que ele é hoje, então, com o Sistema Único de Saúde, ele trabalha com as três esferas do governo: municipal, estadual e federal, por isso é preciso que cada uma dessas esferas cumpra com seu papel, a fim de que o sistema funcione humanizadamente", disse.

A maior unidade hospitalar pública do Estado, o Hospital de Urgência de Sergipe (Huse), unidade gerenciada pela Secretaria de Estado da Saúde (SES) completou 32 anos no último sábado (02), história marcada por uma gama de serviços prestados à população sergipana e aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS), além de estados vizinhos como a Bahia e Alagoas, que diariamente são encaminhados ou se deslocam à procura de serviços de saúde de média e alta complexidade.
Para se ter uma ideia do grau de importância do Huse, vale analisar as estatísticas de atendimentos realizados anualmente. Somente em 2018, foram 165 mil atendimentos e desse total, 19 mil ficaram internados, sejam eles em urgência, emergência e internações, além de consultas no Centro de Oncologia e no Hospital Pediátrico.
Inaugurado em 7 de novembro de 1986, o Huse começou a funcionar quase três meses depois, no dia 2 de fevereiro do ano seguinte. Nesse tempo de existência, o maior hospital público de Sergipe, hoje responsável por uma média mensal de 15 mil atendimentos somente de urgência e emergência, passou por várias reformas e mudanças assistenciais e estruturais.
O superintendente do Huse, Darcy Tavares, destaca o crescimento do Huse, tanto em espaço físico como em organização do trabalho. "O Huse é uma peça na engrenagem. Quando o hospital foi criado,  o objetivo era que fosse o hospital de urgência, tanto que era infinitamente menor do que ele é hoje, então, com o Sistema Único de Saúde, ele trabalha com as três esferas do governo: municipal, estadual e federal, por isso é preciso que cada uma dessas esferas cumpra com seu papel, a fim de que o sistema funcione humanizadamente", disse.