Prefeitura quer desocupação de prédio com risco de desabamento no Siqueira Campos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
O secretário Luiz Fernando durante entrevista na clínica abandonada
O secretário Luiz Fernando durante entrevista na clínica abandonada

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 09/02/2019 às 06:25:00

 

Na manhã desta sexta-feira, a Prefeitura de Aracaju, promoveu uma entrevista coletiva, na sede da Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), para explicar ações preventivas voltadas aos riscos constatados no prédio da antiga clínica Santa Maria, no bairro Siqueira Campos. O local, ocupado por 125 famílias, encontra-se com risco iminente de desabamento, por tanto, a partir de laudo confeccionado pela Defesa Civil de Aracaju, algumas medidas foram adotadas para promover a desocupação do espaço, com objetivo de garantir a segurança das pessoas que ali estão.
O secretário municipal da Defesa Social e da Cidadania, Luís Fernando Almeida, esclareceu que na quarta-feira, 6, quando ocorreram chuvas mais intensas na capital, a Defesa Civil de Aracaju recebeu o chamado de uma das moradoras do local, através do número emergencial da Defesa Civil - 199. Prontamente, as equipes se deslocaram para o endereço da antiga clínica, onde constataram o risco iminente de desabamento. "A situação foi comunicada ao prefeito Edvaldo Nogueira, que determinou providências imediatas para que as pessoas saíssem do local. Diversos recursos foram mobilizados para garantir a estrutura necessária para abrigá-las. Foram disponibilizados ônibus, caminhões para retirada de pertences dos ocupantes e um galpão foi alugado para abrigar essas pessoas pelo tempo que for necessário", explicou Luís Fernando Almeida.
Juntamente com a equipe da Secretaria Municipal da Assistência Social, a Defesa Civil foi até o local, na tarde da quinta-feira, 7, para comunicar e orientar os ocupantes sobre a situação. Foram assinados os termos de interdição, o que levou muitas famílias a se retirarem do local por livre iniciativa, em reconhecimento aos riscos que corriam ali. "Esclarecemos que isso não é uma reintegração de posse, pois não temos determinação judicial para obrigar que essas pessoas saiam desse terreno, que é particular. Estamos, apenas, disponibilizando os recursos necessários para que elas não corram risco de morte. É uma medida preventiva para promover a segurança dessas famílias", enfatizou o secretário.
O proprietário do imóvel foi notificado nesta sexta-feira para realizar a demolição da edificação em 72h. Além disso, também será encaminhada uma notificação ao Ministério Público, para o Conselho Tutelar e, também, para a Defensoria Pública. "Entendemos que os problemas sociais são problemas de todos e a Prefeitura de Aracaju está fazendo a sua parte para evitar que um desastre aconteça", reforçou.

Na manhã desta sexta-feira, a Prefeitura de Aracaju, promoveu uma entrevista coletiva, na sede da Secretaria Municipal da Defesa Social e da Cidadania (Semdec), para explicar ações preventivas voltadas aos riscos constatados no prédio da antiga clínica Santa Maria, no bairro Siqueira Campos. O local, ocupado por 125 famílias, encontra-se com risco iminente de desabamento, por tanto, a partir de laudo confeccionado pela Defesa Civil de Aracaju, algumas medidas foram adotadas para promover a desocupação do espaço, com objetivo de garantir a segurança das pessoas que ali estão.
O secretário municipal da Defesa Social e da Cidadania, Luís Fernando Almeida, esclareceu que na quarta-feira, 6, quando ocorreram chuvas mais intensas na capital, a Defesa Civil de Aracaju recebeu o chamado de uma das moradoras do local, através do número emergencial da Defesa Civil - 199. Prontamente, as equipes se deslocaram para o endereço da antiga clínica, onde constataram o risco iminente de desabamento. "A situação foi comunicada ao prefeito Edvaldo Nogueira, que determinou providências imediatas para que as pessoas saíssem do local. Diversos recursos foram mobilizados para garantir a estrutura necessária para abrigá-las. Foram disponibilizados ônibus, caminhões para retirada de pertences dos ocupantes e um galpão foi alugado para abrigar essas pessoas pelo tempo que for necessário", explicou Luís Fernando Almeida.
Juntamente com a equipe da Secretaria Municipal da Assistência Social, a Defesa Civil foi até o local, na tarde da quinta-feira, 7, para comunicar e orientar os ocupantes sobre a situação. Foram assinados os termos de interdição, o que levou muitas famílias a se retirarem do local por livre iniciativa, em reconhecimento aos riscos que corriam ali. "Esclarecemos que isso não é uma reintegração de posse, pois não temos determinação judicial para obrigar que essas pessoas saiam desse terreno, que é particular. Estamos, apenas, disponibilizando os recursos necessários para que elas não corram risco de morte. É uma medida preventiva para promover a segurança dessas famílias", enfatizou o secretário.
O proprietário do imóvel foi notificado nesta sexta-feira para realizar a demolição da edificação em 72h. Além disso, também será encaminhada uma notificação ao Ministério Público, para o Conselho Tutelar e, também, para a Defensoria Pública. "Entendemos que os problemas sociais são problemas de todos e a Prefeitura de Aracaju está fazendo a sua parte para evitar que um desastre aconteça", reforçou.