Prevenção dá resultado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/02/2019 às 06:21:00

 

O zumbido do Aedes Aegypti já 
não é ouvido pelas bandas de 
Aracaju, mas nem por isso deixa de preocupar as autoridades municipais. Permanece viva, na memória dos mais vigilantes, a lembrança das filas nos postos de saúde e hospitais da capital sergipana. Foi justamente o desprezo negligente dos entes públicos que permitiu a proliferação do mosquito, com saldo de dezenas de mortos, em passado recente. Um perigo.
Embora não exista razão para alarme, a Prefeitura de Aracaju vem tomando todos os cuidados para impedir um novo surto de enfermidades transmitidas pelo Aedes - dengue, chikungunya, zika e até febre amarela. O número de agentes de endemias combatendo o vetor ainda é muito reduzido. Mas, de todo modo, o trabalho preventivo da Prefeitura vem se mostrando suficiente para debelar o temível mosquito.
Neste particular, todo cuidado é pouco. Ano passado, o Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa) registrado em Aracaju foi o menor dos últimos onze anos. O trabalho preventivo realizado de casa em casa, de modo contínuo, com a colaboração da população, reverteu um quadro muito preocupante, beirando uma epidemia.
Não adianta convocar a população para o combate sem dar o exemplo. Campanhas de conscientização, através de palestras e promoção à saúde nas escolas, além dos mutirões nos campos, coletas de pneus, o funcionamento do programa cata treco, a ação diária dos agentes de endemias, são responsabilidades do poder público municipal, finalmente assumidas sem nenhuma desculpa. Um trabalho cotidiano, minucioso, que já deu resultado.

O zumbido do Aedes Aegypti já  não é ouvido pelas bandas de  Aracaju, mas nem por isso deixa de preocupar as autoridades municipais. Permanece viva, na memória dos mais vigilantes, a lembrança das filas nos postos de saúde e hospitais da capital sergipana. Foi justamente o desprezo negligente dos entes públicos que permitiu a proliferação do mosquito, com saldo de dezenas de mortos, em passado recente. Um perigo.
Embora não exista razão para alarme, a Prefeitura de Aracaju vem tomando todos os cuidados para impedir um novo surto de enfermidades transmitidas pelo Aedes - dengue, chikungunya, zika e até febre amarela. O número de agentes de endemias combatendo o vetor ainda é muito reduzido. Mas, de todo modo, o trabalho preventivo da Prefeitura vem se mostrando suficiente para debelar o temível mosquito.
Neste particular, todo cuidado é pouco. Ano passado, o Índice Rápido do Aedes Aegypti (LIRAa) registrado em Aracaju foi o menor dos últimos onze anos. O trabalho preventivo realizado de casa em casa, de modo contínuo, com a colaboração da população, reverteu um quadro muito preocupante, beirando uma epidemia.
Não adianta convocar a população para o combate sem dar o exemplo. Campanhas de conscientização, através de palestras e promoção à saúde nas escolas, além dos mutirões nos campos, coletas de pneus, o funcionamento do programa cata treco, a ação diária dos agentes de endemias, são responsabilidades do poder público municipal, finalmente assumidas sem nenhuma desculpa. Um trabalho cotidiano, minucioso, que já deu resultado.