Mais dois matadouros são fechados no Estado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
PELA MANHÃ, MARCHANTES DE ITABAIANA E MUNICÍPIOS DA REGIÃO FECHARAM A BR-235 COBRANDO A REABERTURA IMEDIATA DO MATADOURO
PELA MANHÃ, MARCHANTES DE ITABAIANA E MUNICÍPIOS DA REGIÃO FECHARAM A BR-235 COBRANDO A REABERTURA IMEDIATA DO MATADOURO

Promotores e fiscais durante inspeção no matadouro de Itaporanga
Promotores e fiscais durante inspeção no matadouro de Itaporanga

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 15/02/2019 às 06:39:00

 

Milton Alves Júnior
Em combate à clandestini
dade, uma ação unifica
da realizada na manhã de ontem resultou na interdição do Matadouro Municipal José Sobral Garcez e do mercado de carnes, localizado respectivamente nos municípios de Itaporanga D'Ajuda e de Estância. O ato contou com a participação direta de representantes dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (CREA), Administração Estadual do Meio Ambiente (ADEMA), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Vigilância Sanitária, Comando de Operações Especiais (COE) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).
Conforme oficializado pelo MPF, o matadouro de Itaporanga possui até a tarde de hoje para retirar todos os objetivos utilizados para o abate de animais. A medida instantânea chamou a atenção dos marchantes, os quais já reivindicam o apoio da administração municipal. Ciente da ocorrência, a Prefeitura de Itaporanga D'Ajuda informou ao JORNAL DO DIA que a assessoria jurídica segue trabalhando para regularizar os conflitos e minimizar os contratempos a serem enfrentados pelos trabalhadores. O matadouro de Estância recebeu um prazo maior; cinco dias. A diferença de prazos ocorre em virtude da diferença estrutural dos dois ambientes interditados.
O JD também buscou pronunciamento por parte da Prefeitura de Estância, mas até o início da noite a administração pública não havia se manifestado sobre o assunto. De acordo com o promotor do Ministério Público Federal, Yuri Marcel, denúncias de irregularidades foram apresentadas gradativamente aos órgãos participantes da operação. "Em vistorias essas denúncias foram comprovadas e, para qualificar o serviço e garantir qualidade de vida aos consumidores, o processo de interdição foi iniciado. Compreendemos a importância desses locais, mas eles precisam respeitar todas as determinações para voltar a funcionar; desta vez com o devido alvará de funcionamento", declarou.
Sobre a situação do serviço de matadouros realizados em Sergipe, o Ministério Público Estadual informou que as unidades ainda em funcionamento nos municípios de Nossa Senhora das Dores e Siriri devem ser desativadas em curto prazo. A expectativa do órgão fiscalizatório é que um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) seja assinada a fim de adotar providências para não permitir o funcionamento daqueles estabelecimentos. Caso esse TAC não seja oficializado, em ação semelhante à realizada na manhã de ontem, os órgãos devem intervir e impor a interdição dos matadouros. A suspensão das atividades deve permanecer por tempo indeterminado.
Manifestação - A demora na reabertura do matadouro de Itabaiana tem gerado insatisfação junto às dezenas de trabalhadores do espaço. Para chamar a atenção dos órgãos públicos quanto ao desejo de reinício das atividades, na manhã de ontem um grupo se reuniu na altura do km 41 da BR 235 e interditaram o fluxo de veículos por mais de duas horas. Desde o mês de novembro do ano passado o matadouro está fechado por determinação judicial. Indícios de desvio de taxas do estabelecimento resultaram, por exemplo, na prisão do prefeito Valmir de Francisquinho e de secretários.
 "Estamos reunidos para pedir aos órgãos competentes para que possam permitir a volta da gente para o trabalho. São três meses de dificuldades e incertezas. Manter a paciência é difícil quando sabemos que estamos penalizados por algo que não temos culpa. Essa manifestação é para mostrar nossa insatisfação", declarou o marchante Fábio Santos. Durante a mobilização agentes da Polícia Rodoviária Federal atuou na perspectiva de minimizar o congestionamento. "Se as coisas continuarem assim, com o matadouro fechado e a gente prejudicado o jeito é realizar outras mobilizações", pontuou o manifestante.

Milton Alves Júnior

Em combate à clandestini dade, uma ação unifica da realizada na manhã de ontem resultou na interdição do Matadouro Municipal José Sobral Garcez e do mercado de carnes, localizado respectivamente nos municípios de Itaporanga D'Ajuda e de Estância. O ato contou com a participação direta de representantes dos Ministérios Públicos Estadual e Federal, Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Sergipe (CREA), Administração Estadual do Meio Ambiente (ADEMA), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), Vigilância Sanitária, Comando de Operações Especiais (COE) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).
Conforme oficializado pelo MPF, o matadouro de Itaporanga possui até a tarde de hoje para retirar todos os objetivos utilizados para o abate de animais. A medida instantânea chamou a atenção dos marchantes, os quais já reivindicam o apoio da administração municipal. Ciente da ocorrência, a Prefeitura de Itaporanga D'Ajuda informou ao JORNAL DO DIA que a assessoria jurídica segue trabalhando para regularizar os conflitos e minimizar os contratempos a serem enfrentados pelos trabalhadores. O matadouro de Estância recebeu um prazo maior; cinco dias. A diferença de prazos ocorre em virtude da diferença estrutural dos dois ambientes interditados.
O JD também buscou pronunciamento por parte da Prefeitura de Estância, mas até o início da noite a administração pública não havia se manifestado sobre o assunto. De acordo com o promotor do Ministério Público Federal, Yuri Marcel, denúncias de irregularidades foram apresentadas gradativamente aos órgãos participantes da operação. "Em vistorias essas denúncias foram comprovadas e, para qualificar o serviço e garantir qualidade de vida aos consumidores, o processo de interdição foi iniciado. Compreendemos a importância desses locais, mas eles precisam respeitar todas as determinações para voltar a funcionar; desta vez com o devido alvará de funcionamento", declarou.
Sobre a situação do serviço de matadouros realizados em Sergipe, o Ministério Público Estadual informou que as unidades ainda em funcionamento nos municípios de Nossa Senhora das Dores e Siriri devem ser desativadas em curto prazo. A expectativa do órgão fiscalizatório é que um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) seja assinada a fim de adotar providências para não permitir o funcionamento daqueles estabelecimentos. Caso esse TAC não seja oficializado, em ação semelhante à realizada na manhã de ontem, os órgãos devem intervir e impor a interdição dos matadouros. A suspensão das atividades deve permanecer por tempo indeterminado.

Manifestação - A demora na reabertura do matadouro de Itabaiana tem gerado insatisfação junto às dezenas de trabalhadores do espaço. Para chamar a atenção dos órgãos públicos quanto ao desejo de reinício das atividades, na manhã de ontem um grupo se reuniu na altura do km 41 da BR 235 e interditaram o fluxo de veículos por mais de duas horas. Desde o mês de novembro do ano passado o matadouro está fechado por determinação judicial. Indícios de desvio de taxas do estabelecimento resultaram, por exemplo, na prisão do prefeito Valmir de Francisquinho e de secretários.
 "Estamos reunidos para pedir aos órgãos competentes para que possam permitir a volta da gente para o trabalho. São três meses de dificuldades e incertezas. Manter a paciência é difícil quando sabemos que estamos penalizados por algo que não temos culpa. Essa manifestação é para mostrar nossa insatisfação", declarou o marchante Fábio Santos. Durante a mobilização agentes da Polícia Rodoviária Federal atuou na perspectiva de minimizar o congestionamento. "Se as coisas continuarem assim, com o matadouro fechado e a gente prejudicado o jeito é realizar outras mobilizações", pontuou o manifestante.