Órgãos retornam à Praça do Farol para fiscalizar ocorrências

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/02/2019 às 06:07:00

 

Som acima do permitido pela lei ambiental, consumo excessivo de álcool por jovens e adolescentes, ocupação irregular do espaço público, tudo isso em um só local, no mesmo horário e até a madrugada - Praça do Farol, bairro Farolândia, zona Sul da capital. A movimentação ocorre a partir da quinta-feira e, segundo os moradores da área e ruas adjacentes, prossegue no final de semana. 
Esta realidade é conhecida de órgãos das administrações municipal e estadual e tem exigido deles a execução de ações enérgicas. Desta forma, mais uma vez, agora sob a orientação do Ministério Público Estadual de Sergipe (MP/SE), a Polícia Militar (PM/SE), Corpo de Bombeiros, Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Guarda Municipal de Aracaju (GMA), Secretaria Municipal da Saúde/Vigilância Sanitária e Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema) foram ao local, na noite desta quinta-feira, 14, para orientar e fiscalizar aqueles que possam perturbar a tranquilidade e promover a violência e a insegurança.
"As pessoas precisam entender que trabalhamos pelo bem-estar da maioria da população. Não é possível utilizar os espaços públicos sem qualquer autorização e orientação do órgão competente, que é a Emsurb. Nosso papel aqui, nesta noite, é conversar com os ambulantes que comercializam nos arredores da praça, nos dias de muita movimentação. Evitar que seus comércios contribuam a desordem", disse o diretor de Espaços Públicos e Abastecimento da Emsurb, Bira Rabelo. 
No mesmo período, a GMA se colocou para intensificar  o policiamento preventivo e observar situações de vandalismo em prédios públicos, a exemplo do Farol, monumento tombado pelo Iphan (Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). A Vigilância Sanitária fez visitas aos trailers e a Polícia Ambiental monitorou a possibilidade de abuso de som. "A Prefeitura de Aracaju segue as orientações do MP, especialmente no que diz respeito a promoção da ordem nas vias públicas da capital", concluiu o diretor.

Som acima do permitido pela lei ambiental, consumo excessivo de álcool por jovens e adolescentes, ocupação irregular do espaço público, tudo isso em um só local, no mesmo horário e até a madrugada - Praça do Farol, bairro Farolândia, zona Sul da capital. A movimentação ocorre a partir da quinta-feira e, segundo os moradores da área e ruas adjacentes, prossegue no final de semana. 
Esta realidade é conhecida de órgãos das administrações municipal e estadual e tem exigido deles a execução de ações enérgicas. Desta forma, mais uma vez, agora sob a orientação do Ministério Público Estadual de Sergipe (MP/SE), a Polícia Militar (PM/SE), Corpo de Bombeiros, Empresa Municipal de Serviços Urbanos (Emsurb), Guarda Municipal de Aracaju (GMA), Secretaria Municipal da Saúde/Vigilância Sanitária e Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Sema) foram ao local, na noite desta quinta-feira, 14, para orientar e fiscalizar aqueles que possam perturbar a tranquilidade e promover a violência e a insegurança.
"As pessoas precisam entender que trabalhamos pelo bem-estar da maioria da população. Não é possível utilizar os espaços públicos sem qualquer autorização e orientação do órgão competente, que é a Emsurb. Nosso papel aqui, nesta noite, é conversar com os ambulantes que comercializam nos arredores da praça, nos dias de muita movimentação. Evitar que seus comércios contribuam a desordem", disse o diretor de Espaços Públicos e Abastecimento da Emsurb, Bira Rabelo. 
No mesmo período, a GMA se colocou para intensificar  o policiamento preventivo e observar situações de vandalismo em prédios públicos, a exemplo do Farol, monumento tombado pelo Iphan (Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). A Vigilância Sanitária fez visitas aos trailers e a Polícia Ambiental monitorou a possibilidade de abuso de som. "A Prefeitura de Aracaju segue as orientações do MP, especialmente no que diz respeito a promoção da ordem nas vias públicas da capital", concluiu o diretor.