Preso garçom que colocou fogo na casa da ex-mulher

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/11/2012 às 03:06:00

Foi preso na madrugada de ontem o garçom Davi Souza Nascimento, 32 anos, acusado de colocar fogo na casa de sua ex-companheira, Janicleide Santos Tenório, 28. Ele teve a prisão preventiva decretada pela 11ª Vara Criminal de Aracaju e foi detido na casa de sua mãe, no bairro Santos Dumont (zona norte de Aracaju), por policiais civis do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV) e da Divisão de Inteligência Policial (Dipol). O incêndio criminoso aconteceu na madrugada do último dia 6 e destruiu praticamente tudo o que Havaí na residência.

Davi foi apresentado logo após a prisão e, aos jornalistas, confessou a autoria do incêndio e se disse arrependido, mas tentou justificar o que fez: disse que foi xingado e provocado pelo Janicleide. "Ela me provocou muito, me falou palavras duras, que não devia falar. Falou muita besteira, me pintou como monstro. Aí eu perdi a cabeça e fiz essa besteira, sem pensar. Mas em momento nenhum eu tive a intenção de matar ou machucar alguém. Estou disposto a pagar meus erros, comprar os móveis de volta. Fiz um ato impensado", disse ele.

O acusado disse também que a discussão com Janicleide aconteceu na manhã anterior ao incêndio, pelo telefone. Já a polícia afirma que, após esta discussão, Davi foi até a casa da ex-sogra e, armado com um revólver, ameaçou matar a todos e pegou a chave da casa da ex-esposa. Além disso, o garçom teria agredido a mulher com socos e empurrões. Depois do incêndio, o acusado afirma ter permanecido na casa da mãe, onde foi preso ontem. "Fiquei lá, pensando na besteira que fiz", lamentou.

Por sorte, Janicleide e os quatro filhos dela conseguiram sair da casa a tempo, quando Davi entrou nela e espalhou um líquido inflamável, ateando fogo em seguida. Após o incêndio, o Corpo de Bombeiros constatou que 85% dos bens que estavam dentro da casa foram queimados e que parte da estrutura do imóvel corria risco de desabar. Ontem, no DAGV, o ex-companheiro se disse disposto a pagar todo o prejuízo, mas reclamou da prisão. "Eu tenho meu trabalho, eu não sou nenhum monstro, sou um cidadão de bem. Estou disposto a comprar outros móveis, mas como é que eu vou pagar por eles, se eu estou preso?", questiona.  

Davi também admitiu que já chegou a ser preso em 2001 por crime de roubo, mas classificou o processo como "um pequeno delito do passado". Disse também que Janicleide já chegou a mover um boletim de ocorrência contra ele por agressão, mas argumentou que "ela também se arrependeu de dar parte", por causa dos filhos. "Qual é o casal que não tem os seus desentendimentos, se até as pessoas famosas passam por isso. O problema foi esse erro que eu cometi", emendou o acusado. A delegada Suirá Paim, do DAGV, indiciou o garçom pelos crimes de ameaça, injúria, provocação de incêndio, lesão corporal e porte ilegal de arma. Ele também será processado com base na Lei Maria da Penha. (Gabriel Damásio)