Posto de saúde de Socorro sofre invasão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/02/2019 às 08:06:00

 

Peritos da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE) estão intensificando as investigações a fim de descobrir a identidade e paradeiro dos responsáveis por invadir o Posto de Saúde Maria Helena, localizado no Conjunto Marcos Freire I, em Nossa Senhora do Socorro. Coordenado pela Polícia Civil e Militar, as análises seguem ocorrendo desde a manhã de ontem quando a invasão foi oficializada pela Prefeitura de Socorro, através da Secretaria Municipal da Saúde. Pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e profissionais que atuam na unidade estão sendo convidados a prestar depoimentos. Agentes da Guarda Municipal também estão mobilizados.
Informações iniciais indicam que os responsáveis pela invasão buscaram subtrair patrimônios de algum valor comercial, mas como não acharam, promoveram desordem nas documentações e móveis. Uma televisão antiga - a única da unidade de saúde -, foi arremessada no chão, e a fiação do sistema de monitoramento foi puxado na perspectiva de desativar a captação de imagens. A direção da unidade não informou oficialmente se as câmeras conseguiram registrar o ato criminoso. Apesar da destruição patrimonial, o boletim de ocorrência consta que a direção da unidade até o final da manhã de ontem não havia constatado nenhum roubo.
"Infelizmente aqui em Socorro a gente não tem tranquilidade em nenhum lugar, em nenhum conjunto, e, por incrível que pareça, nem mesmo nas escolas e nos postos de saúde estamos livres das ações dos marginais. O cidadão invadir um posto de saúde para roubar utensílios que servem para cuidar do próximo, inclusive dele, merece ficar preso por uns 10 anos sem direito a regalias", declarou o taxista Josué Silva. Sobre o andamento das investigações a SSP não informou se já possuem o nome dos suspeitos. A pasta solicita aos moradores que, caso alguém possua alguma informação, entrem em contato através dos números 190 e 181, e denunciem.
A Polícia Militar do Estado de Sergipe informou que os detalhes sobre a investigação em conjunto serão repassadas primeiramente à Secretaria de Estado da Segurança Pública, e em seguida à sociedade.

Peritos da Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE) estão intensificando as investigações a fim de descobrir a identidade e paradeiro dos responsáveis por invadir o Posto de Saúde Maria Helena, localizado no Conjunto Marcos Freire I, em Nossa Senhora do Socorro. Coordenado pela Polícia Civil e Militar, as análises seguem ocorrendo desde a manhã de ontem quando a invasão foi oficializada pela Prefeitura de Socorro, através da Secretaria Municipal da Saúde. Pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS), e profissionais que atuam na unidade estão sendo convidados a prestar depoimentos. Agentes da Guarda Municipal também estão mobilizados.
Informações iniciais indicam que os responsáveis pela invasão buscaram subtrair patrimônios de algum valor comercial, mas como não acharam, promoveram desordem nas documentações e móveis. Uma televisão antiga - a única da unidade de saúde -, foi arremessada no chão, e a fiação do sistema de monitoramento foi puxado na perspectiva de desativar a captação de imagens. A direção da unidade não informou oficialmente se as câmeras conseguiram registrar o ato criminoso. Apesar da destruição patrimonial, o boletim de ocorrência consta que a direção da unidade até o final da manhã de ontem não havia constatado nenhum roubo.
"Infelizmente aqui em Socorro a gente não tem tranquilidade em nenhum lugar, em nenhum conjunto, e, por incrível que pareça, nem mesmo nas escolas e nos postos de saúde estamos livres das ações dos marginais. O cidadão invadir um posto de saúde para roubar utensílios que servem para cuidar do próximo, inclusive dele, merece ficar preso por uns 10 anos sem direito a regalias", declarou o taxista Josué Silva. Sobre o andamento das investigações a SSP não informou se já possuem o nome dos suspeitos. A pasta solicita aos moradores que, caso alguém possua alguma informação, entrem em contato através dos números 190 e 181, e denunciem.
A Polícia Militar do Estado de Sergipe informou que os detalhes sobre a investigação em conjunto serão repassadas primeiramente à Secretaria de Estado da Segurança Pública, e em seguida à sociedade.