Terceirizada não fornece ticket de alimentação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 19/02/2019 às 08:08:00

 

Milton Alves Júnior
Cerca de cem trabalhadores da Empresa It Consulting denunciam a falta de quitação do Ticket Alimentação e depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Solicitando o apoio do JORNAL DO DIA para denunciar o caso, representantes da categoria, sem se identificar, informaram que a irregularidade se arrasta desde o mês de junho do ano passado. O pedido de não revelação das respectivas identidades tem como propósito evitar possíveis perseguições e posteriores demissões. A empresa presta serviços terceirizados ao Governo do Estado junto a todos os Centros de Atendimento ao Cidadão (Ceac).
Em contraponto aos representantes empresárias que alegam atraso no repasse financeiro por parte da Secretaria de Estado da Fazenda, os denunciantes disseram ao JD que havia um atraso de cinco prestações, mas recentemente quatro prestações foram quitandas, as quais, juntas, alcançam a casa dos 200 mil reais. Apesar desse repasse, os tickets alimentação e o próprio FGTS ainda permanecem indisponíveis aos trabalhadores. Apesar dos déficits, os denunciantes alegaram não discutir possíveis paralisações das atividades, mas reivindicam o apoio dos meios de comunicação para denunciar o fato e do governo estadual para cobrar regularização.
"Se a gente disser que os salários estão atrasados seria um equívoco grande; estaríamos indo de contra a qualquer princípio ético. Apesar dos salários estarem em dias, não quer dizer que devemos ficar calados e aceitar o atraso de quase um ano dos tickets e do nosso FGTS que é um direito constitucional. Situação difícil que quando a gente vai cobrar os representantes simplesmente nos tratam com ignorância", disse. Por mês, o custo do ticket alimentação para cada profissional é de R$ 560. No acumulado dos meses supostamente em atraso já são R$ 5.040 a menos na conta do trabalhador. Os denunciantes lamentam ainda o corte do plano de saúde.
Contraponto - Na manhã de ontem o JORNAL DO DIA tentou ouvir André Perrucho, proprietário da empresa, mas sem sucesso. No início da tarde tentamos a empresa, mas também não fomos atendidos. No final da tarde foi possível dialogar com uma funcionária apontada pelos denunciantes como gestores da empresa. A mesma informou que, apesar de não possuir competência para tratar oficialmente sobre o assunto, enalteceu a necessidade de os denunciantes buscarem a empresa para inicialmente debater o assunto de forma pacífica, antes de buscar os meios de comunicação.
"Estamos sem plano de saúde, com débitos atrasados e que o poder judiciário já jugou nossa causa procedente e determinou o pagamento dos valores atrasados, mas mesmo assim a decisão não é respeitada e os trabalhadores seguem prejudicados. Esperamos que o proprietário da empresa possa reconhecer o erro e solucionar o caso", declarou o denunciante que concluiu afirmando: "até porque o contrato com essa empresa vai até o mês de abril e nós não queremos receber esse calote".

Milton Alves Júnior

Cerca de cem trabalhadores da Empresa It Consulting denunciam a falta de quitação do Ticket Alimentação e depósito do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Solicitando o apoio do JORNAL DO DIA para denunciar o caso, representantes da categoria, sem se identificar, informaram que a irregularidade se arrasta desde o mês de junho do ano passado. O pedido de não revelação das respectivas identidades tem como propósito evitar possíveis perseguições e posteriores demissões. A empresa presta serviços terceirizados ao Governo do Estado junto a todos os Centros de Atendimento ao Cidadão (Ceac).
Em contraponto aos representantes empresárias que alegam atraso no repasse financeiro por parte da Secretaria de Estado da Fazenda, os denunciantes disseram ao JD que havia um atraso de cinco prestações, mas recentemente quatro prestações foram quitandas, as quais, juntas, alcançam a casa dos 200 mil reais. Apesar desse repasse, os tickets alimentação e o próprio FGTS ainda permanecem indisponíveis aos trabalhadores. Apesar dos déficits, os denunciantes alegaram não discutir possíveis paralisações das atividades, mas reivindicam o apoio dos meios de comunicação para denunciar o fato e do governo estadual para cobrar regularização.
"Se a gente disser que os salários estão atrasados seria um equívoco grande; estaríamos indo de contra a qualquer princípio ético. Apesar dos salários estarem em dias, não quer dizer que devemos ficar calados e aceitar o atraso de quase um ano dos tickets e do nosso FGTS que é um direito constitucional. Situação difícil que quando a gente vai cobrar os representantes simplesmente nos tratam com ignorância", disse. Por mês, o custo do ticket alimentação para cada profissional é de R$ 560. No acumulado dos meses supostamente em atraso já são R$ 5.040 a menos na conta do trabalhador. Os denunciantes lamentam ainda o corte do plano de saúde.

Contraponto -
Na manhã de ontem o JORNAL DO DIA tentou ouvir André Perrucho, proprietário da empresa, mas sem sucesso. No início da tarde tentamos a empresa, mas também não fomos atendidos. No final da tarde foi possível dialogar com uma funcionária apontada pelos denunciantes como gestores da empresa. A mesma informou que, apesar de não possuir competência para tratar oficialmente sobre o assunto, enalteceu a necessidade de os denunciantes buscarem a empresa para inicialmente debater o assunto de forma pacífica, antes de buscar os meios de comunicação.
"Estamos sem plano de saúde, com débitos atrasados e que o poder judiciário já jugou nossa causa procedente e determinou o pagamento dos valores atrasados, mas mesmo assim a decisão não é respeitada e os trabalhadores seguem prejudicados. Esperamos que o proprietário da empresa possa reconhecer o erro e solucionar o caso", declarou o denunciante que concluiu afirmando: "até porque o contrato com essa empresa vai até o mês de abril e nós não queremos receber esse calote".