Maduro anuncia fechamento da fronteira com o Brasil

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 22/02/2019 às 07:58:00

 

Agência Brasil
O presidente da Ve-
nezuela, Nicolás 
Maduro, anunciou ontem) o fechamento da fronteira com o Brasil e a realização de um "grande show" de música na área que faz divisa com a Colômbia. Ele avalia também o fechamento da fronteira colombiana, na qual está a cidade Cúcuta, que centraliza os repasses de doações para os venezuelanos.
"A partir das 20h  (21h no horário de Brasília) a fronteira terrestre com o Brasil será fechada", anunciou Maduro durante reunião com o Estado Maior das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) por videoconferência do Comando Estratégico Operacional de Caracas.
"Decidi que [o espaço] está totalmente fechado, até novo aviso sobre a fronteira terrestre com o Brasil, melhor prevenir do que remediar", acrescentou Maduro. "Quero que seja uma fronteira dinâmica e aberta com a Colômbia, mas sem provocações."
Responsabilidades - Maduro disse que responsabilizará o presidente da Colômbia, Iván Duque, sobre qualquer problema que houver na região fronteiriça com a Venezuela. "A Venezuela está passando por uma grande provocação, por isso estamos atualizando o conceito para reagir. O governo que presido está na vanguarda da proteção das pessoas", disse.
Maduro fez o anúncio durante visita ao maior quartel do exército em Fuerte Tiuna. Também participou de uma videoconferência transmitida por emissoras de televisão e postada no seu perfil no Twitter. "Vamos ao combate pela pátria", apelou. "Nosso destino é a vitória sempre. Chávez vive", disse.
Desestabilização - Para Maduro, há uma campanha para desestabilizar seu governo. Ele usou várias expressões críticas aos que lideram o esquema para angariar ajuda humanitária. Segundo ele, há um "espetáculo mundial", utilizando as necessidades da Venezuela para chamar a atenção.
Maduro afirmou que espera que "triunfe" a paz e a vitória sobre o que chamou de "guerra psicológica". De acordo com ele, a cada provocação, haverá uma resposta por parte da Venezuela.
No discurso, o venezuelano agradeceu "a lealdade sempre" dos militares que estão ao seu e citou o solgan "Leais sempre, traidores nunca". Segundo ele, como humanista ama o povo e o país "acima de qualquer coisa".

O presidente da Ve- nezuela, Nicolás  Maduro, anunciou ontem) o fechamento da fronteira com o Brasil e a realização de um "grande show" de música na área que faz divisa com a Colômbia. Ele avalia também o fechamento da fronteira colombiana, na qual está a cidade Cúcuta, que centraliza os repasses de doações para os venezuelanos.
"A partir das 20h  (21h no horário de Brasília) a fronteira terrestre com o Brasil será fechada", anunciou Maduro durante reunião com o Estado Maior das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB) por videoconferência do Comando Estratégico Operacional de Caracas.
"Decidi que [o espaço] está totalmente fechado, até novo aviso sobre a fronteira terrestre com o Brasil, melhor prevenir do que remediar", acrescentou Maduro. "Quero que seja uma fronteira dinâmica e aberta com a Colômbia, mas sem provocações."

Responsabilidades - Maduro disse que responsabilizará o presidente da Colômbia, Iván Duque, sobre qualquer problema que houver na região fronteiriça com a Venezuela. "A Venezuela está passando por uma grande provocação, por isso estamos atualizando o conceito para reagir. O governo que presido está na vanguarda da proteção das pessoas", disse.
Maduro fez o anúncio durante visita ao maior quartel do exército em Fuerte Tiuna. Também participou de uma videoconferência transmitida por emissoras de televisão e postada no seu perfil no Twitter. "Vamos ao combate pela pátria", apelou. "Nosso destino é a vitória sempre. Chávez vive", disse.

Desestabilização - Para Maduro, há uma campanha para desestabilizar seu governo. Ele usou várias expressões críticas aos que lideram o esquema para angariar ajuda humanitária. Segundo ele, há um "espetáculo mundial", utilizando as necessidades da Venezuela para chamar a atenção.
Maduro afirmou que espera que "triunfe" a paz e a vitória sobre o que chamou de "guerra psicológica". De acordo com ele, a cada provocação, haverá uma resposta por parte da Venezuela.
No discurso, o venezuelano agradeceu "a lealdade sempre" dos militares que estão ao seu e citou o solgan "Leais sempre, traidores nunca". Segundo ele, como humanista ama o povo e o país "acima de qualquer coisa".