Elber diz que prefeito criou um caos na saúde de Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 22/02/2019 às 08:10:00

 

O vereador Elber Batalha (PSB) utilizou a tribuna da Câmara Municipal de Aracaju na manhã desta quinta-feira, para fazer duras críticas ao modo que o prefeito Edvaldo Nogueira privatizou a saúde do município.
Elber fez uma linha do tempo para explicar toda essa questão da privatização do Nestor Piva. Ele relatou que Edvaldo chegou ao governo Municipal, os médicos recebiam R$ 120 por hora no plantão. Com o tempo, esse valor foi diminuído para R$ 100, chegando ao irrisório valor de R$ 75 e transformou o pagamento dos médicos pela pejotização. "No dia 29 de dezembro, faltando 3 dias para o fim do ano, a secretária Waneska Barbosa impõe que a partir de 1º de janeiro ninguém receberia mais caso não tivesse o CNPJ, além de baixar a hora trabalhada para r$75,00, o médico precisaria tirar a nota fiscal e pagar todos os impostos. Na prática, Edvaldo Nogueira, em dois anos, reduziu o salário dos médicos plantonistas para r$65,00, que é o valor que vai sobrar depois dos impostos recolhidos", explicou.
Na opinião do vereador, tudo isso aconteceu premeditadamente para que os médicos não aceitassem essas condições de trabalho e o prefeito Edvaldo Nogueira conseguisse privatizar os serviços da saúde de Aracaju. "Ele gerou uma pseudo situação de emergência e, de uma hora para outra, aparece uma empresa do nada. Contrata uma empresa por r$2 milhões de reais por mês, sem licitação, ou seja r$67 mil reais por dia", disse.
Continuando sua explanação, Elber explicou que a empresa contratada por Edvaldo Nogueira passou a administrar o Hospital Nestor Piva já no dia 6 de janeiro, porém, o prefeito, no dia 10 de janeiro transformou esse hospital em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). "Acontece que hospital tem vários serviços que uma UPA não pode suprir. Edvaldo deu um contrato a empresa para administrar um hospital e que, na verdade, a unidade é uma UPA. Fora dizer que o contrato social dessa empresa é de apenas r$20 mil reais para administrar um contrato de r$2 milhões.".

O vereador Elber Batalha (PSB) utilizou a tribuna da Câmara Municipal de Aracaju na manhã desta quinta-feira, para fazer duras críticas ao modo que o prefeito Edvaldo Nogueira privatizou a saúde do município.
Elber fez uma linha do tempo para explicar toda essa questão da privatização do Nestor Piva. Ele relatou que Edvaldo chegou ao governo Municipal, os médicos recebiam R$ 120 por hora no plantão. Com o tempo, esse valor foi diminuído para R$ 100, chegando ao irrisório valor de R$ 75 e transformou o pagamento dos médicos pela pejotização. "No dia 29 de dezembro, faltando 3 dias para o fim do ano, a secretária Waneska Barbosa impõe que a partir de 1º de janeiro ninguém receberia mais caso não tivesse o CNPJ, além de baixar a hora trabalhada para r$75,00, o médico precisaria tirar a nota fiscal e pagar todos os impostos. Na prática, Edvaldo Nogueira, em dois anos, reduziu o salário dos médicos plantonistas para r$65,00, que é o valor que vai sobrar depois dos impostos recolhidos", explicou.
Na opinião do vereador, tudo isso aconteceu premeditadamente para que os médicos não aceitassem essas condições de trabalho e o prefeito Edvaldo Nogueira conseguisse privatizar os serviços da saúde de Aracaju. "Ele gerou uma pseudo situação de emergência e, de uma hora para outra, aparece uma empresa do nada. Contrata uma empresa por r$2 milhões de reais por mês, sem licitação, ou seja r$67 mil reais por dia", disse.
Continuando sua explanação, Elber explicou que a empresa contratada por Edvaldo Nogueira passou a administrar o Hospital Nestor Piva já no dia 6 de janeiro, porém, o prefeito, no dia 10 de janeiro transformou esse hospital em uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA). "Acontece que hospital tem vários serviços que uma UPA não pode suprir. Edvaldo deu um contrato a empresa para administrar um hospital e que, na verdade, a unidade é uma UPA. Fora dizer que o contrato social dessa empresa é de apenas r$20 mil reais para administrar um contrato de r$2 milhões.".