Morre maquinista resgatado após mais de sete horas preso em ferragens

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/02/2019 às 09:20:00

 

Vinicius Lisboa
Agência Brasil  
Após quase oito horas de resgate, o maquinista de um dos trens que colidiu ontem pela manhã não resistiu e morreu. O acidente ocorreu às 6h55 e o maquinista só conseguiu ser retirado das ferragens às 14h30. Ao lado da plataforma da estação de São Cristóvão, onde ocorreu o acidente, os bombeiros tentaram reanimá-lo com massagens cardíacas por 20 minutos.
Durante todo o resgate, Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção, de 40 anos, ficou consciente e respirava com a ajuda de aparelhos. Após mais de sete horas preso às ferragens, ele foi retirado com uma máscara de oxigênio e deitado em uma maca. Um helicóptero do Corpo de Bombeiros chegou a pousar na Rua General Herculano Gomes, próxima à estação, mas decolou em seguida sem passageiros a bordo.
Segundo o Corpo de Bombeiros do estado do Rio de Janeiro, o maquinista sofreu uma parada cardiorrespiratória depois de ter sido retirado com vida das ferragens. Os militares tentaram reanimá-lo, mas não tiveram sucesso.
Os primeiros socorros prestados à vítima pelos bombeiros, ainda na plataforma da estação de trem, chamaram a atenção dos passageiros, que acompanharam o trabalho de outras plataformas e passarelas. 
As outras oito vítimas da colisão tiveram ferimentos leves e foram levadas para os hospitais municipais Souza Aguiar e Salgado Filho. Sete delas já tiveram alta hospitalar. 
O choque dos trens ocorreu pela manhã, na estação de São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro. Um trem vinha em direção à estação e acabou se chocando com a outra composição que estava parada na plataforma.
Em nota, a SuperVia lamentou a morte do maquinista que era casado e tinha dois filhos. 

Após quase oito horas de resgate, o maquinista de um dos trens que colidiu ontem pela manhã não resistiu e morreu. O acidente ocorreu às 6h55 e o maquinista só conseguiu ser retirado das ferragens às 14h30. Ao lado da plataforma da estação de São Cristóvão, onde ocorreu o acidente, os bombeiros tentaram reanimá-lo com massagens cardíacas por 20 minutos.
Durante todo o resgate, Rodrigo da Silva Ribeiro Assumpção, de 40 anos, ficou consciente e respirava com a ajuda de aparelhos. Após mais de sete horas preso às ferragens, ele foi retirado com uma máscara de oxigênio e deitado em uma maca. Um helicóptero do Corpo de Bombeiros chegou a pousar na Rua General Herculano Gomes, próxima à estação, mas decolou em seguida sem passageiros a bordo.
Segundo o Corpo de Bombeiros do estado do Rio de Janeiro, o maquinista sofreu uma parada cardiorrespiratória depois de ter sido retirado com vida das ferragens. Os militares tentaram reanimá-lo, mas não tiveram sucesso.
Os primeiros socorros prestados à vítima pelos bombeiros, ainda na plataforma da estação de trem, chamaram a atenção dos passageiros, que acompanharam o trabalho de outras plataformas e passarelas. 
As outras oito vítimas da colisão tiveram ferimentos leves e foram levadas para os hospitais municipais Souza Aguiar e Salgado Filho. Sete delas já tiveram alta hospitalar. O choque dos trens ocorreu pela manhã, na estação de São Cristóvão, na zona norte do Rio de Janeiro. Um trem vinha em direção à estação e acabou se chocando com a outra composição que estava parada na plataforma.
Em nota, a SuperVia lamentou a morte do maquinista que era casado e tinha dois filhos.