Quatro empresas distribuidoras são visitadas pela Sefaz

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
COM APOIO DA PM, EQUIPES DE AUDITORES FISCAIS REALIZARAM NOVA FISCALIZAÇÃO EM QUATRO DISTRIBUIDORAS DE BEBIDAS, DENTRO DA OPERAÇÃO \'CONCORRÊNCIA LEAL\'
COM APOIO DA PM, EQUIPES DE AUDITORES FISCAIS REALIZARAM NOVA FISCALIZAÇÃO EM QUATRO DISTRIBUIDORAS DE BEBIDAS, DENTRO DA OPERAÇÃO \'CONCORRÊNCIA LEAL\'

As empresas em fiscalização não podem fechar seus balanços
As empresas em fiscalização não podem fechar seus balanços

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 28/02/2019 às 09:31:00

 

Na sequência das ações da Operação Concorrência Leal, realizada na semana passada pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) em depósitos de bebidas, com o apoio do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), da Polícia Civil; e da Companhia Fazendária, da Polícia Militar, equipes de auditores fiscais cumpriram ordens de serviço de fiscalização em quatro empresas distribuidoras de gêneros alimentícios e bebidas, entre outros produtos, com o objetivo de coibir qualquer tipo de irregularidade na prática da comercialização.
Nos estabelecimentos visitados, todos de grande porte, os fiscais iniciaram um trabalho detalhado de levantamento de dados e informações com o cruzamento do fluxo de comercialização, para averiguar se existem irregularidades.
Segundo explicou o coordenador da operação, o auditor fiscal da Sefaz Alberto Mota, devido ao porte dos depósitos visitados o trabalho será minucioso e demorado, tendo em vista que o volume de mercadorias estocadas e comercializadas é muito grande. "O foco continua sendo bebidas alcoólicas fermentadas [cerveja] e refrigerantes. Porém, a operação de hoje também buscou averiguar a situação tributária de outros produtos", afirmou.
O auditor comentou que os desdobramentos da operação da semana passada levam a outras situações que precisam ser checadas pela Sefaz, assim como auditorias relacionadas a outras áreas de atuação da secretaria também integram o leque de ações. "Temos trabalhado integrando as informações de resultados dos trabalhos de fiscalização e auditoria. Dessa forma, conseguimos agir de forma mais eficaz no combate à sonegação fiscal", complementou Alberto Mota.
Balanço ainda não pode ser fechado - Como afirmou o coordenador da Operação Concorrência Leal, os números finais do trabalho realizado na última quinta-feira, 21, ainda não têm como ser fechados, pois as irregularidades encontradas apontam para outras situações em que os auditores continuam contabilizando. "Aparentemente são depósitos de pequeno e médio porte, porém, o volume de vendas que realizam se equipara a grandes empresas. No caso desta realizada hoje, são empresas de grande porte, que possuem fornecedores semelhantes cujas práticas precisam ser investigadas com muita cautela. Por esse motivo consideramos que a ação da semana passada não foi finalizada", explicou.

Na sequência das ações da Operação Concorrência Leal, realizada na semana passada pela Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz) em depósitos de bebidas, com o apoio do Departamento de Crimes contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap), da Polícia Civil; e da Companhia Fazendária, da Polícia Militar, equipes de auditores fiscais cumpriram ordens de serviço de fiscalização em quatro empresas distribuidoras de gêneros alimentícios e bebidas, entre outros produtos, com o objetivo de coibir qualquer tipo de irregularidade na prática da comercialização.
Nos estabelecimentos visitados, todos de grande porte, os fiscais iniciaram um trabalho detalhado de levantamento de dados e informações com o cruzamento do fluxo de comercialização, para averiguar se existem irregularidades.
Segundo explicou o coordenador da operação, o auditor fiscal da Sefaz Alberto Mota, devido ao porte dos depósitos visitados o trabalho será minucioso e demorado, tendo em vista que o volume de mercadorias estocadas e comercializadas é muito grande. "O foco continua sendo bebidas alcoólicas fermentadas [cerveja] e refrigerantes. Porém, a operação de hoje também buscou averiguar a situação tributária de outros produtos", afirmou.
O auditor comentou que os desdobramentos da operação da semana passada levam a outras situações que precisam ser checadas pela Sefaz, assim como auditorias relacionadas a outras áreas de atuação da secretaria também integram o leque de ações. "Temos trabalhado integrando as informações de resultados dos trabalhos de fiscalização e auditoria. Dessa forma, conseguimos agir de forma mais eficaz no combate à sonegação fiscal", complementou Alberto Mota.

Balanço ainda não pode ser fechado - Como afirmou o coordenador da Operação Concorrência Leal, os números finais do trabalho realizado na última quinta-feira, 21, ainda não têm como ser fechados, pois as irregularidades encontradas apontam para outras situações em que os auditores continuam contabilizando. "Aparentemente são depósitos de pequeno e médio porte, porém, o volume de vendas que realizam se equipara a grandes empresas. No caso desta realizada hoje, são empresas de grande porte, que possuem fornecedores semelhantes cujas práticas precisam ser investigadas com muita cautela. Por esse motivo consideramos que a ação da semana passada não foi finalizada", explicou.