Defensoria pede suspensão de desocupação de clínica

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 28/02/2019 às 23:04:00

 

A Defensoria Pública do Estado pediu ontem a suspensão da decisão judicial que determina a retirada das 125 famílias sem-teto que ocupam, há quase cinco anos, a antiga Clínica Santa Maria, no bairro Siqueira Campos (zona oeste). A ação foi impetrada pelo defensor público Alfredo Nikolaus, do Núcleo de Bairros da Defensoria. O argumento da ação é de que as famílias as ainda não tiveram acesso garantido a uma moradia digna. A retirada tinha sido determinada pelo juiz Aldo Albuquerque de Melo, a pedido da Prefeitura de Aracaju. O argumento do Município é de que o local teve sua estrutura condenada pela Defesa Civil, que aponta riscos de desabamento. 
As famílias exigem o pagamento de um auxílio-moradia e se recusam a ser transferidas para um galpão na Rua Acre, que foi oferecido pela Prefeitura como abrigo provisório. O defensor responsável informou que pediu uma audiência do prefeito Edvaldo Nogueira com uma comissão dos sem-teto, para que uma solução seja negociada para as famílias. A PMA já sinalizou que vai receber a comissão, mas não há data agendada. 

A Defensoria Pública do Estado pediu ontem a suspensão da decisão judicial que determina a retirada das 125 famílias sem-teto que ocupam, há quase cinco anos, a antiga Clínica Santa Maria, no bairro Siqueira Campos (zona oeste). A ação foi impetrada pelo defensor público Alfredo Nikolaus, do Núcleo de Bairros da Defensoria. O argumento da ação é de que as famílias as ainda não tiveram acesso garantido a uma moradia digna. A retirada tinha sido determinada pelo juiz Aldo Albuquerque de Melo, a pedido da Prefeitura de Aracaju. O argumento do Município é de que o local teve sua estrutura condenada pela Defesa Civil, que aponta riscos de desabamento. 
As famílias exigem o pagamento de um auxílio-moradia e se recusam a ser transferidas para um galpão na Rua Acre, que foi oferecido pela Prefeitura como abrigo provisório. O defensor responsável informou que pediu uma audiência do prefeito Edvaldo Nogueira com uma comissão dos sem-teto, para que uma solução seja negociada para as famílias. A PMA já sinalizou que vai receber a comissão, mas não há data agendada.