Incêndio atinge a Serra da Miaba, em São Domingos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Mais de dois quilômetros de vegetação já foram devastados pelo incêndio
Mais de dois quilômetros de vegetação já foram devastados pelo incêndio

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 02/03/2019 às 15:19:00

 

Milton Alves Júnior
Profissionais do Corpo 
de Bombeiros Militar 
do Estado de Sergipe deram início na manhã de ontem ao trabalho de rescaldo e tentativa de controle do incêndio que desde a tarde da última sexta-feira (01) atinge a Serra da Miaba, localizada no município de São Domingos, 70 km de distância da capital sergipana, Aracaju. As guarnições envolvidas na ação possuem como base os municípios de Lagarto e Itabaiana. De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), na perspectiva de controlar imediatamente a situação, aeronaves do Grupamento Tático Aéreo (GTA), foram disponibilizadas e seguem atuando na missão.
No primeiro dia de combate a corporação militar informou que inicialmente dez Bombeiros foram escalados para atuar com utilização de bomba costal e abafadores. O primeiro impasse identificado pelas equipes envolveu o serviço operacional do GTA que se deparou com dificuldades para localizar e captar água a ser arremessada nos focos que estão dispersos no pico da serra. O trabalho segue integrado e foi reiniciado logo após o nascer do sol de ontem na esperança de evitar que o fogo se propague da mesma forma que ocorreu também está semana na Serra Comprida, que compõe o Parque Nacional da Serra de Itabaiana - menos de 30 km de distância da Serra da Miaba.
Nesse episódio, mais de dois mil hectares da Serra foram destruídos pelas chamas que duraram mais de 72 horas para ser combatidas. Segundo o capitão Felipe Santos, todos os trabalhos dedicados à esta demanda operacional apenas serão cessados ao escurecer - semelhantemente a postura adotada na noite da sexta-feira -, ou assim que os profissionais confirmarem a inexistência de nenhum foco de incêndio na região. A perspectiva por parte do oficial é que a confirmação do controle geral seja anunciado pelo Corpo de Bombeiros ainda durante este final de semana. Apesar das expectativas positivas, ele não descarta a possibilidade de solicitar apoio de outras guarnições.
"Caso percebamos que o fogo está se alastrando e tomando dimensões ainda maiores como ocorreu em Itabaiana no início da semana, certamente o comando geral será informado da necessidade de ampliar a quantidade de profissionais atuantes nessa missão. Os trabalhos estão se multiplicando na esperança de alcançarmos os nossos objetivos o mais rapidamente possível e evitar que essa convocação paralela se faça necessário", declarou. Ainda de acordo com o capitão, todas as informações envolvendo a operação em terra e por ar estão sendo repassadas para os órgãos responsáveis por estudar os fatores que teriam contribuído para o início do sinistro.
"É um trabalho em conjunto, onde compartilhamos passo a passo das ações para juntos monitorar a ocorrência desde o primeiro chamado indicando o incêndio, até a conclusão dos trabalhos", concluiu Felipe Santos. Até o final da manhã de ontem a coordenação de monitoramento da Serra da Miaba não havia informado sobre a dimensão atingida pelas chamas, tampouco sobre as possíveis causas do incêndio.

Milton Alves Júnior

Profissionais do Corpo  de Bombeiros Militar  do Estado de Sergipe deram início na manhã de ontem ao trabalho de rescaldo e tentativa de controle do incêndio que desde a tarde da última sexta-feira (01) atinge a Serra da Miaba, localizada no município de São Domingos, 70 km de distância da capital sergipana, Aracaju. As guarnições envolvidas na ação possuem como base os municípios de Lagarto e Itabaiana. De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP/SE), na perspectiva de controlar imediatamente a situação, aeronaves do Grupamento Tático Aéreo (GTA), foram disponibilizadas e seguem atuando na missão.
No primeiro dia de combate a corporação militar informou que inicialmente dez Bombeiros foram escalados para atuar com utilização de bomba costal e abafadores. O primeiro impasse identificado pelas equipes envolveu o serviço operacional do GTA que se deparou com dificuldades para localizar e captar água a ser arremessada nos focos que estão dispersos no pico da serra. O trabalho segue integrado e foi reiniciado logo após o nascer do sol de ontem na esperança de evitar que o fogo se propague da mesma forma que ocorreu também está semana na Serra Comprida, que compõe o Parque Nacional da Serra de Itabaiana - menos de 30 km de distância da Serra da Miaba.
Nesse episódio, mais de dois mil hectares da Serra foram destruídos pelas chamas que duraram mais de 72 horas para ser combatidas. Segundo o capitão Felipe Santos, todos os trabalhos dedicados à esta demanda operacional apenas serão cessados ao escurecer - semelhantemente a postura adotada na noite da sexta-feira -, ou assim que os profissionais confirmarem a inexistência de nenhum foco de incêndio na região. A perspectiva por parte do oficial é que a confirmação do controle geral seja anunciado pelo Corpo de Bombeiros ainda durante este final de semana. Apesar das expectativas positivas, ele não descarta a possibilidade de solicitar apoio de outras guarnições.
"Caso percebamos que o fogo está se alastrando e tomando dimensões ainda maiores como ocorreu em Itabaiana no início da semana, certamente o comando geral será informado da necessidade de ampliar a quantidade de profissionais atuantes nessa missão. Os trabalhos estão se multiplicando na esperança de alcançarmos os nossos objetivos o mais rapidamente possível e evitar que essa convocação paralela se faça necessário", declarou. Ainda de acordo com o capitão, todas as informações envolvendo a operação em terra e por ar estão sendo repassadas para os órgãos responsáveis por estudar os fatores que teriam contribuído para o início do sinistro.
"É um trabalho em conjunto, onde compartilhamos passo a passo das ações para juntos monitorar a ocorrência desde o primeiro chamado indicando o incêndio, até a conclusão dos trabalhos", concluiu Felipe Santos. Até o final da manhã de ontem a coordenação de monitoramento da Serra da Miaba não havia informado sobre a dimensão atingida pelas chamas, tampouco sobre as possíveis causas do incêndio.