O milagre de 'Um dia'

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Pulso, calor e guitarras ásperas
Pulso, calor e guitarras ásperas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 09/03/2019 às 06:07:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
O guitarrista Fred An
drade é um sujeito 
cagado de sorte. Professor do departamento de música da Universidade Federal de Sergipe, ele veio à terrinha sem saber de alma viva. E, no entanto, contra todas as expectativas mais razoáveis, encontrou aqui diversos comparsas à altura de suas ambições criativas e firmou parcerias com vocação para durar a vida inteira.
No mapa da música nacional, Sergipe não passa de um intervalo, uma mancha apagada à borracha. Pernambuco, a terra natal de Fred, ao contrário, desenvolveu um mercado pujante, capaz de influenciar decisivamente a indústria nacional, a ponto de inverter o fluxo de produção e consumo de bens simbólicos, cantando de galo no terreiro desde sempre dominado pelo sul maravilha. Assim, para mudar de mala e cuia, trocando Boa Viagem pela faixa de areia interminável de nossas praias, ele teve de assumir alguns riscos. E tinha tudo para dar com os burros n'água.
Para a sorte de Fred, contudo, o talento genuíno não tem nada a ver com a força da grana, prescinde de capital e políticas públicas. Se a criação de um mercado local de música esbarra sempre nos podres poderes, o florescimento de instrumentistas e compositores de mãos cheias deriva sempre do investimento pessoal, além de atender a uma disposição natural do espírito. A erudição do sete cordas Ricardo Vieira, mais a vibração singular do grupo Membrana, por exemplo, são a prova muito viva de que, neste particular, Sergipe é uma terra de gigantes.
Um dia - Já faz tempo que Fred Andrade encontrou aqui a sua turma, privilégio, talvez, de forasteiro imune à praga do Cacique. Desde então, a colaboração com os músicos supracitados é constante. O encontro com o pessoal do grupo Membrana (Julio Rego, Pedro Mendonça e Dudu Prudente), entretanto, ainda carecia de um produto com a assinatura da cambada inteira. 'Um dia', gravado no estúdio Carranca (PE), com a participação de Ricardo Vieira, registra o desaforo de tanto talento reunido, um papo de gente grande.
Segundo Fred, o batismo do registro não se deu à toa. "O CD realmente foi gravado em um dia, por Bruno Lins e Marco Melo, com mix e master de Júnior Evangelista e arte de Gabi Etinger". Mais do que a excepcionalidade de um entrosamento único, entretanto, o disco pronuncia, em alto e bom som, a beleza sem paralelo do entendimento pleno, um milagre próprio da música. 
'Um dia' já está à disposição dos curiosos em todas as plataformas de streaming. Uma maravilha repleta de pulso, calor e guitarras ásperas.

O guitarrista Fred An drade é um sujeito  cagado de sorte. Professor do departamento de música da Universidade Federal de Sergipe, ele veio à terrinha sem saber de alma viva. E, no entanto, contra todas as expectativas mais razoáveis, encontrou aqui diversos comparsas à altura de suas ambições criativas e firmou parcerias com vocação para durar a vida inteira.
No mapa da música nacional, Sergipe não passa de um intervalo, uma mancha apagada à borracha. Pernambuco, a terra natal de Fred, ao contrário, desenvolveu um mercado pujante, capaz de influenciar decisivamente a indústria nacional, a ponto de inverter o fluxo de produção e consumo de bens simbólicos, cantando de galo no terreiro desde sempre dominado pelo sul maravilha. Assim, para mudar de mala e cuia, trocando Boa Viagem pela faixa de areia interminável de nossas praias, ele teve de assumir alguns riscos. E tinha tudo para dar com os burros n'água.
Para a sorte de Fred, contudo, o talento genuíno não tem nada a ver com a força da grana, prescinde de capital e políticas públicas. Se a criação de um mercado local de música esbarra sempre nos podres poderes, o florescimento de instrumentistas e compositores de mãos cheias deriva sempre do investimento pessoal, além de atender a uma disposição natural do espírito. A erudição do sete cordas Ricardo Vieira, mais a vibração singular do grupo Membrana, por exemplo, são a prova muito viva de que, neste particular, Sergipe é uma terra de gigantes.

Um dia -
Já faz tempo que Fred Andrade encontrou aqui a sua turma, privilégio, talvez, de forasteiro imune à praga do Cacique. Desde então, a colaboração com os músicos supracitados é constante. O encontro com o pessoal do grupo Membrana (Julio Rego, Pedro Mendonça e Dudu Prudente), entretanto, ainda carecia de um produto com a assinatura da cambada inteira. 'Um dia', gravado no estúdio Carranca (PE), com a participação de Ricardo Vieira, registra o desaforo de tanto talento reunido, um papo de gente grande.
Segundo Fred, o batismo do registro não se deu à toa. "O CD realmente foi gravado em um dia, por Bruno Lins e Marco Melo, com mix e master de Júnior Evangelista e arte de Gabi Etinger". Mais do que a excepcionalidade de um entrosamento único, entretanto, o disco pronuncia, em alto e bom som, a beleza sem paralelo do entendimento pleno, um milagre próprio da música. 
'Um dia' já está à disposição dos curiosos em todas as plataformas de streaming. Uma maravilha repleta de pulso, calor e guitarras ásperas.