Bolsonaro pede apoio aos parlamentares para aprovar Previdência

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/03/2019 às 06:10:00

 

Andreia Verdélio 
Agência Brasil  
O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (8) que está "apelando para o espírito patriótico" dos parlamentares para a construção da sua base de apoio para aprovação do projeto de reforma da Previdência. "Nós faremos de tudo para que ela [a reforma] não seja desidratada, mas respeitamos a autonomia do parlamento para as mudanças", disse, ressaltando que se a reforma não for feita, as contas do país podem chegar "à beira do caos".
Bolsonaro conversou rapidamente com jornalistas, no Palácio do Planalto, após a cerimônia de entrega de credencias dos novos embaixadores que atuarão no Brasil.
A expectativa do presidente é que o projeto seja, ao menos, aprovado no primeiro semestre na Câmara. "Não pode levar um ano para aprovar uma reforma", disse.
A proposta foi entregue ao Congresso no dia 20 de fevereiro e, ainda este mês, deve receber a proposta de reforma para a Previdência dos militares das Forças Armadas. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já anunciou que as mudanças nas regras previdenciárias dos militares irão tramitar junto com a reforma do sistema previdenciário geral.
Bolsonaro reafirmou que os militares "vão entrar com sua cota de sacrifício". "Sabemos que em alguns aspectos é uma medida amarga, mas é uma resposta que temos que dar de uma política sem muita responsabilidade que foi feita ao longo dos últimos anos, temos que dar um freio de arrumação agora", disse.

O presidente Jair Bolsonaro disse ontem (8) que está "apelando para o espírito patriótico" dos parlamentares para a construção da sua base de apoio para aprovação do projeto de reforma da Previdência. "Nós faremos de tudo para que ela [a reforma] não seja desidratada, mas respeitamos a autonomia do parlamento para as mudanças", disse, ressaltando que se a reforma não for feita, as contas do país podem chegar "à beira do caos".
Bolsonaro conversou rapidamente com jornalistas, no Palácio do Planalto, após a cerimônia de entrega de credencias dos novos embaixadores que atuarão no Brasil.
A expectativa do presidente é que o projeto seja, ao menos, aprovado no primeiro semestre na Câmara. "Não pode levar um ano para aprovar uma reforma", disse.
A proposta foi entregue ao Congresso no dia 20 de fevereiro e, ainda este mês, deve receber a proposta de reforma para a Previdência dos militares das Forças Armadas. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), já anunciou que as mudanças nas regras previdenciárias dos militares irão tramitar junto com a reforma do sistema previdenciário geral.
Bolsonaro reafirmou que os militares "vão entrar com sua cota de sacrifício". "Sabemos que em alguns aspectos é uma medida amarga, mas é uma resposta que temos que dar de uma política sem muita responsabilidade que foi feita ao longo dos últimos anos, temos que dar um freio de arrumação agora", disse.