Chega a 12 o número de mortos por causa de forte chuva em SP

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Bombeiros resgatam famílias ilhadas em São Caetano do Sul
Bombeiros resgatam famílias ilhadas em São Caetano do Sul

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/03/2019 às 06:18:00

 

Camila Maciel 
Agência Brasil  
O Corpo de Bombei-
ros atualizou para 
12 o número de mortos em razão da forte chuva que atingiu a Grande São Paulo na madrugada e manhã de ontem (11). Foram quatro mortes em Ribeirão Pires e um em Embu das Artes por causa de deslizamentos, três em São Caetano, dois em Santo André, um em São Bernardo e um em São Paulo, por afogamento. Também foram registrados seis feridos.
A 12ª morte foi um homem encontrado em um córrego na Avenida Engenheiro Olavo Aloísio de Lima, em Santo André.
O Corpo de Bombeiros atualizou também os acionamentos à corporação em razão das chuvas. Desde a 0h até as 16h20, foram 123 ocorrências de quedas de árvores, 94 desmoronamentos e desabamentos e 740 chamados por enchentes e alagamentos.
A Defesa Civil informou, por meio de nota, que o número de desabrigados ainda está sendo contabilizado pelos municípios atingidos.
De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), das 19h de domingo até as 7h de ontem (11), choveu 57,8 milímetros (mm), o que corresponde a 32,6% do volume esperado para todo o mês de março, que é de 177,4 mm. O volume acumulado no mês é de 160,8 mm, 90,6% do esperado.
Desabrigados - Depois de sobrevoar as áreas inundadas na capital paulista e região metropolitana de São Paulo, na manhã de ontem (11), o governador do estado, João Doria, determinou prioridade para o atendimento a desabrigados e remoção de moradores de áreas de risco. O governador também determinou que Defesa Civil Estadual, Corpo de Bombeiros e prefeituras de cidades afetadas pelas enchentes atuem de forma coordenada, além do restabelecimento de serviços públicos interrompidos pelas chuvas. Ele pediu ainda que moradores de áreas de risco deixem o local. 
 "Estamos monitorando todas as ocorrências no Centro de Gerenciamento de Emergências", afirmou Doria. "A Defesa Civil enviou equipes para os pontos afetados com técnicos do IPT [Instituto de Pesquisas Tecnológicas] e do Instituto Geológico. Transmito minha total solidariedade às famílias atingidas pelas fortes chuvas em diversos municípios do Estado."
Doria determinou ainda que a Defesa Civil defina com a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e a Secretaria de Transportes Metropolitanos medidas emergenciais para retomada de serviços públicos parcial ou totalmente interrompidos pelas enchentes, como transporte sobre trilhos e linhas de ônibus.
O monitoramento do nível de rios e mananciais também está sendo feito em tempo real. Um gabinete de crise foi instalado no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). No local, atuam em conjunto profissionais da Defesa Civil Estadual, Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAAE), Corpo de Bombeiros, além de órgãos da Prefeitura de São Paulo.
As medições pluviométricas no início deste mês mostram índices muito acima das médias históricas de chuva. Em Santo André, por exemplo, choveu 182mm nas últimas 24 horas o equivalente a 80% da média para todo o mês de março. Em São Bernardo do Campo e Ribeirão Pires, o registro das últimas 24 horas também foi altíssimo e correspondeu a 78% e a 74% das médias mensais, respectivamente.
O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, reforçou a determinação do governador para que a atuação estadual seja totalmente integrada ao trabalho das prefeituras. "Foram chuvas muito fortes durante um período muito longo em várias regiões, inclusive nas cabeceiras dos rios. Todas as secretarias estaduais e prefeituras estão coordenando ações para minimizar o impacto."

O Corpo de Bombei- ros atualizou para  12 o número de mortos em razão da forte chuva que atingiu a Grande São Paulo na madrugada e manhã de ontem (11). Foram quatro mortes em Ribeirão Pires e um em Embu das Artes por causa de deslizamentos, três em São Caetano, dois em Santo André, um em São Bernardo e um em São Paulo, por afogamento. Também foram registrados seis feridos.
A 12ª morte foi um homem encontrado em um córrego na Avenida Engenheiro Olavo Aloísio de Lima, em Santo André.
O Corpo de Bombeiros atualizou também os acionamentos à corporação em razão das chuvas. Desde a 0h até as 16h20, foram 123 ocorrências de quedas de árvores, 94 desmoronamentos e desabamentos e 740 chamados por enchentes e alagamentos.
A Defesa Civil informou, por meio de nota, que o número de desabrigados ainda está sendo contabilizado pelos municípios atingidos.
De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), das 19h de domingo até as 7h de ontem (11), choveu 57,8 milímetros (mm), o que corresponde a 32,6% do volume esperado para todo o mês de março, que é de 177,4 mm. O volume acumulado no mês é de 160,8 mm, 90,6% do esperado.

Desabrigados - Depois de sobrevoar as áreas inundadas na capital paulista e região metropolitana de São Paulo, na manhã de ontem (11), o governador do estado, João Doria, determinou prioridade para o atendimento a desabrigados e remoção de moradores de áreas de risco. O governador também determinou que Defesa Civil Estadual, Corpo de Bombeiros e prefeituras de cidades afetadas pelas enchentes atuem de forma coordenada, além do restabelecimento de serviços públicos interrompidos pelas chuvas. Ele pediu ainda que moradores de áreas de risco deixem o local. 
 "Estamos monitorando todas as ocorrências no Centro de Gerenciamento de Emergências", afirmou Doria. "A Defesa Civil enviou equipes para os pontos afetados com técnicos do IPT [Instituto de Pesquisas Tecnológicas] e do Instituto Geológico. Transmito minha total solidariedade às famílias atingidas pelas fortes chuvas em diversos municípios do Estado."
Doria determinou ainda que a Defesa Civil defina com a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente e a Secretaria de Transportes Metropolitanos medidas emergenciais para retomada de serviços públicos parcial ou totalmente interrompidos pelas enchentes, como transporte sobre trilhos e linhas de ônibus.
O monitoramento do nível de rios e mananciais também está sendo feito em tempo real. Um gabinete de crise foi instalado no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC). No local, atuam em conjunto profissionais da Defesa Civil Estadual, Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAAE), Corpo de Bombeiros, além de órgãos da Prefeitura de São Paulo.
As medições pluviométricas no início deste mês mostram índices muito acima das médias históricas de chuva. Em Santo André, por exemplo, choveu 182mm nas últimas 24 horas o equivalente a 80% da média para todo o mês de março. Em São Bernardo do Campo e Ribeirão Pires, o registro das últimas 24 horas também foi altíssimo e correspondeu a 78% e a 74% das médias mensais, respectivamente.
O secretário de Infraestrutura e Meio Ambiente, Marcos Penido, reforçou a determinação do governador para que a atuação estadual seja totalmente integrada ao trabalho das prefeituras. "Foram chuvas muito fortes durante um período muito longo em várias regiões, inclusive nas cabeceiras dos rios. Todas as secretarias estaduais e prefeituras estão coordenando ações para minimizar o impacto."