Estudo da ANA mostra que 80% do território sergipano está seco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
SERGIPE JÁ ESTÁ COM 26 MUNICÍPIOS EM EMERGÊNCIA, MAS A SECA ESTÁ ATINGINDO TODO O ESTADO, INCLUSIVE A REGIÃO DO LITORAL
SERGIPE JÁ ESTÁ COM 26 MUNICÍPIOS EM EMERGÊNCIA, MAS A SECA ESTÁ ATINGINDO TODO O ESTADO, INCLUSIVE A REGIÃO DO LITORAL

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 12/03/2019 às 06:35:00

 

Milton Alves Júnior
Um monitoramento 
atualizado da Agên-
cia Nacional de Águas (ANA), indica que o cenário protagonizado pela alta estiagem no Estado saltou de seca grave para seca extrema. Os novos dados apresentados pela agência indica que 80% da unidade federativa se depara com a falta de chuva, sendo as regiões Oeste e Sertão, as mais afetadas pela escassez. Justamente diante desta situação, até a tarde de ontem 26 municípios já haviam decretado estado de emergência e mais cinco podem seguir no mesmo destino caso as tradicionais 'águas de março' não apontem indicando o fim do verão, e a chegada do outono, a qual ocorre a partir do próximo dia 20.
De acordo com a Defesa Civil Estadual, a estiagem gera prejuízos para mais de 260 mil habitantes. O que gera preocupação generalizada é que, conforme análise realizada pelo Centro de Estudo Meteorológico de Sergipe, a longa estiagem deve permanecer presente nos 75 municípios do estado pelo menos até o final deste mês. Até a primeira semana de abril apenas chuvas rápidas - e/ou as tradicionais chuvas de verão, intensas porém rápidas -, serão registradas. O centro entende que a conjuntura climática trata-se ainda da característica principal do verão e reafirma que o desconforto provocado pela estação mais quente do ano só deve mesmo aliviar a população justamente com o início do outono.
Já contabilizando os 26 municípios sergipanos, na região Nordeste esse número acumula mais de 300 cidades vítimas das altas temperaturas. Entre os municípios em situação de emergência estão: Carira, Tobias Barreto, Poço Redondo, Gararu, Monte Alegre de Sergipe, Canindé de São Francisco, Frei Paulo, Ribeirópolis, Itabi, Simão Dias, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Graccho Cardoso, São Miguel do Aleixo, Feira Nova, Porto da Folha, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, Canhoba, Tomar do Geru, Poço Redondo, Salgado, Aquidabã, Malhada dos Bois e Capela. O Centro de Meteorologia avalia ainda que algumas regiões devem continuar registrando normalidade no índice de chuvas, assim como ocorre na Grande Aracaju.
De acordo com o superintendente de Recursos Hídricos e Meio Ambiente, Olivier Chagas, é de fundamental importância que a população busque se conscientizar quanto a necessidade de evitar desperdício de água, bem como procurar meios de captar água da chuva, reutiliza-la também de forma consciente, e multipliquem as atenções para os cuidados com o meio ambiente. "Precisamos cuidar dos rios, do reflorestamento e trabalhar a economia de água, essa é uma missão de todos. Somos um estado carente, onde a chuva chega e o solo tem dificuldade em fazer a absorção. A água poderia ir para os lençóis e ficar acumulada, mas por conta da falta de vegetação encontra um solo sem porosidade, e de fácil evaporação", disse.
Para discutir o assunto, durante a manhã e tarde de ontem representantes da Secretaria de Estado dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente, se reuniram em Aracaju com profissionais da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação (Cohidro), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro) e Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF). A perspectiva do Estado é que 600 mil mudas de Mata Atlântica sejam plantaras no entorno de mananciais da bacia do rio Sergipe. Um investimento de quase 15 milhões de reais.
Fornecimento de água - De acordo com a Defesa Civil desde o final do ano passado mais de 90 mil pessoas estão sendo assistidas pela Operação 'Carro Pipa'. Paralelo às ações realizadas pelo Governo do Estado, o Governo Federal, por intermédio do Exército Brasileiro, também contribui na assistência familiar e combate à seca.

Milton Alves Júnior

Um monitoramento  atualizado da Agên- cia Nacional de Águas (ANA), indica que o cenário protagonizado pela alta estiagem no Estado saltou de seca grave para seca extrema. Os novos dados apresentados pela agência indica que 80% da unidade federativa se depara com a falta de chuva, sendo as regiões Oeste e Sertão, as mais afetadas pela escassez. Justamente diante desta situação, até a tarde de ontem 26 municípios já haviam decretado estado de emergência e mais cinco podem seguir no mesmo destino caso as tradicionais 'águas de março' não apontem indicando o fim do verão, e a chegada do outono, a qual ocorre a partir do próximo dia 20.
De acordo com a Defesa Civil Estadual, a estiagem gera prejuízos para mais de 260 mil habitantes. O que gera preocupação generalizada é que, conforme análise realizada pelo Centro de Estudo Meteorológico de Sergipe, a longa estiagem deve permanecer presente nos 75 municípios do estado pelo menos até o final deste mês. Até a primeira semana de abril apenas chuvas rápidas - e/ou as tradicionais chuvas de verão, intensas porém rápidas -, serão registradas. O centro entende que a conjuntura climática trata-se ainda da característica principal do verão e reafirma que o desconforto provocado pela estação mais quente do ano só deve mesmo aliviar a população justamente com o início do outono.
Já contabilizando os 26 municípios sergipanos, na região Nordeste esse número acumula mais de 300 cidades vítimas das altas temperaturas. Entre os municípios em situação de emergência estão: Carira, Tobias Barreto, Poço Redondo, Gararu, Monte Alegre de Sergipe, Canindé de São Francisco, Frei Paulo, Ribeirópolis, Itabi, Simão Dias, Poço Verde, Pinhão, Nossa Senhora da Glória, Graccho Cardoso, São Miguel do Aleixo, Feira Nova, Porto da Folha, Moita Bonita, Nossa Senhora Aparecida, Canhoba, Tomar do Geru, Poço Redondo, Salgado, Aquidabã, Malhada dos Bois e Capela. O Centro de Meteorologia avalia ainda que algumas regiões devem continuar registrando normalidade no índice de chuvas, assim como ocorre na Grande Aracaju.
De acordo com o superintendente de Recursos Hídricos e Meio Ambiente, Olivier Chagas, é de fundamental importância que a população busque se conscientizar quanto a necessidade de evitar desperdício de água, bem como procurar meios de captar água da chuva, reutiliza-la também de forma consciente, e multipliquem as atenções para os cuidados com o meio ambiente. "Precisamos cuidar dos rios, do reflorestamento e trabalhar a economia de água, essa é uma missão de todos. Somos um estado carente, onde a chuva chega e o solo tem dificuldade em fazer a absorção. A água poderia ir para os lençóis e ficar acumulada, mas por conta da falta de vegetação encontra um solo sem porosidade, e de fácil evaporação", disse.
Para discutir o assunto, durante a manhã e tarde de ontem representantes da Secretaria de Estado dos Recursos Hídricos e Meio Ambiente, se reuniram em Aracaju com profissionais da Companhia de Saneamento de Sergipe (Deso), Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação (Cohidro), Empresa de Desenvolvimento Agropecuário (Emdagro) e Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (CODEVASF). A perspectiva do Estado é que 600 mil mudas de Mata Atlântica sejam plantaras no entorno de mananciais da bacia do rio Sergipe. Um investimento de quase 15 milhões de reais.

Fornecimento de água - De acordo com a Defesa Civil desde o final do ano passado mais de 90 mil pessoas estão sendo assistidas pela Operação 'Carro Pipa'. Paralelo às ações realizadas pelo Governo do Estado, o Governo Federal, por intermédio do Exército Brasileiro, também contribui na assistência familiar e combate à seca.