Representantes da CTB e da CUT buscam apoio para criação e aprovação de PL

Política

 

Representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) pediram apoio na manhã desta terça-feira  dos deputados estaduais da situação e oposição da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) para a criação e aprovação de um projeto de lei, que regulamente a autonomia e a liberdade sindical.
De acordo com Roberto Silva, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica do Estado de Sergipe (SINTESE) e dirigente da CUT, o objetivo do PL é contrapor a Medida Provisória 873/2019, apresentada no dia 1º de março pelo Governo Bolsonaro, que coloca fim à arrecadação em folha da mensalidade sindical.
"Essa MP não afeta os servidores estaduais, e sim, os federais e privados. A ideia do nosso projeto é uma forma preventiva de assegurar, desde já, o futuro qualquer medida que seja apresentada pelo Governo Federal com o intuito de afetar a organização do sindicato", colocou.
O vice-presidente do SINTESE ressaltou que a finalidade da MP é descapitalizar os sindicatos para evitar mobilizações contra a reforma da previdência.
"Mesmo que o STF julgue institucional e, seja, derrubada também no Congresso Nacional, a MP vale por quatro meses e os sindicatos vão ficar esse tempo sem recursos para manter a estrutura e mobilizar a categoria para resistência a reforma da previdência", salientou Roberto, ressaltando acreditar que "como é uma lei que não gera despesa para o estado pode ser apresentada pelos deputados e votada sem nenhum problema".

Representantes da Central Única dos Trabalhadores (CUT) e da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) pediram apoio na manhã desta terça-feira  dos deputados estaduais da situação e oposição da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese) para a criação e aprovação de um projeto de lei, que regulamente a autonomia e a liberdade sindical.
De acordo com Roberto Silva, vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Básica do Estado de Sergipe (SINTESE) e dirigente da CUT, o objetivo do PL é contrapor a Medida Provisória 873/2019, apresentada no dia 1º de março pelo Governo Bolsonaro, que coloca fim à arrecadação em folha da mensalidade sindical.
"Essa MP não afeta os servidores estaduais, e sim, os federais e privados. A ideia do nosso projeto é uma forma preventiva de assegurar, desde já, o futuro qualquer medida que seja apresentada pelo Governo Federal com o intuito de afetar a organização do sindicato", colocou.O vice-presidente do SINTESE ressaltou que a finalidade da MP é descapitalizar os sindicatos para evitar mobilizações contra a reforma da previdência.
"Mesmo que o STF julgue institucional e, seja, derrubada também no Congresso Nacional, a MP vale por quatro meses e os sindicatos vão ficar esse tempo sem recursos para manter a estrutura e mobilizar a categoria para resistência a reforma da previdência", salientou Roberto, ressaltando acreditar que "como é uma lei que não gera despesa para o estado pode ser apresentada pelos deputados e votada sem nenhum problema".

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS