Número de portadores de deficiência em Sergipe é elevado

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Após a cerimônia, autoridades acompanharam apresentação de grupos formados por pessoas com deficiência
Após a cerimônia, autoridades acompanharam apresentação de grupos formados por pessoas com deficiência

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 01/12/2012 às 02:51:00

A dona de casa Érica Cristina conhece bem as dificuldades de acessibilidade para pessoas com deficiência. Mãe de uma criança que sofreu paralisia cerebral durante o parto, ela acompanhou a assinatura do Termo de Adesão ao Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência com entusiasmo. "Nossa rotina é de dificuldades e de limitações. Acredito que com o Viver Sem Limite, nossos direitos serão melhores assistidos e o acesso aos serviços de saúde e transporte sejam facilitados. Depois que Luís Davi nasceu tudo mudou na minha vida. Não sei explicar o que sinto, mas sei dos direitos dele", disse.

Oitavo Estado brasileiro com o maior percentual de pessoas portadoras de deficiência motora, visual, auditiva ou mental, Sergipe já vem desenvolvendo ações de atenção à pessoa com deficiência, a exemplo do Programa BPC na Escola (Programa de Acompanhamento e Monitoramento do Acesso e Permanência na Escola das Pessoas com Deficiência Beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social) e da implantação em prédios públicos e salas de aula de recursos de acessibilidade.

A criação do Departamento de Atendimento a Grupos Vulneráveis (DAGV), em 2010, também agrega o conjunto de políticas inclusivas da gestão estadual. Com três delegacias especializadas - Delegacia de Atendimento a Crianças e Adolescentes Vítimas, Delegacia Especial da Mulher e a Delegacia de Atendimento a Grupos Vulneráveis - DAGV atende a um público específico, que frequentemente se torna vítima de diversos tipos de violência: idosos, homossexuais, mulheres, crianças e adolescentes.