Deu Zé, brasileiro

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/03/2019 às 05:57:00

 

* Lelê Teles
Marielle está morta, Lula está preso, Jean Wyllys e Márcia Tílburi estão exilados.
Bolsonaro está no poder.
Embora gritemos Lula Livre, sabemos todos que Lula está muito longe da liberdade.
Embora rashtagueemos Marielle Presente, é a sua ausência que se apresenta.
Fragorosa é a nossa derrota.
O grito, legítimo e necessário, pela liberdade de Lula, com grandes manifestações pelas ruas, não reduziu a injustiça do dia-a-dia.
Lula é mais um homem preso sem provas, todos os dias outros "indesejados" ocupam os cárceres, conduzidos pelas mãos de uma (in)justiça seletiva e elitista. 
O grito pela elucidação do caso Marielle é importante, porque mostra que não entregamos os pontos, mas isso não fará com que milhares de outros assasinatos de gente pobre continuem sem solução. 
A polícia hoje sobrevoa favelas em helicópteros dando tiros a esmo na população. 
A justiça está a sinalizar salvo conduto para que os de farda matem sem hesitar.
Os burgueses, com o coração cheio de ódio racial e de classe, estão se armando.
Eles encontraram um discurso, um líder e uma amálgama que os une.
O líder é vazio, o discurso é tosco? Que importa, "o mito é o nada que é tudo" como disse Pessoa.
Pior é não tê-lo!
Além do Lula Livre e do Marielle Presente qual é o grito que nos une - a nós derrotados, esmagados em 2018 - e que aponte um caminho para a vitória no futuro? 
Quem é a (o) líder? 
Em torno de quem está o nosso futuro projeto de poder? Ou vamos ficar eternamente nas ruas erguendo cartazes e gritando palavras de ordem? 
Quando será que negros e negras, favelados e periféricos encabeçarão nossa vontade de poder?
Sim, porque estamos a sofrer a ausência de uma mulher negra, lésbica e favelada e de um ex-retirante nordestino que passou fome e enfrentou a pobreza. 
E o que temos a oferecer como substitutos? 
Por enquanto, Zé de Abreu foi o único cabra que entendeu o que realmente precisa ser feito: mudar a faixa presidencial de ombros e, para isso, é preciso que estejamos todos unidos em torno de alguém que incorpore e represente essa miríade de pautas identitárias que se apresenta.
Alguém capaz de aglutinar as mais diversas forças progressistas e vertentes divergentes que erguem cartazes nas ruas.
E que essa pessoa, munida dessas ideias aglutinadas em uma síntese, se apresente à sociedade, sobretudo aos mais pobres.
E que essas ideias conquistem fábricas, torcidas, escolas, faculdades, barracos, igrejas, cadeias, corações e mentes.
Quem representa essa síntese?
O Zé de Abreu não vale, ele é só o catalizador dessa nova onda que deve surgir, e de forma arrebatadora e tsunâmica.
É isso ou nada. 
Palavra da salvação.
* Lelê Teles é jornalista, publicitário e roteirista

* Lelê Teles

Marielle está morta, Lula está preso, Jean Wyllys e Márcia Tílburi estão exilados.
Bolsonaro está no poder.
Embora gritemos Lula Livre, sabemos todos que Lula está muito longe da liberdade.
Embora rashtagueemos Marielle Presente, é a sua ausência que se apresenta.
Fragorosa é a nossa derrota.
O grito, legítimo e necessário, pela liberdade de Lula, com grandes manifestações pelas ruas, não reduziu a injustiça do dia-a-dia.
Lula é mais um homem preso sem provas, todos os dias outros "indesejados" ocupam os cárceres, conduzidos pelas mãos de uma (in)justiça seletiva e elitista. 
O grito pela elucidação do caso Marielle é importante, porque mostra que não entregamos os pontos, mas isso não fará com que milhares de outros assasinatos de gente pobre continuem sem solução. 
A polícia hoje sobrevoa favelas em helicópteros dando tiros a esmo na população. 
A justiça está a sinalizar salvo conduto para que os de farda matem sem hesitar.
Os burgueses, com o coração cheio de ódio racial e de classe, estão se armando.
Eles encontraram um discurso, um líder e uma amálgama que os une.
O líder é vazio, o discurso é tosco? Que importa, "o mito é o nada que é tudo" como disse Pessoa.
Pior é não tê-lo!
Além do Lula Livre e do Marielle Presente qual é o grito que nos une - a nós derrotados, esmagados em 2018 - e que aponte um caminho para a vitória no futuro? 
Quem é a (o) líder? 
Em torno de quem está o nosso futuro projeto de poder? Ou vamos ficar eternamente nas ruas erguendo cartazes e gritando palavras de ordem? 
Quando será que negros e negras, favelados e periféricos encabeçarão nossa vontade de poder?
Sim, porque estamos a sofrer a ausência de uma mulher negra, lésbica e favelada e de um ex-retirante nordestino que passou fome e enfrentou a pobreza. 
E o que temos a oferecer como substitutos? 
Por enquanto, Zé de Abreu foi o único cabra que entendeu o que realmente precisa ser feito: mudar a faixa presidencial de ombros e, para isso, é preciso que estejamos todos unidos em torno de alguém que incorpore e represente essa miríade de pautas identitárias que se apresenta.
Alguém capaz de aglutinar as mais diversas forças progressistas e vertentes divergentes que erguem cartazes nas ruas.
E que essa pessoa, munida dessas ideias aglutinadas em uma síntese, se apresente à sociedade, sobretudo aos mais pobres.
E que essas ideias conquistem fábricas, torcidas, escolas, faculdades, barracos, igrejas, cadeias, corações e mentes.
Quem representa essa síntese?
O Zé de Abreu não vale, ele é só o catalizador dessa nova onda que deve surgir, e de forma arrebatadora e tsunâmica.
É isso ou nada. 
Palavra da salvação.

* Lelê Teles é jornalista, publicitário e roteirista