Defesa Civil interdita parte do Quartel da PM

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
A área que será interditada integra o bloco histórico do quartel
A área que será interditada integra o bloco histórico do quartel

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/03/2019 às 14:59:00

 

A Defesa Civil do Esta-
do interditou parte do 
Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, na Rua Itabaiana, centro de Aracaju. O prédio foi vistoriado no último dia 28 de fevereiro por técnicos do órgão, a pedido da Associação dos Militares de Sergipe (Amese). O órgão entregou dois ofícios que relatam falta de condições de estrutura, problemas de rachaduras no prédio e risco de desabamento. A área interditada, onde funcionam os comandos de policiamento da Capital e do Interior, deverá ser fechada ao acesso do público e sinalizada. Parte do prédio onde o quartel está instalado é antiga e foi construída no início do Século XX. 
Na tarde de sexta-feira, a Amese anunciou que recebeu um documento assinado pelo diretor da Defesa Civil Estadual, coronel Alexandre José Alves, confirmando a interdição do quartel. No documento, a Defesa Civil afirma que a inspeção foi motivada pelos ofícios da Amese, e que notificou a Polícia Militar a desativar parte do Quartel do Comando Geral, anteriormente, através do Relatório Técnico de Vistoria nº 17 datado do ano de 2017. "Pelo que se sabe, esse relatório jamais foi de conhecimento público", disse a Amese, em seu comunicado. O presidente da entidade, sargento Jorge Vieira, prometeu encaminhar, nesta semana, um ofício ao comandante-geral da corporação, coronel Marcony Cabral, solicitando o cumprimento da notificação da Defesa Civil.
"Do que se tem conhecimento, as instalações do CPMC - Comando do Policiamento Militar da Capital - já foram devidamente desativadas e sinalizadas, porém as instalações do CPMI - Comando do Policiamento Militar do Interior continuam a ser utilizadas normalmente pondo em risco a vida e a integridade física dos policiais militares que ali trabalham, além dos civis que trabalham em empresa terceirizada e prestam serviço a Polícia Militar", afirma a associação, acrescentando que já encaminhou um pedido de abertura de inquérito ao Ministério Público Militar, para que ele apure, preventivamente, se há indícios da prática do crime militar de Desabamento e que - em caso de eventual tragédia - já se apure a omissão de eventuais culpados.
O comando da Polícia Militar informou que já procedeu à interdição recomendada pela Defesa Civil e transferiu os setores indicados para outras dependências internas e externas do QCG. A reportagem teve essa confirmação com o porta-voz da PM, major Fábio Machado, mas não conseguiu mais detalhes por problemas de comunicação, já que ele estava em viagem para o interior. O PM-4, setor responsável pela logística de materiais, equipamentos e estrutura física, 
Tem um plano definido para reformas dos prédios de quartéis, batalhões e companhias do órgão em todo o estado, mas aguarda a liberação de recursos da parte do governo do Estado. 

A Defesa Civil do Esta- do interditou parte do  Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, na Rua Itabaiana, centro de Aracaju. O prédio foi vistoriado no último dia 28 de fevereiro por técnicos do órgão, a pedido da Associação dos Militares de Sergipe (Amese). O órgão entregou dois ofícios que relatam falta de condições de estrutura, problemas de rachaduras no prédio e risco de desabamento. A área interditada, onde funcionam os comandos de policiamento da Capital e do Interior, deverá ser fechada ao acesso do público e sinalizada. Parte do prédio onde o quartel está instalado é antiga e foi construída no início do Século XX. 
Na tarde de sexta-feira, a Amese anunciou que recebeu um documento assinado pelo diretor da Defesa Civil Estadual, coronel Alexandre José Alves, confirmando a interdição do quartel. No documento, a Defesa Civil afirma que a inspeção foi motivada pelos ofícios da Amese, e que notificou a Polícia Militar a desativar parte do Quartel do Comando Geral, anteriormente, através do Relatório Técnico de Vistoria nº 17 datado do ano de 2017. "Pelo que se sabe, esse relatório jamais foi de conhecimento público", disse a Amese, em seu comunicado. O presidente da entidade, sargento Jorge Vieira, prometeu encaminhar, nesta semana, um ofício ao comandante-geral da corporação, coronel Marcony Cabral, solicitando o cumprimento da notificação da Defesa Civil.
"Do que se tem conhecimento, as instalações do CPMC - Comando do Policiamento Militar da Capital - já foram devidamente desativadas e sinalizadas, porém as instalações do CPMI - Comando do Policiamento Militar do Interior continuam a ser utilizadas normalmente pondo em risco a vida e a integridade física dos policiais militares que ali trabalham, além dos civis que trabalham em empresa terceirizada e prestam serviço a Polícia Militar", afirma a associação, acrescentando que já encaminhou um pedido de abertura de inquérito ao Ministério Público Militar, para que ele apure, preventivamente, se há indícios da prática do crime militar de Desabamento e que - em caso de eventual tragédia - já se apure a omissão de eventuais culpados.
O comando da Polícia Militar informou que já procedeu à interdição recomendada pela Defesa Civil e transferiu os setores indicados para outras dependências internas e externas do QCG. A reportagem teve essa confirmação com o porta-voz da PM, major Fábio Machado, mas não conseguiu mais detalhes por problemas de comunicação, já que ele estava em viagem para o interior. O PM-4, setor responsável pela logística de materiais, equipamentos e estrutura física, 
Tem um plano definido para reformas dos prédios de quartéis, batalhões e companhias do órgão em todo o estado, mas aguarda a liberação de recursos da parte do governo do Estado.