Homem é preso por matar a madrasta na Barra

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 02/04/2019 às 07:51:00

 

Gabriel Damásio
Um crime ocorrido 
na noite deste do
mingo chocou a população da Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju). A aposentada Maria José do Nascimento, 69 anos, foi morta a facadas em sua própria casa, na Avenida Serepe, área central da cidade. Segundo a Polícia Militar, o principal suspeito é o enteado dela, Carlos Magno de Jesus Oliveira, 32, que foi preso perto da residência e confessou o crime, alegando que tinha problemas de relacionamento com a vítima. 
Uma guarnição da 2ª Companhia Independente de Polícia Militar (2ª CIPM) foi acionada por volta das 18h para atender a um caso de violência doméstica, mas ao chegarem ao local indicado, encontraram a vítima gravemente ferida, com marcas de facadas na altura das costas e do peito. Os policiais apuraram que os outros parentes tinham ido à igreja e que Magno estava com ela em casa, mas fugiu depois de atacá-la. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionada, mas Maria José não resistiu aos ferimentos e morreu antes da chegada do socorro. 
Após algumas buscas, o suspeito foi encontrado em uma casa abandonada e preso sem resistência. De acordo com a PM, ele morava em uma casa na frente da família da vítima e cometeu o crime depois de passar o dia bebendo com o pai e outras pessoas. Em seguida, ele se armou com uma faca e a matou. Aos policiais, Magno afirmou que a madrasta teria lhe dado um tapa nas costas, o que teria o irritado a ponto de cometer o crime. "Ele aparentava uma tranquilidade absurda, que parecia estava sob o efeito de alguma droga", disse o tenente Jules Rimet, subcomandante da 2ª CIPM, classificando o acusado como uma pessoa "fria, calculista e de alta periculosidade".
O preso foi levado para a Central de Flagrantes, no Santos Dumont (zona norte) e autuado por feminicídio (crime cometido por motivação machista). A arma do crime também foi apreendida em um local próximo a onde Magno foi encontrado. O caso foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que abriu inquérito para apurar outras circunstâncias do caso. O corpo de Maria José foi velado ontem em uma igreja evangélica na Barra dos Coqueiros e enterrado no cemitério da cidade. 
No Mercado - Durante a tarde deste sábado, um homem não identificado foi esfaqueado pela própria companheira, no lado de fora do Mercado Municipal Maria Virgínia Leite Franco, centro de Aracaju. Testemunhas informaram à policia que a mulher foi vista armada com uma faca andando pelos corredores do mercado, à procura do companheiro, e ao encontrá-lo na área dos bares, o atacou dando vários golpes. Em seguida, ela largou a faca e fugiu sem ser alcançada. 
O caso foi atendido pela Guarda Municipal, que fez os primeiros levantamentos e acionou o Samu, cuja ambulância levou o paciente ferido ao Hospital Municipal Nestor Piva, no 18 do Forte (zona norte). A mulher que cometeu a tentativa de homicídio ainda não foi identificada e o caso também será investigado pelo DHPP. 

Gabriel Damásio

Um crime ocorrido  na noite deste do mingo chocou a população da Barra dos Coqueiros (Grande Aracaju). A aposentada Maria José do Nascimento, 69 anos, foi morta a facadas em sua própria casa, na Avenida Serepe, área central da cidade. Segundo a Polícia Militar, o principal suspeito é o enteado dela, Carlos Magno de Jesus Oliveira, 32, que foi preso perto da residência e confessou o crime, alegando que tinha problemas de relacionamento com a vítima. 
Uma guarnição da 2ª Companhia Independente de Polícia Militar (2ª CIPM) foi acionada por volta das 18h para atender a um caso de violência doméstica, mas ao chegarem ao local indicado, encontraram a vítima gravemente ferida, com marcas de facadas na altura das costas e do peito. Os policiais apuraram que os outros parentes tinham ido à igreja e que Magno estava com ela em casa, mas fugiu depois de atacá-la. Uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) chegou a ser acionada, mas Maria José não resistiu aos ferimentos e morreu antes da chegada do socorro. 
Após algumas buscas, o suspeito foi encontrado em uma casa abandonada e preso sem resistência. De acordo com a PM, ele morava em uma casa na frente da família da vítima e cometeu o crime depois de passar o dia bebendo com o pai e outras pessoas. Em seguida, ele se armou com uma faca e a matou. Aos policiais, Magno afirmou que a madrasta teria lhe dado um tapa nas costas, o que teria o irritado a ponto de cometer o crime. "Ele aparentava uma tranquilidade absurda, que parecia estava sob o efeito de alguma droga", disse o tenente Jules Rimet, subcomandante da 2ª CIPM, classificando o acusado como uma pessoa "fria, calculista e de alta periculosidade".
O preso foi levado para a Central de Flagrantes, no Santos Dumont (zona norte) e autuado por feminicídio (crime cometido por motivação machista). A arma do crime também foi apreendida em um local próximo a onde Magno foi encontrado. O caso foi encaminhado para o Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que abriu inquérito para apurar outras circunstâncias do caso. O corpo de Maria José foi velado ontem em uma igreja evangélica na Barra dos Coqueiros e enterrado no cemitério da cidade. 

No Mercado - Durante a tarde deste sábado, um homem não identificado foi esfaqueado pela própria companheira, no lado de fora do Mercado Municipal Maria Virgínia Leite Franco, centro de Aracaju. Testemunhas informaram à policia que a mulher foi vista armada com uma faca andando pelos corredores do mercado, à procura do companheiro, e ao encontrá-lo na área dos bares, o atacou dando vários golpes. Em seguida, ela largou a faca e fugiu sem ser alcançada. 
O caso foi atendido pela Guarda Municipal, que fez os primeiros levantamentos e acionou o Samu, cuja ambulância levou o paciente ferido ao Hospital Municipal Nestor Piva, no 18 do Forte (zona norte). A mulher que cometeu a tentativa de homicídio ainda não foi identificada e o caso também será investigado pelo DHPP.