Jair Oliveira propõe busca interior em disco inédito gravado no EUA

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 05/04/2019 às 07:05:00

 

A metáfora do hábito de fotografar a si mesmo como forma de projetar a luz interior é o conceito do novo álbum de Jair Oliveira. Primeiro disco autoral e inédito do cantor, compositor e produtor musical em oito anos, 'Selfie' reúne treze faixas compostas e produzidas em Nova Iorque (EUA), cidade onde o artista mora com a esposa e as duas filhas desde 2018. O trabalho jàsá está a diaposição dos curiosos em todas as plataformas de streaming. 
De acordo com o artista, 'Selfie' é o seu álbum mais íntimo, com canções que revelam detalhes de sua personalidade, dentre todos os  trabalhos lançados em carreira solo. "Obviamente, algumas das minhas composições anteriores abordaram algo sobre mim. Mas neste novo projeto, eu quis dividir propositalmente o que aprendo no dia a dia com auxílio da reflexão, da terapia e da meditação sobre conquistas, perdas e a existência individual e coletiva, por meio da observação de personagens e de mim mesmo", conta.
A reflexão proposta pelo artista tem como objetivo a busca pela luz. Esse conceito está presente em todas as composições que formam o disco. "São músicas que se conectam entre si, com referências ao roteiro cinematográfico que imaginei para o álbum e à fotografia, por uma viagem ao universo das luzes em um mundo iluminado, mas que a gente não enxerga muito bem", explica. Jair acrescenta: "Costumamos contemplar a luz externa, mas não olhamos a nossa claridade interior que tende a ficar trancafiada e escondida".
A primeira faixa do projeto, 'Seres Incríveis', que chegou a ser cogitada para batizar o álbum, alerta para o cotidiano comum às pessoas, jogando luz em suas excepcionalidades mundanas. "Escrevi a letra ao presenciar a atriz Morena Baccarin, conhecida pela atuação na franquia Deadpool, caminhando com sua filha pequena pelas ruas de Nova Iorque. Quero mostrar como todos nós, famosos ou não, temos de batalhar no dia a dia e por isso mesmo nos tornamos estes seres incríveis", afirma Jair.
Em 'Vida Divina' composta para o projeto "Músicas para Sempre", Jair Oliveira inspirou-se nos fatos vividos por Dona Divina que apresentava sintomas da síndrome de Alzheimer. "Extraí alguns momentos importantes da vida dessa pessoa em uma letra que busca estimular lembranças depositadas em sua memória afetiva. Alguns desses temas são o nascimento em Nova Lima (MG), o gosto pela cozinha e por temperos, o encontro inusitado com o marido e o nascimento de suas filhas", conta.     
O cantor afirma que 'When I'm All Alone' e 'Luzes' são as músicas do disco que mais simbolizam a desatenção de nossa sociedade com as questões interiores; as luzes que iluminam nossas decisões e sentimentos. A faixa 'Agora' trata do poder de viver o presente, trazendo luz para o momento atual. 'Labirinto' apresenta uma visão bastante otimista de como encontrar luz no fim do túnel em tempos em que ansiedades e angústias estão constantemente presentes em centenas de milhares de mentes e corações. 

A metáfora do hábito de fotografar a si mesmo como forma de projetar a luz interior é o conceito do novo álbum de Jair Oliveira. Primeiro disco autoral e inédito do cantor, compositor e produtor musical em oito anos, 'Selfie' reúne treze faixas compostas e produzidas em Nova Iorque (EUA), cidade onde o artista mora com a esposa e as duas filhas desde 2018. O trabalho jàsá está a diaposição dos curiosos em todas as plataformas de streaming. 
De acordo com o artista, 'Selfie' é o seu álbum mais íntimo, com canções que revelam detalhes de sua personalidade, dentre todos os  trabalhos lançados em carreira solo. "Obviamente, algumas das minhas composições anteriores abordaram algo sobre mim. Mas neste novo projeto, eu quis dividir propositalmente o que aprendo no dia a dia com auxílio da reflexão, da terapia e da meditação sobre conquistas, perdas e a existência individual e coletiva, por meio da observação de personagens e de mim mesmo", conta.
A reflexão proposta pelo artista tem como objetivo a busca pela luz. Esse conceito está presente em todas as composições que formam o disco. "São músicas que se conectam entre si, com referências ao roteiro cinematográfico que imaginei para o álbum e à fotografia, por uma viagem ao universo das luzes em um mundo iluminado, mas que a gente não enxerga muito bem", explica. Jair acrescenta: "Costumamos contemplar a luz externa, mas não olhamos a nossa claridade interior que tende a ficar trancafiada e escondida".
A primeira faixa do projeto, 'Seres Incríveis', que chegou a ser cogitada para batizar o álbum, alerta para o cotidiano comum às pessoas, jogando luz em suas excepcionalidades mundanas. "Escrevi a letra ao presenciar a atriz Morena Baccarin, conhecida pela atuação na franquia Deadpool, caminhando com sua filha pequena pelas ruas de Nova Iorque. Quero mostrar como todos nós, famosos ou não, temos de batalhar no dia a dia e por isso mesmo nos tornamos estes seres incríveis", afirma Jair.
Em 'Vida Divina' composta para o projeto "Músicas para Sempre", Jair Oliveira inspirou-se nos fatos vividos por Dona Divina que apresentava sintomas da síndrome de Alzheimer. "Extraí alguns momentos importantes da vida dessa pessoa em uma letra que busca estimular lembranças depositadas em sua memória afetiva. Alguns desses temas são o nascimento em Nova Lima (MG), o gosto pela cozinha e por temperos, o encontro inusitado com o marido e o nascimento de suas filhas", conta.     
O cantor afirma que 'When I'm All Alone' e 'Luzes' são as músicas do disco que mais simbolizam a desatenção de nossa sociedade com as questões interiores; as luzes que iluminam nossas decisões e sentimentos. A faixa 'Agora' trata do poder de viver o presente, trazendo luz para o momento atual. 'Labirinto' apresenta uma visão bastante otimista de como encontrar luz no fim do túnel em tempos em que ansiedades e angústias estão constantemente presentes em centenas de milhares de mentes e corações.