Alan Adi é selecionado no Prêmio Marcantonio Vilaça

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 06/04/2019 às 07:55:00

 

O 7º Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas anunciou esta semana os 30 artistas selecionados entre 688 inscritos de 24 estados e do Distrito Federal. É a primeira vez que mais de 20 artistas são escolhidos como finalistas, incluindo o sergipano Alan Adi. 
O Prêmio Marcantonio Vilaça é considerado uma das mais tradicionais premiações de arte do país e completa 15 anos em 2019. A cada edição, o prêmio contempla cinco artistas, que, além da bolsa de R$ 50 mil, têm sua produção acompanhada por um crítico ou curador de arte. Além disso, participam de exposições itinerantes com suas entre capitais de diferentes regiões do país. 
Em outro fato inédito, a seleção alcançou artistas de todas as regiões brasileiras. Pela primeira vez, por exemplo, nomes do Acre e Sergipe estão entre os selecionados. Além disso, também pela primeira vez, foram selecionados 15 artistas mulheres e 15 artistas homens.
Fizeram parte do júri os críticos Ana Avelar, Clarissa Diniz, Gabriela Motta, Josué Mattos, Marcus de Lontra Costa e os artistas Bernardo Mosqueira e Rochelle Costi.  "O aumento na quantidade e qualidade dos portfólios recebidos reflete a importância do prêmio e é resultado da continuidade da iniciativa, do profissionalismo das equipes responsáveis e de uma clara concepção de conceitos e propósitos", ressalta Lontra.

O 7º Prêmio Indústria Nacional Marcantonio Vilaça para as Artes Plásticas anunciou esta semana os 30 artistas selecionados entre 688 inscritos de 24 estados e do Distrito Federal. É a primeira vez que mais de 20 artistas são escolhidos como finalistas, incluindo o sergipano Alan Adi. 
O Prêmio Marcantonio Vilaça é considerado uma das mais tradicionais premiações de arte do país e completa 15 anos em 2019. A cada edição, o prêmio contempla cinco artistas, que, além da bolsa de R$ 50 mil, têm sua produção acompanhada por um crítico ou curador de arte. Além disso, participam de exposições itinerantes com suas entre capitais de diferentes regiões do país. 
Em outro fato inédito, a seleção alcançou artistas de todas as regiões brasileiras. Pela primeira vez, por exemplo, nomes do Acre e Sergipe estão entre os selecionados. Além disso, também pela primeira vez, foram selecionados 15 artistas mulheres e 15 artistas homens.
Fizeram parte do júri os críticos Ana Avelar, Clarissa Diniz, Gabriela Motta, Josué Mattos, Marcus de Lontra Costa e os artistas Bernardo Mosqueira e Rochelle Costi.  "O aumento na quantidade e qualidade dos portfólios recebidos reflete a importância do prêmio e é resultado da continuidade da iniciativa, do profissionalismo das equipes responsáveis e de uma clara concepção de conceitos e propósitos", ressalta Lontra.