Acusado de matar chefes do PCC no Ceará foi preso em Aracaju

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 09/04/2019 às 07:13:00

 

Gabriel Damásio
A Polícia Federal confirmou a prisão de Carlenilto Pereira Malta, o 'Ceará', 39 anos, apontado como um dos líderes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele foi detido neste domingo no Loteamento Garcia, bairro Jardins (zona sul de Aracaju), onde morava há alguns meses em um condomínio de luxo. A prisão envolveu equipes das superintendências do órgão em Sergipe e no Ceará, estado onde o acusado é investigado pelos assassinatos de dois chefes da cúpula nacional da facção. 
Carlenilto é apontado como um dos seis executores das mortes de Rogério Jeremias de Simone, o 'Gegê do Mangue', e Fabiano Alves de Souza, o 'Paca'. O crime aconteceu no dia 15 de fevereiro de 2018, em Aquiraz (CE), onde os dois líderes foram mortos a tiros disparados de helicóptero e tiveram seus corpos queimados em uma mata. A principal suspeita é de que o crime teria sido ordenado por uma ala da cúpula nacional do PCC, sediada em São Paulo. Segundo a polícia, os criminosos desconfiavam que 'Paca' e 'Gegê' estariam usando dinheiro da facção para ostentar uma vida de luxo. 
Malta também é apontado como líder do PCC no Ceará, mas de acordo com a PF, estava escondido em Sergipe e costumava se apresentar como empresário. Ele chegou a ser visto também em Canindé do São Francisco (Sertão), onde agentes federais também fizeram buscas. No apartamento em Aracaju, os policiais apreenderam um carro blindado, joias, telefones celulares e documentos, entre outros objetos. A polícia desconfia também que alguns imóveis teriam sido comprados por Carlenilto para 'lavar' o dinheiro obtido com negócios ilegais operados pela facção, como o tráfico de drogas e o contrabando. 
A PF informou que Malta foi transferido ainda no domingo para Fortaleza, onde ficará preso e responderá pelas mortes de 'Gegê' e 'Paca'. Outros cinco envolvidos na execução do crime já foram identificados e presos, além dos mandantes que já se encontram detidos em penitenciárias federais de segurança máxima. (com informações do jornal O Povo/CE).

Gabriel Damásio

A Polícia Federal confirmou a prisão de Carlenilto Pereira Malta, o 'Ceará', 39 anos, apontado como um dos líderes da facção criminosa PCC (Primeiro Comando da Capital). Ele foi detido neste domingo no Loteamento Garcia, bairro Jardins (zona sul de Aracaju), onde morava há alguns meses em um condomínio de luxo. A prisão envolveu equipes das superintendências do órgão em Sergipe e no Ceará, estado onde o acusado é investigado pelos assassinatos de dois chefes da cúpula nacional da facção. 
Carlenilto é apontado como um dos seis executores das mortes de Rogério Jeremias de Simone, o 'Gegê do Mangue', e Fabiano Alves de Souza, o 'Paca'. O crime aconteceu no dia 15 de fevereiro de 2018, em Aquiraz (CE), onde os dois líderes foram mortos a tiros disparados de helicóptero e tiveram seus corpos queimados em uma mata. A principal suspeita é de que o crime teria sido ordenado por uma ala da cúpula nacional do PCC, sediada em São Paulo. Segundo a polícia, os criminosos desconfiavam que 'Paca' e 'Gegê' estariam usando dinheiro da facção para ostentar uma vida de luxo. 
Malta também é apontado como líder do PCC no Ceará, mas de acordo com a PF, estava escondido em Sergipe e costumava se apresentar como empresário. Ele chegou a ser visto também em Canindé do São Francisco (Sertão), onde agentes federais também fizeram buscas. No apartamento em Aracaju, os policiais apreenderam um carro blindado, joias, telefones celulares e documentos, entre outros objetos. A polícia desconfia também que alguns imóveis teriam sido comprados por Carlenilto para 'lavar' o dinheiro obtido com negócios ilegais operados pela facção, como o tráfico de drogas e o contrabando. 
A PF informou que Malta foi transferido ainda no domingo para Fortaleza, onde ficará preso e responderá pelas mortes de 'Gegê' e 'Paca'. Outros cinco envolvidos na execução do crime já foram identificados e presos, além dos mandantes que já se encontram detidos em penitenciárias federais de segurança máxima. (com informações do jornal O Povo/CE).