Todo cuidado é pouco

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 18/04/2019 às 20:48:00

 

O trânsito brasileiro mata tanto 
quanto qualquer conflito arma-
do. Por isso as operações realizadas pela Polícia Rodoviária às vésperas dos feriados prolongados, com reforços na fiscalização e vigilância em dobro nos trechos mais perigosos de estradas e rodovias. Uma operação de guerra.
Ano passado, a PRF registrou queda de 23% no número de acidentes durante os quatro dias de operação destinada ao feriado da Semana Santa nas rodovias federais. Ainda assim, foram registrados 854 acidentes que resultaram em 905 feridos. No período, a fiscalização por agentes da corporação alcançou mais de 110 mil pessoas e 108 mil veículos. 
Pior é constatar que, a despeito das condições muitas vezes insatisfatórias de estradas e rodovias, o principal responsável pelo grande número de óbitos verificados à beira da estrada é mesmo o apressadinho. Todo cuidado é pouco. A Polícia Rodoviária Federal recomenda o uso dos faróis ligados em rodovias durante o dia e a noite, a realização de revisão no veículo, o respeito à sinalização e aos limites de velocidade e o planejamento da viagem com antecedência.
Acidentes acontecem, mas o absurdo fez morada nas BR's, mais certo do que as curvas sinalizadas e os animais que, volta e meia, invadem a pista. Excesso de velocidade, ultrapassagens irregulares e consumo de bebida alcoólica são tão perigosos quanto frequentes. Infelizmente, imprudência, irresponsabilidade e pressa não são os únicos personagens da história. As vítimas completam o elenco da crônica de uma tragédia anunciada.

O trânsito brasileiro mata tanto  quanto qualquer conflito arma- do. Por isso as operações realizadas pela Polícia Rodoviária às vésperas dos feriados prolongados, com reforços na fiscalização e vigilância em dobro nos trechos mais perigosos de estradas e rodovias. Uma operação de guerra.
Ano passado, a PRF registrou queda de 23% no número de acidentes durante os quatro dias de operação destinada ao feriado da Semana Santa nas rodovias federais. Ainda assim, foram registrados 854 acidentes que resultaram em 905 feridos. No período, a fiscalização por agentes da corporação alcançou mais de 110 mil pessoas e 108 mil veículos. 
Pior é constatar que, a despeito das condições muitas vezes insatisfatórias de estradas e rodovias, o principal responsável pelo grande número de óbitos verificados à beira da estrada é mesmo o apressadinho. Todo cuidado é pouco. A Polícia Rodoviária Federal recomenda o uso dos faróis ligados em rodovias durante o dia e a noite, a realização de revisão no veículo, o respeito à sinalização e aos limites de velocidade e o planejamento da viagem com antecedência.
Acidentes acontecem, mas o absurdo fez morada nas BR's, mais certo do que as curvas sinalizadas e os animais que, volta e meia, invadem a pista. Excesso de velocidade, ultrapassagens irregulares e consumo de bebida alcoólica são tão perigosos quanto frequentes. Infelizmente, imprudência, irresponsabilidade e pressa não são os únicos personagens da história. As vítimas completam o elenco da crônica de uma tragédia anunciada.