Que a Páscoa permaneça em nós!

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/04/2019 às 07:58:00

 

* Raymundo Mello
(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)
 
Com grande alegria celebramos, 
domingo último (21/04), o acon
tecimento central da nossa Fé: Cristo ressuscitou! Jesus venceu a morte e vive para sempre junto a cada um de nós. Esta boa notícia nos anima a superar as tristezas e o desânimo e caminhar confiantes com o Senhor Ressuscitado, que renova todas as coisas.
Vivenciamos uma bela caminhada quaresmal - um tempo que nos motivou à interiorização, à reflexão, a um "repassar a vida", à conversão. Que a celebração da Páscoa renove em nós um amor como o de Jesus, capaz de se doar, sofrer, perdoar, vencer a morte e ressurgir para a vida definitiva. O Ressuscitado continuará nos deixando sempre sinais de sua vitória, para seguirmos além, anunciando ao mundo que o seu amor é maior que tudo e supera tudo.
Mas, é preciso que estejamos atentos para uma realidade: o mundo material em que vivemos, a sociedade do egoísmo, do consumismo desmedido, da competitividade desleal, da desonestidade, da corrupção, da falta de solidariedade, da mentira, do prazer desenfreado, enfim, de todas as situações de pecado, está aí. Não podemos nos "descuidar" porque a Quaresma passou. É preciso que os exercícios penitenciais vivenciados nas cinco semanas se tornem práticas permanentes de conversão na nossa vida cotidiana. E, assim, estaremos vivendo em plenitude a Páscoa que celebramos.
São João Bosco, o Santo fundador dos Salesianos, sempre alertou sobre a vigilância que devemos ter em relação ao pecado e os meios espirituais para buscarmos e cultivarmos uma vida de graça. No livro "O jovem instruído na prática dos seus deveres religiosos" (de sua autoria), podemos encontrar, na seção "Sete considerações para os vários dias da semana" - "Domingo" - "Fim do homem" - parte final, um precioso ensinamento sobre o assunto.
Diz Dom Bosco: "Tu, porém, ó jovem católico que lês esta consideração, não te deixes enganar assim pelo demônio. Promete agora ao Senhor que, doravante, tudo quanto pensares, disseres ou fizeres será para a salvação de tua alma. Pois cometerias a maior loucura ocupando-se tanto daquilo que logo passa e tão pouco da eternidade. São Luís podia usufruir todos os prazeres, riquezas e honras, mas renunciou a tudo, dizendo: 'De que me serve isto para a vida eterna?'.
Tira também tu esta conclusão: 'Tenho uma alma. Se perdê-la, perderei tudo! Que me aproveita ganhar o mundo inteiro, mas perder minha alma (cf. Lc 9,25)? Se chegar a ser um potentado, um milionário, se conquistar a fama de sábio em todas as ciências e artes, mas perder minha alma, de que me servirá tudo isso?'.
Nada vale para ti toda a sabedoria de Salomão se te condenares. Faze, portanto, este raciocínio: 'Fui criado por Deus para salvar minha alma e quero salvá-la a qualquer custo; quero que de futuro o único escopo de minhas ações seja o de amar a Deus e salvar minha alma. Trata-se de ser sempre feliz ou sempre infeliz. Nada me interessa, portanto, a não ser minha salvação!'. E esta oração: 'Perdoai, ó Deus, meus pecados e fazei que nunca mais me aconteça a desgraça de Vos ofender. Ajudai-me, com vossa santa graça, a Vos amar e servir fielmente de ora em diante. Maria, minha esperança, rogai por mim' ".
Que bela oração nascida do pensamento de Dom Bosco! Um exercício de confiança na misericórdia de Deus! Que estas palavras de Dom Bosco ecoem no mais profundo do nosso ser e permaneçam em nós como princípio fundamental de nossas vidas. E, assim, estaremos verdadeiramente celebrando a Páscoa, com o coração e a vida renovados.
Rezemos! Rezemos muito! E como nos ensina Dom Bosco na oração acima, peçamos a Maria, Auxílio dos cristãos, esperança nossa, que rogue a Deus por nós, para que mereçamos a santa graça de a Ele amar e servir fielmente.
Ainda oportunamente, já que o Tempo Pascal compreende os 50 dias entre o domingo da Ressurreição - que celebramos anteontem - e o domingo de Pentecostes, que este ano será celebrado no dia 9 de junho, desejo a todos uma feliz e santa Páscoa! A Páscoa de Jesus, a Páscoa do amor, a Páscoa da misericórdia de Deus, a Páscoa da reconciliação com Deus e com os irmãos, a Páscoa verdadeira, da vida que se renova com a ressurreição do Senhor! E que possamos sempre, pela graça de Deus, a cada dia, podermos dizer uns aos outros, com o coração puro e sincero: Feliz Páscoa!
 
* Raymundo Mello é Memorialista
raymundopmello@yahoo.com.br

* Raymundo Mello

(publicação de Raymundinho Mello, seu filho)

Com grande alegria celebramos,  domingo último (21/04), o acon tecimento central da nossa Fé: Cristo ressuscitou! Jesus venceu a morte e vive para sempre junto a cada um de nós. Esta boa notícia nos anima a superar as tristezas e o desânimo e caminhar confiantes com o Senhor Ressuscitado, que renova todas as coisas.
Vivenciamos uma bela caminhada quaresmal - um tempo que nos motivou à interiorização, à reflexão, a um "repassar a vida", à conversão. Que a celebração da Páscoa renove em nós um amor como o de Jesus, capaz de se doar, sofrer, perdoar, vencer a morte e ressurgir para a vida definitiva. O Ressuscitado continuará nos deixando sempre sinais de sua vitória, para seguirmos além, anunciando ao mundo que o seu amor é maior que tudo e supera tudo.
Mas, é preciso que estejamos atentos para uma realidade: o mundo material em que vivemos, a sociedade do egoísmo, do consumismo desmedido, da competitividade desleal, da desonestidade, da corrupção, da falta de solidariedade, da mentira, do prazer desenfreado, enfim, de todas as situações de pecado, está aí. Não podemos nos "descuidar" porque a Quaresma passou. É preciso que os exercícios penitenciais vivenciados nas cinco semanas se tornem práticas permanentes de conversão na nossa vida cotidiana. E, assim, estaremos vivendo em plenitude a Páscoa que celebramos.
São João Bosco, o Santo fundador dos Salesianos, sempre alertou sobre a vigilância que devemos ter em relação ao pecado e os meios espirituais para buscarmos e cultivarmos uma vida de graça. No livro "O jovem instruído na prática dos seus deveres religiosos" (de sua autoria), podemos encontrar, na seção "Sete considerações para os vários dias da semana" - "Domingo" - "Fim do homem" - parte final, um precioso ensinamento sobre o assunto.
Diz Dom Bosco: "Tu, porém, ó jovem católico que lês esta consideração, não te deixes enganar assim pelo demônio. Promete agora ao Senhor que, doravante, tudo quanto pensares, disseres ou fizeres será para a salvação de tua alma. Pois cometerias a maior loucura ocupando-se tanto daquilo que logo passa e tão pouco da eternidade. São Luís podia usufruir todos os prazeres, riquezas e honras, mas renunciou a tudo, dizendo: 'De que me serve isto para a vida eterna?'.
Tira também tu esta conclusão: 'Tenho uma alma. Se perdê-la, perderei tudo! Que me aproveita ganhar o mundo inteiro, mas perder minha alma (cf. Lc 9,25)? Se chegar a ser um potentado, um milionário, se conquistar a fama de sábio em todas as ciências e artes, mas perder minha alma, de que me servirá tudo isso?'.
Nada vale para ti toda a sabedoria de Salomão se te condenares. Faze, portanto, este raciocínio: 'Fui criado por Deus para salvar minha alma e quero salvá-la a qualquer custo; quero que de futuro o único escopo de minhas ações seja o de amar a Deus e salvar minha alma. Trata-se de ser sempre feliz ou sempre infeliz. Nada me interessa, portanto, a não ser minha salvação!'. E esta oração: 'Perdoai, ó Deus, meus pecados e fazei que nunca mais me aconteça a desgraça de Vos ofender. Ajudai-me, com vossa santa graça, a Vos amar e servir fielmente de ora em diante. Maria, minha esperança, rogai por mim' ".
Que bela oração nascida do pensamento de Dom Bosco! Um exercício de confiança na misericórdia de Deus! Que estas palavras de Dom Bosco ecoem no mais profundo do nosso ser e permaneçam em nós como princípio fundamental de nossas vidas. E, assim, estaremos verdadeiramente celebrando a Páscoa, com o coração e a vida renovados.
Rezemos! Rezemos muito! E como nos ensina Dom Bosco na oração acima, peçamos a Maria, Auxílio dos cristãos, esperança nossa, que rogue a Deus por nós, para que mereçamos a santa graça de a Ele amar e servir fielmente.
Ainda oportunamente, já que o Tempo Pascal compreende os 50 dias entre o domingo da Ressurreição - que celebramos anteontem - e o domingo de Pentecostes, que este ano será celebrado no dia 9 de junho, desejo a todos uma feliz e santa Páscoa! A Páscoa de Jesus, a Páscoa do amor, a Páscoa da misericórdia de Deus, a Páscoa da reconciliação com Deus e com os irmãos, a Páscoa verdadeira, da vida que se renova com a ressurreição do Senhor! E que possamos sempre, pela graça de Deus, a cada dia, podermos dizer uns aos outros, com o coração puro e sincero: Feliz Páscoa! 
* Raymundo Mello é Memorialistaraymundopmello@yahoo.com.br