Cine Vitória exibe documentário sobre o crime ambiental de Brumadinho

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 23/04/2019 às 08:12:00

 

No dia 25 de janeiro de 2019, a barragem do Córrego do Feijão rompe em Brumadinho, espalhando um mar de lama pela região. A barragem pertencia à mineradora Vale S.A.
Desde o episódio uma equipe esteve entre estradas, ruas e lama para registrar o cenário e captar as vozes que nos curtos intervalos dos helicópteros enunciaram seu testemunho da tragédia. Trata-se do documentário "Lama: o crime Vale no Brasil. A tragédia de Brumadinho" dos documentaristas Carlos Pronzato e Richardson Pontone, com direção de produção de Denise Belo.
A barragem da Mina Córrego de Feijão despejou 12 milhões de metros cúbicos de lama na bacia do Rio Paraopeba e os rejeitos já chegaram no Rio São Francisco. O município de Brumadinho, com quase 40 mil habitantes, tem como principais atividades econômicas a exploração de minério, a agricultura, a pecuária e o turismo.
O rompimento da barragem ocorreu na hora do almoço na troca de turnos, com o refeitório localizado abaixo da barragem. O desastre causa ainda mais indignação pela impunidade, a mesma empresa, a mineradora Vale, maior produtora mundial de minério de ferro, está envolvida no crime de Mariana, com o rompimento da barragem de Fundão, em 2015. Até o momento foram identificados 216 mortos e ainda há 91 desaparecidos.
Este documentário de intervenção política foi produzido de forma independente, trazendo mais de 50 entrevistas com especialistas no assunto, moradores da região, militantes de movimentos sociais e representantes de órgãos oficiais, além de materiais relacionados com o episódio, reunidos minuciosamente.
O documentário foi lançado em Salvador no dia 05 de abril no Cine Glauber Rocha; 08 de abril na Faculdade de Educação e 12 de abril na Escola de Direito da UFBA. Em Aracaju, o lançamento será realizado no dia 25 de abril, no Cine Vitória (Rua do Turista), às 19 horas.

No dia 25 de janeiro de 2019, a barragem do Córrego do Feijão rompe em Brumadinho, espalhando um mar de lama pela região. A barragem pertencia à mineradora Vale S.A.
Desde o episódio uma equipe esteve entre estradas, ruas e lama para registrar o cenário e captar as vozes que nos curtos intervalos dos helicópteros enunciaram seu testemunho da tragédia. Trata-se do documentário "Lama: o crime Vale no Brasil. A tragédia de Brumadinho" dos documentaristas Carlos Pronzato e Richardson Pontone, com direção de produção de Denise Belo.
A barragem da Mina Córrego de Feijão despejou 12 milhões de metros cúbicos de lama na bacia do Rio Paraopeba e os rejeitos já chegaram no Rio São Francisco. O município de Brumadinho, com quase 40 mil habitantes, tem como principais atividades econômicas a exploração de minério, a agricultura, a pecuária e o turismo.
O rompimento da barragem ocorreu na hora do almoço na troca de turnos, com o refeitório localizado abaixo da barragem. O desastre causa ainda mais indignação pela impunidade, a mesma empresa, a mineradora Vale, maior produtora mundial de minério de ferro, está envolvida no crime de Mariana, com o rompimento da barragem de Fundão, em 2015. Até o momento foram identificados 216 mortos e ainda há 91 desaparecidos.
Este documentário de intervenção política foi produzido de forma independente, trazendo mais de 50 entrevistas com especialistas no assunto, moradores da região, militantes de movimentos sociais e representantes de órgãos oficiais, além de materiais relacionados com o episódio, reunidos minuciosamente.
O documentário foi lançado em Salvador no dia 05 de abril no Cine Glauber Rocha; 08 de abril na Faculdade de Educação e 12 de abril na Escola de Direito da UFBA. Em Aracaju, o lançamento será realizado no dia 25 de abril, no Cine Vitória (Rua do Turista), às 19 horas.