Adema: morte de peixes no Rio Sergipe foi causada por amônia

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 26/04/2019 às 23:24:00

 

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) divulgou ontem o resultado do laudo técnico que apurou a causa de uma mortandade de peixes ocorrida há cerca de duas semanas nas águas do Rio Sergipe, ao longo do trecho que passa pelo povoado Pedra Branca, em Laranjeiras (Vale do Cotinguiba). A conclusão dos técnicos do órgão é de que a mortandade foi provocada por uma grande concentração de amônia nas águas. A substância é a mesma produzida na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), que está instalada na cidade e entrou recentemente em processo de hibernação. 
De acordo com o laudo, foram coletadas amostras em três regiões diferentes do trecho onde os peixes morreram. Elas acusaram valores de PH muito acima do permitido e baixos níveis de oxigênio, substancia que acabou dissolvida. Conforme o laudo, a presença do composto químico estava abaixo do valor permitido pela legislação, mas foi o suficiente para matar os peixes do trecho. Antes mesmo da conclusão dos exames, a Adema e a PGE aplicaram uma recente multa à Petrobras pela paralisação da produção da fábrica, sem a apresentação de um plano de impacto ambiental, além de conseguirem que a Justiça Federal suspendesse o processo de hibernação. 
Em nota, a Petrobras negou ter lançado efluentes de amônia no Rio Sergipe e diz que todos os efluentes da Fafen são direcionados para um emissário submarino, a cerca de 5,5 quilômetros da Orla de Atalaia, em Aracaju, e a 30 quilômetros de distância da fábrica. A estatal alega também que faz um constante monitoramento ambiental na região e mantém um canal de comunicação direto com as comunidades, para averiguação de ocorrências.

A Administração Estadual do Meio Ambiente (Adema) divulgou ontem o resultado do laudo técnico que apurou a causa de uma mortandade de peixes ocorrida há cerca de duas semanas nas águas do Rio Sergipe, ao longo do trecho que passa pelo povoado Pedra Branca, em Laranjeiras (Vale do Cotinguiba). A conclusão dos técnicos do órgão é de que a mortandade foi provocada por uma grande concentração de amônia nas águas. A substância é a mesma produzida na Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados (Fafen), que está instalada na cidade e entrou recentemente em processo de hibernação. 
De acordo com o laudo, foram coletadas amostras em três regiões diferentes do trecho onde os peixes morreram. Elas acusaram valores de PH muito acima do permitido e baixos níveis de oxigênio, substancia que acabou dissolvida. Conforme o laudo, a presença do composto químico estava abaixo do valor permitido pela legislação, mas foi o suficiente para matar os peixes do trecho. Antes mesmo da conclusão dos exames, a Adema e a PGE aplicaram uma recente multa à Petrobras pela paralisação da produção da fábrica, sem a apresentação de um plano de impacto ambiental, além de conseguirem que a Justiça Federal suspendesse o processo de hibernação. 
Em nota, a Petrobras negou ter lançado efluentes de amônia no Rio Sergipe e diz que todos os efluentes da Fafen são direcionados para um emissário submarino, a cerca de 5,5 quilômetros da Orla de Atalaia, em Aracaju, e a 30 quilômetros de distância da fábrica. A estatal alega também que faz um constante monitoramento ambiental na região e mantém um canal de comunicação direto com as comunidades, para averiguação de ocorrências.