Homenagem e protestos

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Os representantes dos movimentos sociais que protestavam ontem na galeria da Assembleia Legislativa contra a ministra Damares Alves postavam faixas e cartazes de protesto. Diziam: \"Sua Bíblica não é nossa Constituição! #ForaDamares\", \"Todas
Os representantes dos movimentos sociais que protestavam ontem na galeria da Assembleia Legislativa contra a ministra Damares Alves postavam faixas e cartazes de protesto. Diziam: \"Sua Bíblica não é nossa Constituição! #ForaDamares\", \"Todas

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 03/05/2019 às 09:51:00

 

A ministra da Mulher, da Família e dos 
Direitos Humanos, Damares Alves, 
que chegou a morar cerca de 10 anos em Aracaju, tem uma trajetória conservadora. Antes de se tornar ministra no governo também ultraconservador de Jair Bolsonaro, ficou conhecida por algumas frases polêmicas.
Em vídeo de 2013, Damares afirmou que muitos hotéis fazenda no Brasil são de "fachada" e, na verdade, são locais para "turista ir transar com animais". Em uma entrevista naquele mesmo ano, ela contestou o ensino da Teoria da Evolução nas escolas. Revelou que a Igreja perdeu espaço na sociedade brasileira ao "deixar" a "teoria da evolução entrar nas escolas". 
O seu nome foi parar na lista dos assuntos mais comentados da Holanda ao afirmar que os pais holandeses masturbavam seus bebês.
Damares, que é pastora evangélica, jura ter visto Jesus em um pé de goiaba quando estava para cometer suicido tomando veneno, por ter sido violentada sexualmente quando ainda era criança. 
Em março de 2018, em entrevista a imprensa ela declarou que se preocupava com ausência da mulher de casa. "Como eu gostaria estar em casa, toda tarde numa rede, me balançando e o meu marido ralando muito, muito, muito para me sustentar e me encher de joias e presentes. Esse seria o padrão ideal da sociedade. A mulher nasceu para ser mãe, é o papel mais especial da mulher".
No dia de sua posse, em 2 de janeiro, outro declaração polêmica e homofóbica que viralizou nas redes sociais. Disse: "É inaugurada agora uma nova era no país, em que menino veste azul e menina veste rosa". 
Já como ministra, Damares, em entrevista a imprensa, aconselhou pais de  meninas a fugirem do Brasil por causa dos alarmantes índices de violência contra as mulheres no país.
A polêmica ministra veio ontem a Aracaju receber título de cidadania sergipana e aracajuana, durante sessão especial na Assembleia Legislativa. Durante a solenidade, representantes de movimentos sociais que ocupavam as galerias não perdoaram o seu conservadorismo e do governo que faz parte, marcado pela homofobia e o racismo.  Quando foi chamada para receber a honraria, que foi uma iniciativa do ex-deputado estadual Pastor Antônio dos Santos (PSC), não faltaram vaias e palavras de ordem "Fora Damares", "Você não nos representa".
Os gritos prosseguiram, abafando os aplausos, quando, após receber o título de cidadã sergipana da Assembleia, a ministra recebeu da Câmara Municipal de Aracaju o título de cidadã aracajuana.
Vereador Pastor Alves (PRB), autor da propositura, tentou minimizar os protestos das galerias dizendo: "Pessoas mal educadas não vão tirar o brilho desta homenagem! A senhora iniciou uma trajetória de luta nas ruas de Aracaju e nunca negou este legado. Isso é motivo de honra para nós, sergipanos e aracajuanos. Quem é família, respeita e ama". 
Foi em vão! As vais e os gritos "Fora Damares" e "Você não nos representa" continuaram... 

A ministra da Mulher, da Família e dos  Direitos Humanos, Damares Alves,  que chegou a morar cerca de 10 anos em Aracaju, tem uma trajetória conservadora. Antes de se tornar ministra no governo também ultraconservador de Jair Bolsonaro, ficou conhecida por algumas frases polêmicas.
Em vídeo de 2013, Damares afirmou que muitos hotéis fazenda no Brasil são de "fachada" e, na verdade, são locais para "turista ir transar com animais". Em uma entrevista naquele mesmo ano, ela contestou o ensino da Teoria da Evolução nas escolas. Revelou que a Igreja perdeu espaço na sociedade brasileira ao "deixar" a "teoria da evolução entrar nas escolas". 
O seu nome foi parar na lista dos assuntos mais comentados da Holanda ao afirmar que os pais holandeses masturbavam seus bebês.
Damares, que é pastora evangélica, jura ter visto Jesus em um pé de goiaba quando estava para cometer suicido tomando veneno, por ter sido violentada sexualmente quando ainda era criança. 
Em março de 2018, em entrevista a imprensa ela declarou que se preocupava com ausência da mulher de casa. "Como eu gostaria estar em casa, toda tarde numa rede, me balançando e o meu marido ralando muito, muito, muito para me sustentar e me encher de joias e presentes. Esse seria o padrão ideal da sociedade. A mulher nasceu para ser mãe, é o papel mais especial da mulher".
No dia de sua posse, em 2 de janeiro, outro declaração polêmica e homofóbica que viralizou nas redes sociais. Disse: "É inaugurada agora uma nova era no país, em que menino veste azul e menina veste rosa". 
Já como ministra, Damares, em entrevista a imprensa, aconselhou pais de  meninas a fugirem do Brasil por causa dos alarmantes índices de violência contra as mulheres no país.
A polêmica ministra veio ontem a Aracaju receber título de cidadania sergipana e aracajuana, durante sessão especial na Assembleia Legislativa. Durante a solenidade, representantes de movimentos sociais que ocupavam as galerias não perdoaram o seu conservadorismo e do governo que faz parte, marcado pela homofobia e o racismo.  Quando foi chamada para receber a honraria, que foi uma iniciativa do ex-deputado estadual Pastor Antônio dos Santos (PSC), não faltaram vaias e palavras de ordem "Fora Damares", "Você não nos representa".
Os gritos prosseguiram, abafando os aplausos, quando, após receber o título de cidadã sergipana da Assembleia, a ministra recebeu da Câmara Municipal de Aracaju o título de cidadã aracajuana.
Vereador Pastor Alves (PRB), autor da propositura, tentou minimizar os protestos das galerias dizendo: "Pessoas mal educadas não vão tirar o brilho desta homenagem! A senhora iniciou uma trajetória de luta nas ruas de Aracaju e nunca negou este legado. Isso é motivo de honra para nós, sergipanos e aracajuanos. Quem é família, respeita e ama". 
Foi em vão! As vais e os gritos "Fora Damares" e "Você não nos representa" continuaram... 

Mais uma da ministra

Em discurso de agradecimento pela honraria recebida ontem na Assembleia Legislativa, a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, minimizou os protestos dos grupos sociais dizendo que "isso faz parte da beleza da democracia, os lados opostos". Depois saiu com essa: "A alternância dos poderes faz parte da democracia. Aceitem que dói menos! Estamos em Brasília buscando o resgate de valores que estavam perdidos, promovendo a defesa da vida e da família. Agradeço a todos, eu vou voltar a morar neste Estado e que Deus abençoe esta Nação".

Justificativa

A militante LGBT, Linda Brasil, justificou o repúdio a ministra dizendo que ela não representa os movimentos sociais por ir de encontro às lutas que travam contra o preconceito. Ressalta que os integrantes do LGBT têm família e que, portanto, Damares não merece o título de cidadã sergipana e aracajuana. Linda, que foi candidata a deputada estadual pelo PSOL em 2018, obtendo mais de 10 mil votos, é professora, mestranda em Educação pela UFS. 

Nova frente 1

Antes da entrega do título de cidadã sergipana a Damares o deputado estadual Rodrigo Valadares (PTB) fez o lançamento oficial da Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família. Como presidente, o parlamentar rebateu os gritos dos críticos a ministra e afirmou "O Brasil vive uma epidemia de aborto, de feminicídios, suicídios, pedofilia, dentre outras coisas. Com essa Frente agora instalada, Sergipe será referência para o País na defesa da vida, independente de lado político".

Nova frente 2

O vereador Pastor Alves, autor do título de cidadã aracajuana a ministra,  afirmou que na Câmara Municipal também vai lançar a Frente Parlamentar em Defesa da Vida e da Família. 

Registro

Damares se formou em Aracaju, em Pedagogia, no início dos anos 1980 e deu aulas para crianças na primeira infância, segundo ela mesma relata. Ordenada pastora da Quadrangular, denominação evangélica americana que se disseminou no Brasil na década de 1990, começou a se engajar com causas sociais no Movimento Nacional Meninas e Meninos de Rua. Disse ontem que estava "muito feliz" com as honrarias e pensava em voltar a morar em Sergipe. 

Rebatendo o ministro 1

Ontem, na tribuna da Câmara Municipal de Aracaju, o vereador Elber Batalha (PSB), fez um discurso repudiando o pronunciamento do ministro Onyx  Lorenzoni (Casa Civil) dizendo que vai cortar 30% do orçamento da Universidade Federal de Sergipe (UFS), por gastar anualmente R$ 980 milhões e os cursos não estarem entre as médias mais altas, enquanto o orçamento anual da Universidade Tiradentes (Unit) é em torno de R$ 300 milhões. 

Rebatendo o ministro 2

Disse Elber: "O ministro está omitindo e mentindo ao divulgar dados falsos e depreciativos sobre a UFS. Com 50 anos de história, a UFS é orgulho de todos os sergipanos e presta indispensáveis serviços ao nosso povo".  Mais um ato lamentável do governo Jair Bolsonaro, que agora, ao que parece, quer acabar com as universidades públicas pelas razões que já sabemos.

Fica

O prefeito Edvaldo Nogueira (PCdoB) anunciou ontem a permanência do coronel da reserva da Polícia Militar, Luís Fernando Silveira de Almeida, como secretário municipal de Defesa Social. Como parte da reforma administrativa, o prefeito deverá anunciar o novo secretário do Meio Ambiente de Aracaju até o próximo dia 17.

Na paz

Não teve polêmica ontem na Câmara Municipal de Aracaju, por não ter entrado em discussão a resolução da Mesa Diretora proibindo que  vereadores e assessores vão armados para a Casa , assim como a votação do relatório do pastor Alves estabelecendo uma punição ao vereador destemperado Cabo Amintas (PTB). É que depois do feriado de 1ª de maio, 11 vereadores faltaram à sessão e às 11h alguns foram à Assembleia Legislativa para homenagem a ministra Damares Alves,

PSOL 1

Em nota, a Executiva Municipal do PSOL de Estância fala das suas diretrizes da política de alianças partidárias nas eleições 2020 e critica o governo de extrema direita de Jair Bolsonaro. "Em Estância, precisamos de um projeto de cidade para resgatar a importância de nosso povo na construção de perspectivas no campo econômico, cultural e desenvolvimento sustentável e social para as próximas gerações de estancianas e estancianos. A principal tarefa do PSOL de Estância para 2020 é apresentar o partido como polo aglutinador desse processo", afirma. 

PSOL 2

Ressalta que o nome do PSOL para disputar a Prefeitura de Estância  é Márcio Souza e que o partido não se coligará com os da direita: PSL, MDB, PSDB, DEM, PR, PRB, PTB, PSD, PSC, SD e PP. "Nossa aliança eleitoral não será com todo mundo, mas sim com os partidos de oposição ao governo federal de extrema direita, sendo possível ampliar somente quando o diálogo envolvendo seções partidárias locais demonstrarem  acordo com o programa de nossas  campo político, em contraposição às suas direções nacionais e estaduais", finaliza a nota.

Veja essa ...

Do deputado estadual Samuel Carvalho (PPS) durante homenagem a ministra Damares, ontem, na Assembleia Legislativa, após enaltecer sua luta na defesa da mulher, da família, pelo direito da vida e em defesa dos direitos da infância, além de combater o aborto: "Falando com o coração digo que a ministra foi enviada por Deus para assumir o Ministério. É uma pessoa de espírito tão nobre, de uma grandeza que espalha seu legado por onde anda". Só faltou dizer que também viu Jesus em uma goiabeira.

Curtas

Lideranças petistas participaram do ato 1º de maio em Aracaju, em protesto a reforma da previdência social, que saiu do Conjunto Augusto Franco até os Arcos da Orla da Atalaia, organizado pelas centrais sindicais. Entre os participantes o senador Rogério Carvalho, o deputado federal João Daniel, e o vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo.    

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirma que é preciso informações sérias e corretas sobre os números da previdência social. Por isso, vai cobrar informações detalhadas do governo e estudar às possibilidades. Ressalta que vai fazer audiências públicas em Sergipe.

Dois dos maiores militantes de direitos humanos do Brasil e do mundo visitaram ontem o ex-presidente Lula em Curitiba: os ex-ministros de Direitos Humanos Paulo Sérgio Pinheiro (governo FHC) e Paulo Vannuchi (governo Lula). Atualmente, Pinheiro é relator na Comissão de Direitos Humanos da ONU.

Do ex-deputado federal Valadares Filho (PSB), ex-candidato a governador em 2018: "O PSB não baixará a cabeça para os atuais governos e não deixará de apresentar um projeto inovador para Sergipe. Vamos apresentar um projeto para combater essas administrações que não fazem nada pela melhoria do nosso povo".