"É impossível ter uma relação saudável com o feminino se isto não começar pelo relacionamento com a mãe", afirma Carol Teixeira

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 13/05/2019 às 23:13:00

 

Ao se tornar mãe uma vida se transforma para sempre, mas não apenas a vida daquela mulher, como também de seus filhos. Inegavelmente a relação mais importante para a constituição do ser humano é a relação entre mãe e filho, e apesar de ser uma relação idealizada desde a antiguidade como sagrada, em geral, não é fácil ser mãe nem ser filho.
A terapeuta tântrica e filósofa Carol Teixeira fala sobre a importância do relacionamento com a mãe e de como isto afeta a cada mulher em suas vidas e na expressão de sua feminilidade: "não tem como a gente falar de feminino sem falar da mãe. A primeira relação que temos com feminino é a mãe, então uma relação com a nossa mãe que não está saudável afeta a forma como nos relacionamos com o feminino". 

Ao se tornar mãe uma vida se transforma para sempre, mas não apenas a vida daquela mulher, como também de seus filhos. Inegavelmente a relação mais importante para a constituição do ser humano é a relação entre mãe e filho, e apesar de ser uma relação idealizada desde a antiguidade como sagrada, em geral, não é fácil ser mãe nem ser filho.
A terapeuta tântrica e filósofa Carol Teixeira fala sobre a importância do relacionamento com a mãe e de como isto afeta a cada mulher em suas vidas e na expressão de sua feminilidade: "não tem como a gente falar de feminino sem falar da mãe. A primeira relação que temos com feminino é a mãe, então uma relação com a nossa mãe que não está saudável afeta a forma como nos relacionamos com o feminino".