Premê comemora 40 anos de estrada com box

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/05/2019 às 00:42:00

 

Irreverente, underground, inventivo e um dos principais protagonistas do movimento da Vanguarda Paulista e do Teatro Lira Paulistana, o grupo Premê (antes conhecido como Premeditando o Breque) comemora 40 anos de jornada com o lançamento pelo Selo Sesc do box Caixinha do Premê.
São sete CDs com toda a obra e verve do grupo, incluindo o álbum Como Vencer na Vida fazendo Música Estranha - Vol. VII. "Este CD traz músicas conhecidas do público mas nunca antes gravadas em outro álbum, como as composições Valsa Didática, Casa de Massagem e Zuleika  Gaspar, as duas últimas censuradas nos anos 80", conta Mário Manga, integrante do Premê desde sua formação original.
 A Caixinha do Premê é um rico acervo histórico e o encarte com 96 páginas conta toda sua trajetória. O material é permeado por fotos dos icônicos shows e festivais em que a trupe participava em São Paulo e em cidades do interior paulista. Premê também estará no quadro Um Plano, do Selo Sesc, com o clipe da música Casa de Massagem. Um Plano é gravado em plano sequência, uma técnica de filmagem de vídeo sem cortes.
 
Premê - O grupo surgiu a partir da vontade de alguns estudantes do departamento de música da ECA-USP (Escolas de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo) em quebrar o protocolo da erudição reinante no ambiente acadêmico. Mas foi em 1979, ano em que a Lei da Anistia foi assinada, que o grupo ganhou projeção.  Ainda sob as asas da ditadura e da censura, o então Premeditando o Breque conquistou o segundo lugar no Festival Universitário da TV Cultura com a música Brigando na Lua. O primeiro lugar foi para Arrigo Barnabé com Diversões Eletrônicas.
 Em 1981, o grupo anuncia seu primeiro álbum e no encarte já avisa que Premeditando o Breque se tornará Premê. O nome foi rapidamente aceito pelos fãs.  A postura do Premê e dos outros artistas da chamada Vanguarda era de ousadia, desembaraço e crítica ao mainstream da indústria cultural. Com um humor ora hermético, ora popular, o Premê fazia piada de tudo, tanto na composição quanto nas letras. Qualquer estilo podia fazer parte de seu repertório.
 Inicialmente, o núcleo do Premê foi formado por Igor Lintz Maués, Mário Manga, A. Marcelo Galbetti e Claus Petersen, e logo em seguida Wandi Doratiotto. Hoje os integrantes são Manga, Marcelo, Claus e Wandi. Os quatro se apresentarão nos shows acompanhados de Adriano Busko (bateria e percussão) e Danilo Moraes (violão, guitarra, baixo, voz), filho de Wandi, que toca com o grupo há mais de 20 anos.

Irreverente, underground, inventivo e um dos principais protagonistas do movimento da Vanguarda Paulista e do Teatro Lira Paulistana, o grupo Premê (antes conhecido como Premeditando o Breque) comemora 40 anos de jornada com o lançamento pelo Selo Sesc do box Caixinha do Premê.
São sete CDs com toda a obra e verve do grupo, incluindo o álbum Como Vencer na Vida fazendo Música Estranha - Vol. VII. "Este CD traz músicas conhecidas do público mas nunca antes gravadas em outro álbum, como as composições Valsa Didática, Casa de Massagem e Zuleika  Gaspar, as duas últimas censuradas nos anos 80", conta Mário Manga, integrante do Premê desde sua formação original.
 A Caixinha do Premê é um rico acervo histórico e o encarte com 96 páginas conta toda sua trajetória. O material é permeado por fotos dos icônicos shows e festivais em que a trupe participava em São Paulo e em cidades do interior paulista. Premê também estará no quadro Um Plano, do Selo Sesc, com o clipe da música Casa de Massagem. Um Plano é gravado em plano sequência, uma técnica de filmagem de vídeo sem cortes. 

Premê - O grupo surgiu a partir da vontade de alguns estudantes do departamento de música da ECA-USP (Escolas de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo) em quebrar o protocolo da erudição reinante no ambiente acadêmico. Mas foi em 1979, ano em que a Lei da Anistia foi assinada, que o grupo ganhou projeção.  Ainda sob as asas da ditadura e da censura, o então Premeditando o Breque conquistou o segundo lugar no Festival Universitário da TV Cultura com a música Brigando na Lua. O primeiro lugar foi para Arrigo Barnabé com Diversões Eletrônicas.
 Em 1981, o grupo anuncia seu primeiro álbum e no encarte já avisa que Premeditando o Breque se tornará Premê. O nome foi rapidamente aceito pelos fãs.  A postura do Premê e dos outros artistas da chamada Vanguarda era de ousadia, desembaraço e crítica ao mainstream da indústria cultural. Com um humor ora hermético, ora popular, o Premê fazia piada de tudo, tanto na composição quanto nas letras. Qualquer estilo podia fazer parte de seu repertório.
 Inicialmente, o núcleo do Premê foi formado por Igor Lintz Maués, Mário Manga, A. Marcelo Galbetti e Claus Petersen, e logo em seguida Wandi Doratiotto. Hoje os integrantes são Manga, Marcelo, Claus e Wandi. Os quatro se apresentarão nos shows acompanhados de Adriano Busko (bateria e percussão) e Danilo Moraes (violão, guitarra, baixo, voz), filho de Wandi, que toca com o grupo há mais de 20 anos.