Weintraub diz que MEC está aberto ao diálogo com reitores

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 15/05/2019 às 22:36:00

 

Marcelo Brandão 
Agência Brasil  
O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou ontem (15) no plenário da Câmara dos Deputados, que está disposto a conversar com todos os parlamentares e reitores das universidades. "O que a gente pede: venham ao MEC, mostrem os números. Se a gente não chegar a um acordo, a gente abre as planilhas, vê as contas. A gente vem ao Congresso. A transparência é o principal objetivo dessa gestão".
O ministro seria ouvido na manhã desta quarta-feira, na Comissão de Educação da Câmara. No entanto, por 307 votos a 82, parlamentares convocaram Weintraub a comparecer à comissão geral, que acontece neste momento no plenário da Casa para justificar o contingenciamento no orçamento das universidades e institutos federais.
Ele abriu as portas do ministério também para a oposição e pediu uma "abordagem racional". "A gente só pede uma abordagem racional, baseada em números. Pode ser parlamentar da oposição, já recebi vários. Vem com o reitor e a gente vai analisar. Os reitores que têm vindo têm saído muito satisfeitos do MEC", disse na sessão de hoje, que teve momentos de discussões entre parlamentares da base do governo e da oposição.
"Já recebemos 50 reitores para conversar. O dinheiro é do povo, tem que ser explicado sim. Se a universidade está com dificuldade, eu me disponho a vir aqui", disse. Ele reafirmou que o governo está apenas "apertando um pouco o cinto" para cumprir a lei do teto dos gastos públicos, aprovada pelo Congresso em 2016, durante o governo Michel Temer. "Não dá para cumprir a lei feita por esta casa se a gente não contingenciar".
Educação básica - Weintraub disse que alfabetização é prioridade da pasta e tem sido tratada pelo governo federal "como um instrumento de superação das desigualdades sociais do país".
"Se a gente não alfabetizar bem a população, a gente vai continuar, principalmente no ensino técnico e no ensino médio, tendo uma sociedade com grandes discrepâncias de renda. Temos que elevar a qualidade do ensino e da aprendizagem, promover a cidadania na alfabetização", disse.

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, afirmou ontem (15) no plenário da Câmara dos Deputados, que está disposto a conversar com todos os parlamentares e reitores das universidades. "O que a gente pede: venham ao MEC, mostrem os números. Se a gente não chegar a um acordo, a gente abre as planilhas, vê as contas. A gente vem ao Congresso. A transparência é o principal objetivo dessa gestão".
O ministro seria ouvido na manhã desta quarta-feira, na Comissão de Educação da Câmara. No entanto, por 307 votos a 82, parlamentares convocaram Weintraub a comparecer à comissão geral, que acontece neste momento no plenário da Casa para justificar o contingenciamento no orçamento das universidades e institutos federais.
Ele abriu as portas do ministério também para a oposição e pediu uma "abordagem racional". "A gente só pede uma abordagem racional, baseada em números. Pode ser parlamentar da oposição, já recebi vários. Vem com o reitor e a gente vai analisar. Os reitores que têm vindo têm saído muito satisfeitos do MEC", disse na sessão de hoje, que teve momentos de discussões entre parlamentares da base do governo e da oposição.
"Já recebemos 50 reitores para conversar. O dinheiro é do povo, tem que ser explicado sim. Se a universidade está com dificuldade, eu me disponho a vir aqui", disse. Ele reafirmou que o governo está apenas "apertando um pouco o cinto" para cumprir a lei do teto dos gastos públicos, aprovada pelo Congresso em 2016, durante o governo Michel Temer. "Não dá para cumprir a lei feita por esta casa se a gente não contingenciar".

Educação básica - Weintraub disse que alfabetização é prioridade da pasta e tem sido tratada pelo governo federal "como um instrumento de superação das desigualdades sociais do país".
"Se a gente não alfabetizar bem a população, a gente vai continuar, principalmente no ensino técnico e no ensino médio, tendo uma sociedade com grandes discrepâncias de renda. Temos que elevar a qualidade do ensino e da aprendizagem, promover a cidadania na alfabetização", disse.