Taxa de desemprego cresce em 14 estados no primeiro trimestre do ano

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 16/05/2019 às 23:02:00

 

Taxa de desocupação (%) das pessoas de 14 anos ou mais de idade, na semana, por unidades da federação - 1º trimestre
Amapá 20,2
Bahia 18,3
Acre 18,0
Maranhão 16,3
Pernambuco 16,1
Alagoas 16,0
Amazonas 15,9
Sergipe 15,5
Rio de Janeiro 15,3
Roraima 15,0
Distrito Federal 14,1
Rio Grande do Norte 13,8
São Paulo 13,5
Piauí 12,7
Tocantins 12,3
Espírito Santo 12,1
Pará 11,5
Ceará 11,4
Minas Gerais 11,2
Paraíba 11,1
Goiás 10,7
Mato Grosso do Sul 9,5
Mato Grosso 9,1
Paraná 8,9
Rondônia 8,9
Rio Grande do Sul 8,0
Santa Catarina 7,2
Percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como conta própria, por unidade da federação - 1º trimestre 2019 
  
Distrito Federal 19,6
São Paulo 21,4
Santa Catarina 21,6
Mato Grosso do Sul 22,1
Minas Gerais 24,3
Rio Grande do Sul 25,5
Paraná 25,7
Espírito Santo 26,1
Goiás 26,2
Alagoas 26,3
Mato Grosso 27,0
Pernambuco 27,1
Tocantins 27,6
Rio de Janeiro 27,8
Ceará 28,6
Rio Grande do Norte 28,6
Sergipe 29,3
Bahia 29,3
Roraima 29,4
Paraíba 30,2
Rondônia 31,3
Piauí 31,6
Acre 31,7
Maranhão 33,5
Amapá 33,8
Pará 35,1
Amazonas 35,

A taxa de desemprego cresceu em 14 das 27 unidades da Federação no primeiro trimestre deste ano, na comparação com o último trimestre do ano passado, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Contínua (PNAD-C), divulgada ontem (16) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nas outras 13 unidades, a taxa manteve-se estável.

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, no entanto, apenas quatro unidades da Federação tiveram aumento da taxa de desemprego.

Na passagem do último trimestre de 2018 para o primeiro trimestre deste ano, as maiores altas da taxa de desemprego foram observadas no Acre (de 13,1% para 18%), Goiás (de 8,2% para 10,7%) e Mato Grosso do Sul (de 7% para 9,5%).

Na comparação com o primeiro trimestre de 2018, os estados que registraram alta na taxa foram Roraima (de 10,3% para 15%), Acre (de 14,4% para 18%), Amazonas (de 13,9% para 14,9%) e Santa Catarina (de 6,5% para 7,2%).

Já os estados que tiveram queda na taxa, nesse tipo de comparação, foram Pernambuco (de 17,7% para 16,1%), Minas Gerais (de 12,6% para 11,2%) e Ceará (de 12,8% para 11,4%).

Subutilização - A taxa de subutilização (os que estão desempregados, que trabalham menos do que poderiam e que estavam disponíveis para trabalhar mas não conseguiram procurar emprego) do primeiro trimestre foi a maior dos últimos da série histórica (iniciada em 2012) em 13 das 27 unidades da Federação.

As maiores taxas foram observadas no Piauí (41,6%), Maranhão (41,1%), Acre (35%), na Paraíba (34,3%), no Ceará (31,9%) e Amazonas (29,2%). A taxa média de subutilização no país foi de 25%, também a maior da série histórica.

Os maiores contingentes de desalentados (aqueles que desistiram de procurar emprego) no primeiro trimestre deste ano foram registrados na Bahia (768 mil pessoas) e no Maranhão (561 mil). Os menores foram observados em Roraima (8 mil) e no Amapá (15 mil).

Os maiores percentuais de trabalhadores com carteira assinada estavam em Santa Catarina (88,1%), no Rio Grande do Sul (83,2%) e Rio de Janeiro (81,8%) e os menores, no Maranhão (50,3%), Piauí (52,5%) e Pará (53,0%).

As maiores proporções de trabalhadores sem carteira foram observadas no Maranhão (49,5%), Piauí (47,8%) e Pará (46,4%), e as menores, em Santa Catarina (13,2%), no Rio Grande do Sul (18,0%) e Rio de Janeiro (18,4%).

Em relação ao tempo de procura de emprego no Brasil, 45,4% dos desocupados estavam de um mês a menos de um ano em busca de trabalho; 24,8%, há dois anos ou mais, 15,7%, há menos de um mês e 14,1% de um ano a menos de dois anos.

Taxa de desocupação (%) das pessoas de 14 anos ou mais de idade, na semana, por unidades da federação - 1º trimestre
Amapá 20,2
Bahia 18,3
Acre 18,0
Maranhão 16,3
Pernambuco 16,1
Alagoas 16,0
Amazonas 15,9
Sergipe 15,5
Rio de Janeiro 15,3
Roraima 15,0
Distrito Federal 14,1
Rio Grande do Norte 13,8
São Paulo 13,5
Piauí 12,7
Tocantins 12,3
Espírito Santo 12,1
Pará 11,5
Ceará 11,4
Minas Gerais 11,2
Paraíba 11,1
Goiás 10,7
Mato Grosso do Sul 9,5
Mato Grosso 9,1
Paraná 8,9
Rondônia 8,9
Rio Grande do Sul 8,0
Santa Catarina 7,2

Percentual de pessoas de 14 anos ou mais de idade, ocupada na semana de referência como conta própria, por unidade da federação - 1º trimestre 2019   
Distrito Federal 19,6
São Paulo 21,4
Santa Catarina 21,6
Mato Grosso do Sul 22,1
Minas Gerais 24,3
Rio Grande do Sul 25,5
Paraná 25,7
Espírito Santo 26,1
Goiás 26,2
Alagoas 26,3
Mato Grosso 27,0
Pernambuco 27,1
Tocantins 27,6
Rio de Janeiro 27,8
Ceará 28,6
Rio Grande do Norte 28,6
Sergipe 29,3
Bahia 29,3
Roraima 29,4
Paraíba 30,2
Rondônia 31,3
Piauí 31,6
Acre 31,7
Maranhão 33,5
Amapá 33,8
Pará 35,1
Amazonas 35,