"Esta é a reação dos que não aceitam um governo que desmonta a educação pública", diz João Daniel

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 16/05/2019 às 23:20:00

 

Para o deputado federal João Daniel (PT), esta greve foi um dos grandes atos dos quais ele participou na capital federal. "Esta é a reação do povo brasileiro, da juventude, das universidades, dos institutos federais de Educação que não aceitam um governo que desmonta toda soberania nacional e a educação pública", afirmou João Daniel.
A greve geral da Educação foi convocada como forma de repúdio ao corte de 30% no orçamento das universidades e institutos federais anunciados pelo secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, embora depois o governo federal tenha negado, afirmando ser apenas um contingenciamento, que não chegaria a esse percentual. No entanto, não é o que afirmam reitores de universidades e institutos federais, que dizem que com esse corte só terão verbas para manter as instituições de ensino funcionando até o mês de setembro, em alguns casos.
Na avaliação do deputado, somente professores, estudantes e trabalhadores nas ruas é que se impedirão o desmonte e a destruição da educação e de um projeto brasileiro. "Bolsonaro está sabendo, hoje, o que é o povo organizado, o que é a reação da juventude e o que será o seu governo", declarou João Daniel.

Para o deputado federal João Daniel (PT), esta greve foi um dos grandes atos dos quais ele participou na capital federal. "Esta é a reação do povo brasileiro, da juventude, das universidades, dos institutos federais de Educação que não aceitam um governo que desmonta toda soberania nacional e a educação pública", afirmou João Daniel.
A greve geral da Educação foi convocada como forma de repúdio ao corte de 30% no orçamento das universidades e institutos federais anunciados pelo secretário de Educação Superior do Ministério da Educação, Arnaldo Barbosa de Lima Júnior, embora depois o governo federal tenha negado, afirmando ser apenas um contingenciamento, que não chegaria a esse percentual. No entanto, não é o que afirmam reitores de universidades e institutos federais, que dizem que com esse corte só terão verbas para manter as instituições de ensino funcionando até o mês de setembro, em alguns casos.
Na avaliação do deputado, somente professores, estudantes e trabalhadores nas ruas é que se impedirão o desmonte e a destruição da educação e de um projeto brasileiro. "Bolsonaro está sabendo, hoje, o que é o povo organizado, o que é a reação da juventude e o que será o seu governo", declarou João Daniel.