'Barco de Fogo' atraca em Brasília

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Poética festiva
Poética festiva

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 21/05/2019 às 08:22:00

 

Rian Santos
riansantos@jornaldodiase.com.br
Basta a Prefeitura de 
Estância divulgar a 
programação dos festejos juninos para eu sentir o cheiro de pólvora, cá em meu canto. Só quem já correu de um buscapé, em desespero, conhece a maravilha de luz e estrondo, o misto de terror e encanto que faz a fama do município.
Quem não conhece a sensação pode procurar o trabalho de Márcio Garcez, realizado a custa de muita sola de sapato. Pouca gente tem tanta disposição para correr os caminhos do folclore sergipano assim de perto, provando poeira e barro. O fotógrafo parece ter encontrado nas pessoas simples de um caminho ensolarado o sujeito de uma espécie de poética festiva, movida a calos e sopapos. 
Também por isso, pelo que contem de singular, a mostra 'Barco de Fogo' vem ganhando o mundo, um porto de cada vez, chegando cada vez mais longe. Prestes a atracar em Brasília, a individual abrigada pela Câmara dos Deputados é parte de uma história maior e mais antiga que, apesar de vacilante, esteve sempre repleta de verdade.
O próprio fotógrafo manifestou a preocupação com a sobrevivência de tais valores, em conversa com o titular da página, em outra oportunidade. "Nós temos uma grande riqueza cultural, porém, essa diversidade precisa ser melhor explorada de forma prática, a fim de trazer benefícios para a comunidade que promove os folguedos, municípios e estado. Entendo que seja preciso uma política cultural que vise a auto sustentabilidade dos que fazem essas manifestações, a médio prazo".
Barco de fogo - A exposição conta com trinta imagens que registram o processo de confecção e apresentação do Barco de Fogo, principal brincadeira popular do ciclo junino da cidade de Estância, no interior de Sergipe. O trabalho documental de Márcio Garcez, que registrou os bastidores desta manifestação cultural popular, revela os processos de feitura dos artefatos, dos espaços de produção e apresentação, bem como a matéria-prima, o trabalho e a técnica de seus produtores.
As imagens fazem parte do registro autoral do fotógrafo e artista sergipano, que ao longo de mais de mais ou menos 30 anos documenta com experiência, sensibilidade e técnica a cultura popular brasileira. 
Márcio Garcez expõe 'Barco de fogo':
De 05 a 27 de junho, no Palácio do Congresso Nacional, em Brasília.

Basta a Prefeitura de  Estância divulgar a  programação dos festejos juninos para eu sentir o cheiro de pólvora, cá em meu canto. Só quem já correu de um buscapé, em desespero, conhece a maravilha de luz e estrondo, o misto de terror e encanto que faz a fama do município.
Quem não conhece a sensação pode procurar o trabalho de Márcio Garcez, realizado a custa de muita sola de sapato. Pouca gente tem tanta disposição para correr os caminhos do folclore sergipano assim de perto, provando poeira e barro. O fotógrafo parece ter encontrado nas pessoas simples de um caminho ensolarado o sujeito de uma espécie de poética festiva, movida a calos e sopapos. 
Também por isso, pelo que contem de singular, a mostra 'Barco de Fogo' vem ganhando o mundo, um porto de cada vez, chegando cada vez mais longe. Prestes a atracar em Brasília, a individual abrigada pela Câmara dos Deputados é parte de uma história maior e mais antiga que, apesar de vacilante, esteve sempre repleta de verdade.
O próprio fotógrafo manifestou a preocupação com a sobrevivência de tais valores, em conversa com o titular da página, em outra oportunidade. "Nós temos uma grande riqueza cultural, porém, essa diversidade precisa ser melhor explorada de forma prática, a fim de trazer benefícios para a comunidade que promove os folguedos, municípios e estado. Entendo que seja preciso uma política cultural que vise a auto sustentabilidade dos que fazem essas manifestações, a médio prazo".

Barco de fogo - A exposição conta com trinta imagens que registram o processo de confecção e apresentação do Barco de Fogo, principal brincadeira popular do ciclo junino da cidade de Estância, no interior de Sergipe. O trabalho documental de Márcio Garcez, que registrou os bastidores desta manifestação cultural popular, revela os processos de feitura dos artefatos, dos espaços de produção e apresentação, bem como a matéria-prima, o trabalho e a técnica de seus produtores.
As imagens fazem parte do registro autoral do fotógrafo e artista sergipano, que ao longo de mais de mais ou menos 30 anos documenta com experiência, sensibilidade e técnica a cultura popular brasileira. 
Márcio Garcez expõe 'Barco de fogo':
De 05 a 27 de junho, no Palácio do Congresso Nacional, em Brasília.