É hoje 2º grande ato em defesa da educação

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Na manhã de ontem a bancada federal de Sergipe se reuniu com o ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura), visando discutir a retomada e conclusão das obras de duplicação da BR - 101 e a duplicação da BR - 235.  Na oportunidade, o deputado federal Fábio R
Na manhã de ontem a bancada federal de Sergipe se reuniu com o ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura), visando discutir a retomada e conclusão das obras de duplicação da BR - 101 e a duplicação da BR - 235. Na oportunidade, o deputado federal Fábio R

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 29/05/2019 às 22:23:00

 

A União Nacional dos Estudantes (UNE) e Cen
trais Sindicais promovem  hoje uma nova 
manifestação em defesa da educação pública, das universidades e dos institutos federais, em razão do corte de 30% no orçamento da educação anunciado pelo governo Bolsonaro.
A manifestação servirá também para mobilização de uma greve geral no próximo dia 14 de junho contra os cortes na educação, em defesa da previdência pública e contrária as privatizações. E terá ainda o apoio das entidades que compõem o Fórum Nacional Popular da Educação (FNPE). 
O ato será o segundo a ser realizado após o governo Bolsonaro ter anunciado cortes no orçamento das universidades públicas, institutos federais e até no ensino básico.  O primeiro foi no último dia 15 de maio, que provocou uma reação estúpida do presidente.
Bolsonaro, antidemocrático como é, chamou os manifestantes de "idiotas úteis", "imbecis" e "massa de manobra". E para se contrapor a grande manifestação do dia 15 de maio deve ter mandado o seu filho Eduardo Bolsonaro, o rei das redes sociais e fake news, convocar uma ato de apoio ao seu governo no último domingo, dia 26, por esses canais. 
Enquanto se discute quem atraiu mais manifestantes no país, se o ato pró-Bolsonaro ou o ato em defesa da educação pública e da previdência pública, os estudantes e centrais sindicais se mobilizam para o grande ato desta quinta-feira.
Em Sergipe, o ato está marcado para ocorrer a partir das 15h, na Praça General Valadão. Estão articulando a mobilização unificada a CUT (Central Única dos Trabalhadores), CSP - Conlutas (Central Sindical e Popular), UGT (União Geral dos Trabalhadores), CTB (Confederação dos Trabalhadores do Brasil), Frente Brasil Popular, Povo Sem Medo, Estudantes e Professores da UFS, IFS, Educação básica e o Sindiprev/SE.
Como aconteceu no ato do dia 15 de maio, está programado uma grande manifestação na General Valadão seguido de uma passeata pelo centro da cidade. Só não deve ocorrer manifestações na porta da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e do Instituto Federal de Sergipe (IFS).
É que o juiz federal Edmilson Pimenta deferiu tutela inibitória de urgência, requisitada pelo MPF (Ministério Público Federal), impondo à ADUFS (Associação dos Docentes da UFS) a obrigação de não fazer consistente em não bloquear, impedir ou perturbar o acesso à Rodovia Marechal Rondon e às dependências da universidade, quer seja na ocasião de atos grevistas ou manifestações de qualquer natureza patrocinadas pela instituição ré, sob pena de imposição de multa, que será graduada de acordo com a extensão da violação, além das devidas apurações decorrentes do descumprimento de decisão judicial.
Essa decisão judicial não deve inviabilizar o sucesso da manifestação no centro da capital sergipana...

A União Nacional dos Estudantes (UNE) e Cen trais Sindicais promovem  hoje uma nova  manifestação em defesa da educação pública, das universidades e dos institutos federais, em razão do corte de 30% no orçamento da educação anunciado pelo governo Bolsonaro.
A manifestação servirá também para mobilização de uma greve geral no próximo dia 14 de junho contra os cortes na educação, em defesa da previdência pública e contrária as privatizações. E terá ainda o apoio das entidades que compõem o Fórum Nacional Popular da Educação (FNPE). 
O ato será o segundo a ser realizado após o governo Bolsonaro ter anunciado cortes no orçamento das universidades públicas, institutos federais e até no ensino básico.  O primeiro foi no último dia 15 de maio, que provocou uma reação estúpida do presidente.
Bolsonaro, antidemocrático como é, chamou os manifestantes de "idiotas úteis", "imbecis" e "massa de manobra". E para se contrapor a grande manifestação do dia 15 de maio deve ter mandado o seu filho Eduardo Bolsonaro, o rei das redes sociais e fake news, convocar uma ato de apoio ao seu governo no último domingo, dia 26, por esses canais. 
Enquanto se discute quem atraiu mais manifestantes no país, se o ato pró-Bolsonaro ou o ato em defesa da educação pública e da previdência pública, os estudantes e centrais sindicais se mobilizam para o grande ato desta quinta-feira.
Em Sergipe, o ato está marcado para ocorrer a partir das 15h, na Praça General Valadão. Estão articulando a mobilização unificada a CUT (Central Única dos Trabalhadores), CSP - Conlutas (Central Sindical e Popular), UGT (União Geral dos Trabalhadores), CTB (Confederação dos Trabalhadores do Brasil), Frente Brasil Popular, Povo Sem Medo, Estudantes e Professores da UFS, IFS, Educação básica e o Sindiprev/SE.
Como aconteceu no ato do dia 15 de maio, está programado uma grande manifestação na General Valadão seguido de uma passeata pelo centro da cidade. Só não deve ocorrer manifestações na porta da Universidade Federal de Sergipe (UFS) e do Instituto Federal de Sergipe (IFS).
É que o juiz federal Edmilson Pimenta deferiu tutela inibitória de urgência, requisitada pelo MPF (Ministério Público Federal), impondo à ADUFS (Associação dos Docentes da UFS) a obrigação de não fazer consistente em não bloquear, impedir ou perturbar o acesso à Rodovia Marechal Rondon e às dependências da universidade, quer seja na ocasião de atos grevistas ou manifestações de qualquer natureza patrocinadas pela instituição ré, sob pena de imposição de multa, que será graduada de acordo com a extensão da violação, além das devidas apurações decorrentes do descumprimento de decisão judicial.
Essa decisão judicial não deve inviabilizar o sucesso da manifestação no centro da capital sergipana...

Defendendo a mobilização 1

Em discurso na Câmara, o deputado federal João Daniel (PT-SE) disse que este é o momento de serem realizadas grandes mobilizações, repetindo o êxito dos atos realizados no último dia 15. "O povo brasileiro já sabe que o governo Bolsonaro é um governo falido, fracassado, é uma mentira, um fake news, um ataque ao povo brasileiro. E não há outra saída que não seja a construção da greve geral, as grandes mobilizações".

Defendendo a mobilização 2

Ressaltou o parlamentar que o "recado contra os cortes que vão inviabilizar as universidades e institutos federais de Educação tem que vir das ruas, para ter condições de barrar esse retrocesso à educação e à ciência que o governo Bolsonaro quer causar".

Secretário no Rio 1

O Diário Oficial carioca publicou ontem a nomeação do ex-deputado federal André Moura (PSC) como secretário chefe da Representação do Rio de Janeiro em Brasília. Convidado pelo governador do seu partido, Wilson Witzel, André aceitou o novo desafio e agora vai representar o estado carioca diante dos poderes Executivo e Legislativo Federal. 

Secretário no Rio 2

Com o cargo de secretário, André Moura, que perdeu a eleição para o Senado em 2018, volta a ter foro privilegiado pela prerrogativa das funções. Pela sua experiência e influência política, que possibilitou ajudar Sergipe com liberação de recursos federais, o ex-deputado deve capitalizar bem recursos da União para o falido estado do Rio de Janeiro, que, inclusive, decretou estado de falência financeira. André agora viverá na ponte aérea Aracaju/Brasília/Rio de Janeiro.

Nova fusão 1

Por unanimidade, os ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) aprovaram na noite dessa terça-feira (28), o processo de incorporação do Partido Pátria Livre (PPL) ao Partido Comunista do Brasil (PCdoB), cujas negociações começaram após as eleições de outubro passado, quando ambos não conseguiram resultado suficiente nas urnas para superar a cláusula de barreiras que passou a valer após a minirreforma política de 2017. Com isso, o prefeito comunista Edvaldo Nogueira pode permanecer na legenda, que é filiado há mais de 30 anos.

Nova fusão 2

Edvaldo vinha conversando com o PDT do deputado federal Fábio Henrique sobre sua filiação ao partido, por ficar inviável disputar a reeleição em 2020 não tendo o PCdoB atingido a cláusula de barreiras.  Agora com a incorporação do PPL ao PCdoB, o partido pode ter acesso ao fundo partidário e a tempo de rádio e TV no horário eleitoral. 

Nova fusão 3

Pela regra que entrou em vigor, só terão acesso aos recursos do fundo partidário e à propaganda gratuita no rádio e na TV as legendas que obtiveram, nas eleições para a Câmara em 2018, no mínimo, 1,5% dos votos válidos distribuídos em pelo menos nove estados, com um mínimo de 1% em cada um deles; ou elegeram um mínimo de nove deputados federais distribuídos também em pelo menos nove estados. Em 2018, o PC do B elegeu nove deputados federais e o PPL um. 

Registro 

Em 2018, além do PCdoB e PPL mais 12 dos 35 partidos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não atingiram a cláusula de barreiras. São eles: Rede Sustentabilidade, Patriota, PHS, DC, PCB, PCO, PMB, PMN, PPL, PRP, PRTB, PSTU e PTC. O Rede Sustentabilidade, do senador Alessandro Vieira, já fez a fusão com o PPS. Virou Cidadania.

Moro perde o Coaf 1

Na terça-feira à noite o Senado aprovou a Medida Provisória 870/2019, que reorganiza a administração pública federal, aglutinando ministérios e modificando algumas de suas atribuições. Um dos pontos mais debatidos pelos senadores foi a permanência ou não do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sob os cuidados do Ministério da Justiça e d a Segurança Pública. Os quatro destaques apresentados foram relativos ao assunto.  O texto aprovado manteve o Coaf vinculado ao Ministério da Economia e não ao ministro Sergio Moro.

Moro perde o Coaf 2

Na semana passada, os deputados votaram pelo retorno do órgão ao âmbito da pasta da Economia. Caso o texto fosse novamente modificado, deveria voltar à análise dos deputados. Em carta enviada ao Senado e lida pelo presidente da Casa, Davi Alcolumbre, o presidente da República, Jair Bolsonaro pediu aos senadores a aprovação da MP 870 da forma com que saiu da Câmara.

Contra

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que era a favor do Coaf com Moro, lamentou a carta do presidente. "Quem não quer o Coaf no Ministério da Justiça é Jair Bolsonaro!", frisou.

Alfinetando a adversária 

Do ex-prefeito de Capela, Ezequiel Leite (PR), sobre a prefeita Silvany (PTN): "Capela é terra de um povo trabalhador, de gente que acorda cedo para desenvolver suas funções e lutar pelo pão de cada dia. O que essas pessoas esperam do poder público, no mínimo, é que o gestor de plantão se dedique à cidade e mantenha a prestação de serviços a contento para a sociedade. O estranho é que Capela parece uma cidade fantasma, sem prefeita, sem gestão. Aliás, ganha uma caixa de picolé quem souber o paradeiro de Silvany Sukita".

Satisfação

Do vereador Juvêncio Oliveira (DEM) sobre Projeto de Lei (PL) 146/2019, de autoria do Executivo Municipal, o qual formaliza convênio junto ao  Ipesaúde: "Foram tantos debates positivos, que só temos a parabenizar tanto a situação quanto a oposição da Casa. Serão cerca de 10 mil pessoas, além dos servidores da Câmara, que terão o benefício de um serviço de qualidade, gerando a equiparação entre os servidores municipais e estaduais; além de contemplar os cargos comissionados". 

Veja essa ...

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência, Marcelo Ramos (PR-AM), cobrou ontem nova postura do presidente Bolsonaro e descartou qualquer possibilidade de pressionar o deputado Samuel Moreira (PSDB-SP) a antecipar a apresentação de seu relatório. Para ele, Bolsonaro precisa unificar o país em vez de dividi-lo e deixar de ceder à pressão de sua base eleitoral "mais radicalizada".  "Se o caos interessa, não é para nós. Tem hora que ele sinaliza nesse sentido", afirmou.

Curtas

O deputado federal Laércio Oliveira (PP) se reuniu ontem com o ministro Paulo Guedes (Economia). Falou sobre a reforma da Previdência e pautas que tramitam na Câmara dos Deputados. 

Na oportunidade, Laércio convidou o ministro para o "Simpósio de Oportunidades - O Novo Cenário da Cadeia do Gás Natural em Sergipe", que será realizado nos dias 4 e 5 de julho em Aracaju. 

Na reunião ontem da bancada federal de Sergipe com o ministro Tarcísio Freitas (Infraestrutura) o deputado federal Fábio Henrique (PDT) o convidou a visitar a BR - 101, em especial o trecho entre Pedra Branca e Propriá, que se referiu como "trecho criminoso". 

Ainda na reunião com o ministro, o senador Rogério Carvalho (PT) apresentou proposta de integrar a BR - 235, na cidade de Itabaiana, até Tobias Barreto, e o trecho de Lagarto até a BR - 101, numa concessão à iniciativa privada. 

Após reunião da bancada federal, os deputados estaduais Luciano Bispo (MDB), Zezinho Guimarães (MDB) e Talysson de Valmir (PR) se reuniram com o deputado federal Fábio Mitidieri (PSD), em seu gabinete. Trataram de investimentos para Itabaiana.