INSS tem 17 mil processos de aposentadoria acumulados

Cidades

 

Milton Alves Júnior
Tem muita demanda ad-
ministrativa para a de-
crescente oferta funcional. Por motivos variados, em especial aposentadorias e férias, o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) em Sergipe registrou nos últimos meses o afastamento de ao menos cem profissionais. O resultado dessa queda operacional é, pelo menos, 17 mil processos que seguem se amontoando em mesas desocupadas, travando o fluxo e gerando impaciência aos contribuintes os quais não possuem perspectiva de conclusão das análises. De acordo com a própria direção do órgão federal em Sergipe, dezenas de servidores se aposentaram e até o momento não foram substituídos.
Uma análise técnica realizada pelo instituto - revelada pelo gerente executivo do INSS no Estado, Raimundo Brito -, mostra que o anúncio do estudo de reforma geral da previdência contribuiu para que centenas de pedidos de aposentadoria fossem protocolados já nos três primeiros meses do governo Jair Messias Bolsonaro. Os 17 mil processos em tramitação em Sergipe é um reflexo do cenário nacional. Somente no mês de janeiro deste ano foram registradas 234.595 demandas para concessão de aposentadoria. Um aumento real de 28,69% se comparado com o mesmo período do ano passado.
Para tentar suprir a demanda funcional, o gestor acredita que somente com a realização de concurso público será viagem minimizar o tempo de tramitação de cada processo. Se permanecer da forma que está, o jeito será esperar por tempo indeterminado. "Confesso que sinceramente não sei precisar exatamente há quanto tempo não é feito concurso. O que posso garantir é que realmente tem muito tempo. São necessários novos servidores para que a demanda possa ser suprida. Com a quantidade de profissionais hoje em atuação será difícil agilizar os processos e atender a população em curto período", informou. Não há previsão para novos concursos.
Conforme anunciado no mês passado pelo secretário-adjunto do Ministério da Fazenda, Esteves Colnago, o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias do Governo Federal para este segundo semestre de 2019, e todo o ano de 2020, não prevê a realização de contratação de novos funcionários por meio de concurso. Em abril o ministro Paulo Guedes afirmou que o governo estava cortando concursos e reduzindo drasticamente o número de funcionários. "Acabou o empreguismo, não tem mais isso", disse. Para aqueles que seguem na esperança de resposta positiva por aporte do INSS, essas ações Federais têm gerado lamentações.
Esse é o caso do funcionário público Amaral Correia. Desde o final do ano passado pleiteando a respectiva aposentadoria, o trabalhador diz ter perdido as esperanças. "Confesso que fui até estrategista. Essa reforma já vinha sendo desenhado por Michel Temer (ex-presidente), mas caiu por desgaste popular. Mesmo assim, sabendo que Bolsonaro tem ideologia semelhante nesse sentido, decidi pedir para me aposentar. Em janeiro se concretizou o que eu imaginava com o presidente falando em reforma. O problema é que até agora não recebi meu aval para largar oficialmente meu serviço e curtir meu tempo livre com a família", declarou.
O Instituto Nacional de Seguro Social não informou o fluxo de demandas atendidas a cada semana. Apenas garantiu que segue lento e dentro do possível para cada setor.

Milton Alves Júnior

Tem muita demanda ad- ministrativa para a de- crescente oferta funcional. Por motivos variados, em especial aposentadorias e férias, o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS) em Sergipe registrou nos últimos meses o afastamento de ao menos cem profissionais. O resultado dessa queda operacional é, pelo menos, 17 mil processos que seguem se amontoando em mesas desocupadas, travando o fluxo e gerando impaciência aos contribuintes os quais não possuem perspectiva de conclusão das análises. De acordo com a própria direção do órgão federal em Sergipe, dezenas de servidores se aposentaram e até o momento não foram substituídos.
Uma análise técnica realizada pelo instituto - revelada pelo gerente executivo do INSS no Estado, Raimundo Brito -, mostra que o anúncio do estudo de reforma geral da previdência contribuiu para que centenas de pedidos de aposentadoria fossem protocolados já nos três primeiros meses do governo Jair Messias Bolsonaro. Os 17 mil processos em tramitação em Sergipe é um reflexo do cenário nacional. Somente no mês de janeiro deste ano foram registradas 234.595 demandas para concessão de aposentadoria. Um aumento real de 28,69% se comparado com o mesmo período do ano passado.
Para tentar suprir a demanda funcional, o gestor acredita que somente com a realização de concurso público será viagem minimizar o tempo de tramitação de cada processo. Se permanecer da forma que está, o jeito será esperar por tempo indeterminado. "Confesso que sinceramente não sei precisar exatamente há quanto tempo não é feito concurso. O que posso garantir é que realmente tem muito tempo. São necessários novos servidores para que a demanda possa ser suprida. Com a quantidade de profissionais hoje em atuação será difícil agilizar os processos e atender a população em curto período", informou. Não há previsão para novos concursos.
Conforme anunciado no mês passado pelo secretário-adjunto do Ministério da Fazenda, Esteves Colnago, o projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias do Governo Federal para este segundo semestre de 2019, e todo o ano de 2020, não prevê a realização de contratação de novos funcionários por meio de concurso. Em abril o ministro Paulo Guedes afirmou que o governo estava cortando concursos e reduzindo drasticamente o número de funcionários. "Acabou o empreguismo, não tem mais isso", disse. Para aqueles que seguem na esperança de resposta positiva por aporte do INSS, essas ações Federais têm gerado lamentações.
Esse é o caso do funcionário público Amaral Correia. Desde o final do ano passado pleiteando a respectiva aposentadoria, o trabalhador diz ter perdido as esperanças. "Confesso que fui até estrategista. Essa reforma já vinha sendo desenhado por Michel Temer (ex-presidente), mas caiu por desgaste popular. Mesmo assim, sabendo que Bolsonaro tem ideologia semelhante nesse sentido, decidi pedir para me aposentar. Em janeiro se concretizou o que eu imaginava com o presidente falando em reforma. O problema é que até agora não recebi meu aval para largar oficialmente meu serviço e curtir meu tempo livre com a família", declarou.
O Instituto Nacional de Seguro Social não informou o fluxo de demandas atendidas a cada semana. Apenas garantiu que segue lento e dentro do possível para cada setor.

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS