Casos de dengue aumentam e há risco de epidemia em 21 municípios

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Agente de saúde fiscaliza lavanderia em bairro de Aracaju
Agente de saúde fiscaliza lavanderia em bairro de Aracaju

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 08/06/2019 às 14:51:00

 

Milton Alves Júnior
Os altos índices de in-
festação do mos-
quito Aedes Aegypti incluem o Estado de Sergipe no radar de surto da Dengue. Na última quinta-feira (6) uma reunião extraordinária envolvendo gestores da saúde foi realizada em Aracaju para se discutir ações emergenciais e combater o crescente número de mortes causados pela doença. Naquele momento eram quatro mortes confirmadas, sendo três crianças e um adulto. Na sexta-feira, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), oficializou o quinto óbito. Dados atualizados mostram que Sergipe possui 1.697 casos notificados, sendo 456 já confirmados. 21 municípios estão sob risco de epidemia.
Na perspectiva de mudar o cenário de periculosidade, durante a reunião geral realizada entre o Governo do Estado e secretários de Saúde e Educação dos 75 municípios no auditório do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), em Aracaju, ficou definido que campanhas devem ser realizadas em caráter emergencial a fim de conscientizar a população em se unir ao trabalho operacional da Saúde, e, juntos, combater o Aedes Aegypti. Com base em dados levantados pelo Ministério da Saúde, a SES confirmou que os casos de Dengue aumentaram 330% no Estado de Sergipe, se comparado com o mesmo período do ano passado.
De acordo com a Coordenadora de Vigilância Sanitária da SES, Mércia Feitosa, diante dos riscos, uma brigada itinerante que conta com a participação de agentes comunitários de saúde e agentes de endemias, está em intervenção intensificada em todos os municípios sergipanos, em especial, nas cidades com baixo número de moradores, mas que apresentam elevado índice de proliferação dos mosquitos. Entre esses municípios está a cidade de Nossa Senhora de Lourdes que apresenta grande número de notificações, bem como de casos já confirmados. Não há registro de óbito causado pela doença neste município.
 "A nossa ação tem como objetivo primordial não deixar o mosquito nascer. Devemos eliminá-lo, ir de casa em casa e orientando a população a continuar essa ação. Para mudar essa situação, tanto as secretarias de Educação quanto as de Saúde serão protagonistas na ação. É no domicílio que os agentes vão executar a ação de eliminação dos criadouros; e na educação é a própria população. Além dos adultos, criança e adolescente também estão recebendo orientações e serão multiplicadores desse combate dentro da sua cidade", declarou. Essas ações educativas devem ser realizadas em unidades escolares já a partir desta segunda-feira, 10.
No país, segundo boletim do Ministério da Saúde, 994 municípios apresentam alto índice de infestação, com risco de surto para dengue, zika e chikungunya. Sergipe, apesar do número crescente de casos, está fora do ranking nacional de estados em alto risco de surto da doença. Oito unidades federativas tem incidência superior de 300 casos por 100 mil habitantes, número apontado pelo MS como 'preocupante'. Tocantins tem o maior número de incidência de casos de dengue. Seguido de Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Acre, Espírito Santo, São Paulo, Distrito Federal. O Paraná tem incidência acima de 100 casos por 100 mil habitantes.
 
"É preciso alertar a todos que não estamos vivenciando um surto, apesar dos altos índices de casos, inclusive confirmados. A situação é preocupante, mas não atingimos esse patamar mais agravante. Para que isso de fato não ocorra - o que é positivo para todos -, estamos intensificando nossas ações e pedimos o apoio dos sergipanos. Juntos vamos diminuir os casos, em especial os que geram em óbito", concluiu Mércia Feitosa. Os cinco registros de morte em virtude da dengue foram notificaras nos meses de janeiro, maio e junho. Um novo balanço geral sobre a doença em Sergipe deve ser apresentado na primeira semana de julho.

Milton Alves Júnior

Os altos índices de in- festação do mos- quito Aedes Aegypti incluem o Estado de Sergipe no radar de surto da Dengue. Na última quinta-feira (6) uma reunião extraordinária envolvendo gestores da saúde foi realizada em Aracaju para se discutir ações emergenciais e combater o crescente número de mortes causados pela doença. Naquele momento eram quatro mortes confirmadas, sendo três crianças e um adulto. Na sexta-feira, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), oficializou o quinto óbito. Dados atualizados mostram que Sergipe possui 1.697 casos notificados, sendo 456 já confirmados. 21 municípios estão sob risco de epidemia.
Na perspectiva de mudar o cenário de periculosidade, durante a reunião geral realizada entre o Governo do Estado e secretários de Saúde e Educação dos 75 municípios no auditório do Hospital de Urgências de Sergipe (Huse), em Aracaju, ficou definido que campanhas devem ser realizadas em caráter emergencial a fim de conscientizar a população em se unir ao trabalho operacional da Saúde, e, juntos, combater o Aedes Aegypti. Com base em dados levantados pelo Ministério da Saúde, a SES confirmou que os casos de Dengue aumentaram 330% no Estado de Sergipe, se comparado com o mesmo período do ano passado.
De acordo com a Coordenadora de Vigilância Sanitária da SES, Mércia Feitosa, diante dos riscos, uma brigada itinerante que conta com a participação de agentes comunitários de saúde e agentes de endemias, está em intervenção intensificada em todos os municípios sergipanos, em especial, nas cidades com baixo número de moradores, mas que apresentam elevado índice de proliferação dos mosquitos. Entre esses municípios está a cidade de Nossa Senhora de Lourdes que apresenta grande número de notificações, bem como de casos já confirmados. Não há registro de óbito causado pela doença neste município.
 "A nossa ação tem como objetivo primordial não deixar o mosquito nascer. Devemos eliminá-lo, ir de casa em casa e orientando a população a continuar essa ação. Para mudar essa situação, tanto as secretarias de Educação quanto as de Saúde serão protagonistas na ação. É no domicílio que os agentes vão executar a ação de eliminação dos criadouros; e na educação é a própria população. Além dos adultos, criança e adolescente também estão recebendo orientações e serão multiplicadores desse combate dentro da sua cidade", declarou. Essas ações educativas devem ser realizadas em unidades escolares já a partir desta segunda-feira, 10.
No país, segundo boletim do Ministério da Saúde, 994 municípios apresentam alto índice de infestação, com risco de surto para dengue, zika e chikungunya. Sergipe, apesar do número crescente de casos, está fora do ranking nacional de estados em alto risco de surto da doença. Oito unidades federativas tem incidência superior de 300 casos por 100 mil habitantes, número apontado pelo MS como 'preocupante'. Tocantins tem o maior número de incidência de casos de dengue. Seguido de Mato Grosso do Sul, Goiás, Minas Gerais, Acre, Espírito Santo, São Paulo, Distrito Federal. O Paraná tem incidência acima de 100 casos por 100 mil habitantes. "É preciso alertar a todos que não estamos vivenciando um surto, apesar dos altos índices de casos, inclusive confirmados. A situação é preocupante, mas não atingimos esse patamar mais agravante. Para que isso de fato não ocorra - o que é positivo para todos -, estamos intensificando nossas ações e pedimos o apoio dos sergipanos. Juntos vamos diminuir os casos, em especial os que geram em óbito", concluiu Mércia Feitosa. Os cinco registros de morte em virtude da dengue foram notificaras nos meses de janeiro, maio e junho. Um novo balanço geral sobre a doença em Sergipe deve ser apresentado na primeira semana de julho.