Governo de Sergipe e Correios lançam selo comemorativo do Cinquentenário do Batistão

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Cercado de autoridades, o Rei Pelé deu início à partida inaugural do Batistão no dia 9 de julho de 1969
Cercado de autoridades, o Rei Pelé deu início à partida inaugural do Batistão no dia 9 de julho de 1969

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/06/2019 às 22:48:00

 

Há cinquenta anos, no dia 9 de julho de 1969, Sergipe ganhava a sua principal praça de esportes. Era inaugurado o Estádio Lourival Baptista, o Batistão. Foi um dia de grandes festividades, culminando com a realização do jogo entre as seleções Brasileira - que no ano seguinte conquistava o tricampeonato no México -  e seleção Sergipana.
Para comemorar essa data importante para o esporte, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Educação/ Superintendência Especial Esporte (Seduc/ SEE) e os Correios lançarão nesta terça-feira, 18 de junho, às 19h, no Palácio-Museu Olímpio Campos, em Aracaju, o selo oficial em alusão à data. Uma vasta programação iniciará nesta terça-feira, 18, e se desenrolará por todo o segundo semestre de 2019, até o dia 8 de julho de 2020, tendo como ponto alto de concentração das comemorações, o dia 9 de julho.
História - Na partida festiva entre as seleções Brasileira e Sergipana, que inaugurou o estádio no dia 9 de julho de 1969, jogaram pela Seleção Brasileira Félix, Carlos Alberto Torres, Zé Maria, Djalma Dias, Brito, Joel Camargo e Rildo, Clodoaldo e Gérson, Jairzinho Paulo Borges, Toninho Guerreiro, Pelé, Edu, Paulo César Caju, e o técnico era João Saldanha. Na seleção Sergipana, atuaram atletas de destaque na época como Gilton, Marcelo, Augusto, Zé Américo, Mário Portela, Vidal, Beto, Zé Paulo, Gecélio, Zé Arlindo, Evangelista, Tatica, Bené, Caroço, Paulo Lumumba, Beto, Piranha, Vevé Edmílson, Joel e Fernando. O técnico era Edmur Cruz.
Estádio lotado com um público de 45.058 torcedores com renda de NC$ 214.315,00, o Brasil venceu por 8x2. Toninho Guerreiro foi o primeiro jogador a marcar um gol no Batistão. Depois fez mais dois gols, Clodoaldo (primeiro sergipano a marcar um gol no novo estádio), Gérson, Paulo Borges, Paulo César Caju e Beto (contra), marcaram para o selecionado nacional. Vevé e Fernando para a Seleção Sergipana.
Dentre esses atletas sergipanos, oito ainda estão vivos e serão homenageados pelo Governo do Estado, no dia 9 de julho. São eles: Marcelo, Augusto, Zé Américo, Gecélio, Zé Arlindo, Edmílson, Joel e Fernando.
Selo - O selo comemorativo a ser lançado nesta terça-feira tem valor facial correspondente ao primeiro porte de uma carta comercial. A partir desse lançamento, os selos poderão ser utilizados para selar correspondências de até 20 gramas, endereçadas a pessoas físicas e jurídicas, podendo também compor o porte de correspondências internacionais. Circularão em todo o território nacional por tempo indeterminado, passando a compor o acervo dos selos brasileiros.
O evento está marcado para as 19h destra terça-feira (18), no Palácio Museu Olímpio Campos e contará com as presenças de diversas autoridades. Os selos personalizados alusivos ao cinquentenário da Arena Batistão foram impressos em Brasília, com papel da Casa da Moeda do Brasil. Foram confeccionadas 50 folhas, com 12 selos cada, totalizando 600 selos personalizados.
A arte, de autoria de Leonardo Alcântara, destaca os arcos amarelos que rodeiam o estádio, uma das características mais marcantes da identidade visual da Arena. Os numerais 5 e 0 se unem à marca de maneira harmoniosa, transmitindo a ideia de luminosidade, otimismo e energia. Por fim, a composição é assinada com o slogan "Passado, Presente e Futuro", com o objetivo de registrar a atemporalidade do estádio, que faz parte da história dos sergipanos. A técnica utilizada foi computação gráfica.

Há cinquenta anos, no dia 9 de julho de 1969, Sergipe ganhava a sua principal praça de esportes. Era inaugurado o Estádio Lourival Baptista, o Batistão. Foi um dia de grandes festividades, culminando com a realização do jogo entre as seleções Brasileira - que no ano seguinte conquistava o tricampeonato no México -  e seleção Sergipana.
Para comemorar essa data importante para o esporte, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado da Educação/ Superintendência Especial Esporte (Seduc/ SEE) e os Correios lançarão nesta terça-feira, 18 de junho, às 19h, no Palácio-Museu Olímpio Campos, em Aracaju, o selo oficial em alusão à data. Uma vasta programação iniciará nesta terça-feira, 18, e se desenrolará por todo o segundo semestre de 2019, até o dia 8 de julho de 2020, tendo como ponto alto de concentração das comemorações, o dia 9 de julho.

História - Na partida festiva entre as seleções Brasileira e Sergipana, que inaugurou o estádio no dia 9 de julho de 1969, jogaram pela Seleção Brasileira Félix, Carlos Alberto Torres, Zé Maria, Djalma Dias, Brito, Joel Camargo e Rildo, Clodoaldo e Gérson, Jairzinho Paulo Borges, Toninho Guerreiro, Pelé, Edu, Paulo César Caju, e o técnico era João Saldanha. Na seleção Sergipana, atuaram atletas de destaque na época como Gilton, Marcelo, Augusto, Zé Américo, Mário Portela, Vidal, Beto, Zé Paulo, Gecélio, Zé Arlindo, Evangelista, Tatica, Bené, Caroço, Paulo Lumumba, Beto, Piranha, Vevé Edmílson, Joel e Fernando. O técnico era Edmur Cruz.
Estádio lotado com um público de 45.058 torcedores com renda de NC$ 214.315,00, o Brasil venceu por 8x2. Toninho Guerreiro foi o primeiro jogador a marcar um gol no Batistão. Depois fez mais dois gols, Clodoaldo (primeiro sergipano a marcar um gol no novo estádio), Gérson, Paulo Borges, Paulo César Caju e Beto (contra), marcaram para o selecionado nacional. Vevé e Fernando para a Seleção Sergipana.
Dentre esses atletas sergipanos, oito ainda estão vivos e serão homenageados pelo Governo do Estado, no dia 9 de julho. São eles: Marcelo, Augusto, Zé Américo, Gecélio, Zé Arlindo, Edmílson, Joel e Fernando.

Selo - O selo comemorativo a ser lançado nesta terça-feira tem valor facial correspondente ao primeiro porte de uma carta comercial. A partir desse lançamento, os selos poderão ser utilizados para selar correspondências de até 20 gramas, endereçadas a pessoas físicas e jurídicas, podendo também compor o porte de correspondências internacionais. Circularão em todo o território nacional por tempo indeterminado, passando a compor o acervo dos selos brasileiros.
O evento está marcado para as 19h destra terça-feira (18), no Palácio Museu Olímpio Campos e contará com as presenças de diversas autoridades. Os selos personalizados alusivos ao cinquentenário da Arena Batistão foram impressos em Brasília, com papel da Casa da Moeda do Brasil. Foram confeccionadas 50 folhas, com 12 selos cada, totalizando 600 selos personalizados.
A arte, de autoria de Leonardo Alcântara, destaca os arcos amarelos que rodeiam o estádio, uma das características mais marcantes da identidade visual da Arena. Os numerais 5 e 0 se unem à marca de maneira harmoniosa, transmitindo a ideia de luminosidade, otimismo e energia. Por fim, a composição é assinada com o slogan "Passado, Presente e Futuro", com o objetivo de registrar a atemporalidade do estádio, que faz parte da história dos sergipanos. A técnica utilizada foi computação gráfica.