Produtos para festejos juninos são muito procurados

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto
Não vai faltar milho este ano
Não vai faltar milho este ano

Clique nas imagens para ampliar

Publicada em 17/06/2019 às 23:08:00

 

Na contagem regressiva para a noite de São João, comerciantes de fogueiras e milho de Aracaju registram aumento significativo nas vendas, e esperam que o fluxo de consumidores ainda triplique até a tarde do próximo domingo, 23. Ao JORNAL DO DIA, o vendedor de fogueiras Luiz Miguel Santos, indica que diariamente tem vendido em torno de oito produtos dos mais variados modelos e tamanhos. Até a sexta-feira, 21, é previsto que esse índice alcance a casa dos 20. Já nos dias 23 (véspera de São João), e 28 (véspera de São Pedro), a tendência é que mais de 25 fogueiras seja, vendidas.
Natural da cidade de Estância, desde o dia 18 de maio está comercializando o produto no Conjunto Augusto Franco, zona Sul da capital sergipana. Há exato um mês o vendedor conversou com o JD e apresentava a esperança em conquistar neste período junino uma renda extra para a família. "Prefiro não falar muito para não me decepcionar depois, mas as vendas estão fluindo. Até agora as vendas ainda não passam de dez fogueiras por dia, mas no próximo sábado e domingo não teremos sossego. As vendas estão parecidas com o ano passado, mas vai superar porque as pessoas deixam para comprar no dia de cada comemoração", declarou.
Com valores semelhantes ao ofertado no ano passado, a expectativa é que apenas na região do Conjunto Augusto Franco, zona Sul de Aracaju, ao menos cerca de 2.500 unidades sejam repassadas aos consumidores que desejam manter a tradição. Nesse início de atividades comerciais os preços variam entre R$ 15 e R$ 80. Esses valores podem ser alterados a partir da próxima quinta-feira, 20. Além do Conjunto Augusto Franco, em Aracaju os principais polos que comercializam temporariamente esses produtos estão localizados nos entornos do Cemitério da Cruz Vermelha, no bairro Getúlio Vargas, na vila do fogos, bairro Coroa do Meio, e na Avenida São Paulo, zona Norte.
Sobre os atrativos disponíveis esse ano por parte dos vendedores, Luiz Miguel informou que, diante dos sucessivos pedidos apresentados em anos anteriores, esse ano um número maior de vendedores de fogueiras estão oferecendo máquinas de cartão de crédito como opção para pagamento. Essa condição contribui, inclusive, para que os consumidores acabem optando por fogueiras maiores. "Eu também estou com a 'maquininha'. Muitas pessoas dizem querer fogueiras de 20 ou 30 reais, mas quando sabem que temos a máquina de cartão acabam comprando fogueiras de 40, 50 e até 80 reais. Não são casos raros, essa situação acontece com frequência e isso ajuda bastante no lucro final", concluiu.
Milho - Na mesma sequência positiva de vendas, comerciantes de milho se mostram satisfeitos com o resultado obtido até o momento. Com situação diferente dos vendedores de fogueiras, quem vende o alimento acredita que o auge das vendas está por encerrar. De acordo com a vendedora Edileuza Nascimento, o fluxo maior na saída do milho ocorre até o dia 20 desse mês. "As pessoas consomem mais alimentos típicos nas vésperas, em confraternizações de escolas, locais de trabalho ou em casa, do que no próprio dia. Veja, não estou dizendo que não comem milho ou produtos feito com ele em São João e São Pedro, a questão é que a venda é maior entre os dias 15 de maio e 20 de junho", disse.
No domingo e segunda-feira, 23 e 24 respectivamente, o comércio no mercado Albano Franco e na Central de Abastecimento de Aracaju funcionam das 6h às 17h. Mesmo horário de funcionamento a ser realizado na véspera e dia de São Pedro, 28 e 29. Em outros polos comerciais, a exemplo do Augusto Franco, Avenida Maranhão e bairro Coroa do Meio o atendimento ao público está estendido até às 22h. "A gente tem as dez da noite como limite, mas se a gente perceber que o comércio está fervilhando, a gente continua atendendo aos clientes", concluiu Edileuza.

Na contagem regressiva para a noite de São João, comerciantes de fogueiras e milho de Aracaju registram aumento significativo nas vendas, e esperam que o fluxo de consumidores ainda triplique até a tarde do próximo domingo, 23. Ao JORNAL DO DIA, o vendedor de fogueiras Luiz Miguel Santos, indica que diariamente tem vendido em torno de oito produtos dos mais variados modelos e tamanhos. Até a sexta-feira, 21, é previsto que esse índice alcance a casa dos 20. Já nos dias 23 (véspera de São João), e 28 (véspera de São Pedro), a tendência é que mais de 25 fogueiras seja, vendidas.
Natural da cidade de Estância, desde o dia 18 de maio está comercializando o produto no Conjunto Augusto Franco, zona Sul da capital sergipana. Há exato um mês o vendedor conversou com o JD e apresentava a esperança em conquistar neste período junino uma renda extra para a família. "Prefiro não falar muito para não me decepcionar depois, mas as vendas estão fluindo. Até agora as vendas ainda não passam de dez fogueiras por dia, mas no próximo sábado e domingo não teremos sossego. As vendas estão parecidas com o ano passado, mas vai superar porque as pessoas deixam para comprar no dia de cada comemoração", declarou.
Com valores semelhantes ao ofertado no ano passado, a expectativa é que apenas na região do Conjunto Augusto Franco, zona Sul de Aracaju, ao menos cerca de 2.500 unidades sejam repassadas aos consumidores que desejam manter a tradição. Nesse início de atividades comerciais os preços variam entre R$ 15 e R$ 80. Esses valores podem ser alterados a partir da próxima quinta-feira, 20. Além do Conjunto Augusto Franco, em Aracaju os principais polos que comercializam temporariamente esses produtos estão localizados nos entornos do Cemitério da Cruz Vermelha, no bairro Getúlio Vargas, na vila do fogos, bairro Coroa do Meio, e na Avenida São Paulo, zona Norte.
Sobre os atrativos disponíveis esse ano por parte dos vendedores, Luiz Miguel informou que, diante dos sucessivos pedidos apresentados em anos anteriores, esse ano um número maior de vendedores de fogueiras estão oferecendo máquinas de cartão de crédito como opção para pagamento. Essa condição contribui, inclusive, para que os consumidores acabem optando por fogueiras maiores. "Eu também estou com a 'maquininha'. Muitas pessoas dizem querer fogueiras de 20 ou 30 reais, mas quando sabem que temos a máquina de cartão acabam comprando fogueiras de 40, 50 e até 80 reais. Não são casos raros, essa situação acontece com frequência e isso ajuda bastante no lucro final", concluiu.

Milho - Na mesma sequência positiva de vendas, comerciantes de milho se mostram satisfeitos com o resultado obtido até o momento. Com situação diferente dos vendedores de fogueiras, quem vende o alimento acredita que o auge das vendas está por encerrar. De acordo com a vendedora Edileuza Nascimento, o fluxo maior na saída do milho ocorre até o dia 20 desse mês. "As pessoas consomem mais alimentos típicos nas vésperas, em confraternizações de escolas, locais de trabalho ou em casa, do que no próprio dia. Veja, não estou dizendo que não comem milho ou produtos feito com ele em São João e São Pedro, a questão é que a venda é maior entre os dias 15 de maio e 20 de junho", disse.
No domingo e segunda-feira, 23 e 24 respectivamente, o comércio no mercado Albano Franco e na Central de Abastecimento de Aracaju funcionam das 6h às 17h. Mesmo horário de funcionamento a ser realizado na véspera e dia de São Pedro, 28 e 29. Em outros polos comerciais, a exemplo do Augusto Franco, Avenida Maranhão e bairro Coroa do Meio o atendimento ao público está estendido até às 22h. "A gente tem as dez da noite como limite, mas se a gente perceber que o comércio está fervilhando, a gente continua atendendo aos clientes", concluiu Edileuza.