Feira das Trocas vai funcionar em novo local

Compartilhar:
Imprimir Aumentar Texto Diminuir Texto

Publicada em 20/06/2012 às 15:35:00

Milton Alves Júnior

Após serem obrigados a deixar no início deste mês o espaço onde atuavam há mais de dez anos, comerciantes da Feira das Trocas dialogaram com o Governo do Estado e promotores do Ministério Público Estadual e receberam alvará temporário para retornarem às atividades. O novo espaço para o comércio fica localizado na Avenida Marechal Rondon, próximo ao Terminal Rodoviário, no bairro Jabotiana. Cerca de 200 vendedores voltam a comercializar seus produtos.
O presidente da Associação dos Vendedores Ambulantes da Feira das Trocas, Gilson Santos, garantiu que os associados continuam unidos e pleiteando por um espaço tão grandioso quanto ao antigo.  "Foram dias de muita agonia. Já estávamos desesperados porque nosso pão de cada dia depende justamente desse tipo de comércio. Nenhuma irregularidade, como venda de armas e munições, foi encontrada, e isso mostra a nossa seriedade e vontade de trabalhar dentro da lei", alegou. A desocupação, que teve início no último dia oito, foi marcada por discussões e atos que demonstravam indignação por parte dos vendedores.

Local definitivo - Inicialmente, a exigência para a desocupação do local foi por parte do MPE, após a Promotoria de Defesa do Consumidor ter recebido diversas reclamações quanto à prática de delitos no local. Responsável pelo caso, o promotor de Justiça Daniel Carneiro Duarte recomendou que o Estado realizasse a demolição das construções irregulares da Feira das Trocas e isso foi procedido. "Atendemos todas as exigências dos órgãos, agora esperamos que um local definitivo nos seja apresentado. Não queremos bater de frente com ninguém, apenas estamos lutando pela sobrevivência através desse comércio", completou o presidente.
No próximo sábado, 23, técnicos do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas de Sergipe (Sebrae) visitarão o local provisório, com o objetivo de regularizar os comerciantes que ainda continuam fazendo parte da Associação. A tendência é que os vendedores ambulantes sejam registrados como micros empreendedores para, assim, ter direito à aposentadoria e regularizar seu ponto de venda.