Gabriel Diniz: parte de fuselagem foi vendida como sucata

Geral

 

Gabriel Damásio
A Polícia Federal con-
firmou ontem a re-
tirada e destinação final dos destroços do avião monomotor de prefixo PT-KLO, que caiu em 27 de maio no povoado Porto do Mato, em Estância (Sul), matando os dois pilotos e o cantor Gabriel Diniz. Segundo o órgão, parte da fuselagem da aeronave foi descartada e vendida como sucata para um depósito de ferro-velho e materiais recicláveis. A decisão foi tomada em acordo com o Aeroclube de Alagoas, proprietário do monomotor, após os destroços serem liberados oficialmente pela Força Aérea Brasileira (FAB), com a conclusão das perícias técnicas que investigam as causas do acidente. 
Antes da liberação, os destroços estavam em um hangar do Aeroclube de Aracaju e sob guarda da PF e da FAB, até a conclusão das análises e perícias da investigação conduzida pelo Centro Nacional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). De acordo com a PF, o Aeroclube alagoano manifestou interesse em ficar apenas com o motor e o trem de pouso da estrutura, descartando o resto. Estas partes já foram levadas para a sede da entidade, em Maceió (AL). O material, conforme a PF, consiste basicamente em peças e partes de ferro e alumínio, que não têm condições de serem reaproveitados. 
Os próprios representantes do Aeroclube providenciaram a venda do material ao ferro-velho, que fica em Aracaju. Os detalhes da transação não foram divulgados, mas segundo o delegado responsável pelo caso, Márcio Alberto Gomes Silva, este procedimento é considerado normal em casos do tipo. Outras peças consideradas relevantes para a investigação e para o funcionamento do avião já foram separadas e enviadas para um laboratório do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos (SP), também ligado à FAB, que é referência do setor no país e ficará responsável por outras análises complementares. 
O avião caiu enquanto fazia um voo entre Salvador (BA) e Maceió, onde o cantor era aguardado pela família da namorada, após fazer um show em Feira de Santana (BA). A investigação do Cenipa continua em andamento por tempo indeterminado e busca apenas apontar fatores que podem ser corrigidos e aperfeiçoados para prevenir a ocorrência de outros acidentes aéreos. A PF também abriu inquérito para apurar indícios de crime contra a segurança do transporte aéreo, pois pode ter havido o descumprimento de uma norma da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que proíbe o uso de aeronaves de instrução para fazer transporte remunerado de passageiros. O inquérito também segue em andamento e sob sigilo. 

Gabriel Damásio

A Polícia Federal con- firmou ontem a re- tirada e destinação final dos destroços do avião monomotor de prefixo PT-KLO, que caiu em 27 de maio no povoado Porto do Mato, em Estância (Sul), matando os dois pilotos e o cantor Gabriel Diniz. Segundo o órgão, parte da fuselagem da aeronave foi descartada e vendida como sucata para um depósito de ferro-velho e materiais recicláveis. A decisão foi tomada em acordo com o Aeroclube de Alagoas, proprietário do monomotor, após os destroços serem liberados oficialmente pela Força Aérea Brasileira (FAB), com a conclusão das perícias técnicas que investigam as causas do acidente. 
Antes da liberação, os destroços estavam em um hangar do Aeroclube de Aracaju e sob guarda da PF e da FAB, até a conclusão das análises e perícias da investigação conduzida pelo Centro Nacional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). De acordo com a PF, o Aeroclube alagoano manifestou interesse em ficar apenas com o motor e o trem de pouso da estrutura, descartando o resto. Estas partes já foram levadas para a sede da entidade, em Maceió (AL). O material, conforme a PF, consiste basicamente em peças e partes de ferro e alumínio, que não têm condições de serem reaproveitados. 
Os próprios representantes do Aeroclube providenciaram a venda do material ao ferro-velho, que fica em Aracaju. Os detalhes da transação não foram divulgados, mas segundo o delegado responsável pelo caso, Márcio Alberto Gomes Silva, este procedimento é considerado normal em casos do tipo. Outras peças consideradas relevantes para a investigação e para o funcionamento do avião já foram separadas e enviadas para um laboratório do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), em São José dos Campos (SP), também ligado à FAB, que é referência do setor no país e ficará responsável por outras análises complementares. 
O avião caiu enquanto fazia um voo entre Salvador (BA) e Maceió, onde o cantor era aguardado pela família da namorada, após fazer um show em Feira de Santana (BA). A investigação do Cenipa continua em andamento por tempo indeterminado e busca apenas apontar fatores que podem ser corrigidos e aperfeiçoados para prevenir a ocorrência de outros acidentes aéreos. A PF também abriu inquérito para apurar indícios de crime contra a segurança do transporte aéreo, pois pode ter havido o descumprimento de uma norma da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) que proíbe o uso de aeronaves de instrução para fazer transporte remunerado de passageiros. O inquérito também segue em andamento e sob sigilo. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS