SSP conclui inquérito do Caso Clautenes

Geral


  • Clautenes José dos Santos foi morto a tiros durante uma abordagem policial em Aracaju

 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou ontem à tarde a conclusão do inquérito policial que apurou a morte do designer de interiores Clautenes José dos Santos, morto a tiros no dia 8 de abril, após uma abordagem de policiais civis na ponte entre os bairros Bugio e Santos Dumont (zona norte de Aracaju). 
Segundo o órgão, o delegado Júlio Flávio Prado, da Corregedoria de Polícia Civil, encaminhou as peças do inquérito para a 5ª Vara Criminal de Aracaju, onde o processo irá tramitar em segredo de Justiça e passará primeiro por uma análise do representante do Ministério Público. Não foram divulgados detalhes sobre o conteúdo do relatório, mas a previsão é de a SSP convoque uma coletiva de imprensa para hoje ou amanhã, a fim de esclarecer detalhes do caso. 
A morte de Clautenes teve grande repercussão em todo o estado, pois a família dele denuncia que houve erro na abordagem dos policiais - o que chegou a ser admitido pela própria SSP. O designer estava com um amigo em um carro do aplicativo Uber que acabou parado por três agentes da Divisão de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV), que investigavam o roubo de um carro ocorrido no Bugio. Durante a abordagem, os policiais atiraram contra o veículo e acabaram acertando dois disparos na cabeça de Clautenes, que morreu a caminho do hospital. 
Os agentes foram afastados do serviço e passaram a ser investigados. Primeiro, o inquérito foi aberto no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), mas acabou transferido para a Corregedoria, após queixas públicas de familiares e da advogada dos pais do designer, que temiam uma isenção de punições para os policiais envolvidos no incidente. A SSP garantiu que o caso está sendo apurado com total isenção e transparência e promoveu uma reconstituição dos fatos no dia 29 de abril. O Ministério Público Estadual (MPE) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também acompanham o caso. 

A Secretaria da Segurança Pública (SSP) confirmou ontem à tarde a conclusão do inquérito policial que apurou a morte do designer de interiores Clautenes José dos Santos, morto a tiros no dia 8 de abril, após uma abordagem de policiais civis na ponte entre os bairros Bugio e Santos Dumont (zona norte de Aracaju). 
Segundo o órgão, o delegado Júlio Flávio Prado, da Corregedoria de Polícia Civil, encaminhou as peças do inquérito para a 5ª Vara Criminal de Aracaju, onde o processo irá tramitar em segredo de Justiça e passará primeiro por uma análise do representante do Ministério Público. Não foram divulgados detalhes sobre o conteúdo do relatório, mas a previsão é de a SSP convoque uma coletiva de imprensa para hoje ou amanhã, a fim de esclarecer detalhes do caso. 
A morte de Clautenes teve grande repercussão em todo o estado, pois a família dele denuncia que houve erro na abordagem dos policiais - o que chegou a ser admitido pela própria SSP. O designer estava com um amigo em um carro do aplicativo Uber que acabou parado por três agentes da Divisão de Roubos e Furtos de Veículos (DRFV), que investigavam o roubo de um carro ocorrido no Bugio. Durante a abordagem, os policiais atiraram contra o veículo e acabaram acertando dois disparos na cabeça de Clautenes, que morreu a caminho do hospital. 
Os agentes foram afastados do serviço e passaram a ser investigados. Primeiro, o inquérito foi aberto no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), mas acabou transferido para a Corregedoria, após queixas públicas de familiares e da advogada dos pais do designer, que temiam uma isenção de punições para os policiais envolvidos no incidente. A SSP garantiu que o caso está sendo apurado com total isenção e transparência e promoveu uma reconstituição dos fatos no dia 29 de abril. O Ministério Público Estadual (MPE) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também acompanham o caso. 

 


COMPARTILHAR NAS REDES SOCIAIS